Fri. May 27th, 2022



(Observe que esta resenha contém detalhes de um evento que pode ser considerado um spoiler. Nosso revisor achou que isso era necessário e no contexto de toda a resenha.) Sou um grande fã do Hampstead Theatre. Eu gostei de várias produções tanto no Main Stage quanto no The Downstairs Studio nos últimos anos. Depois de ver os dois shows tocando na semana passada, fiquei curioso para saber por que nós aqui no Everything Theatre não cobrimos um show no Hampstead Theatre desde 2016. Acontece que ninguém no ET ou no Hampstead Theatre consegue descobrir o porquê, mas espero ;

Avaliação



Pobre

Existem algumas ideias interessantes aqui, mas, do jeito que está, a coisa toda realmente precisa ser seriamente repensada.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

(Observe que esta revisão contém detalhes de um evento que pode ser considerado um spoiler. Nosso revisor achou que isso era necessário e no contexto de toda a revisão.)

Eu sou um grande fã de Teatro Hampstead. Eu gostei de várias produções tanto no Main Stage quanto no The Downstairs Studio nos últimos anos. Depois de ver os dois shows tocando na semana passada, fiquei curioso para saber por que nós aqui no Everything Theatre não cobrimos um show no Hampstead Theatre desde 2016. Acontece que ninguém no ET ou no Hampstead Theatre pode descobrir o porquê, mas espero vamos cobrir mais nos próximos meses e anos!

É bastante lamentável, então, que voltemos para A violação. O ponto crucial desta peça é que em 1977, os irmãos Judith e Anton concordam em um plano para que ela seja drogada e estuprada por uma gangue. É tudo com o objetivo de proteger Anton do bullying. O roteiro gasta muita energia tornando os estupradores simpáticos, incluindo um dizendo que ela era sua “primeira e mais gostosa”. Não fica muito melhor a partir daí. Casais sentados em ambos os lados de mim saíram no intervalo, o grupo ficou apenas porque uma pessoa estava ‘mórbida curiosa’ para ver como isso terminava.

The Breach se passa no mesmo porão de Kentucky em 1977 e 1991. Só sabemos que é um porão de Kentucky porque o programa nos diz isso. Também nos informa que é a primeira parte de uma trilogia de Kentucky – nada disso aparece no palco e enquanto o elenco está falando com sotaques americanos convincentes, temo não ter recebido um sotaque sulista de nenhum deles.

Shannon Tarbet dá um desempenho forte como Jude ’77. Na verdade, as performances não são o problema aqui, todo o elenco se sai bem – mas há uma estranha desconexão na encenação. Parece muito falar um com o outro com grandes lacunas entre os atores. Essas lacunas apenas diminuem entre Jude ’77 e Acton, sugerindo que essa deve ter sido uma escolha temática. Simplesmente não funciona. Em vez disso, deixa as conversas à distância ou direcionadas para os lados.

O palco é inclinado, com parte dele ocasionalmente eficaz, especialmente quando Jude e Acton recriam o incidente em que seu pai caiu para a morte. O humor negro enquanto eles rolam pelo palco pensando no que ele poderia ter pensado ou visto naqueles últimos momentos é bem feito e sombriamente cômico. Ou talvez fosse apenas uma pausa de tudo o que estava acontecendo?

Há idéias interessantes presentes; temas de pobreza e privilégio, nepotismo, produtos farmacêuticos, seguros e ‘Big Pharma’. Mas a maioria deles recebe pouca atenção, simplesmente contribuindo para o tema principal do consentimento, ou a falta dele, e até onde alguém vai para proteger sua família. Todos são bons temas, todos podem ser bons dramas – eles não fazem aqui.

Eu me encontrei sentado lá balançando a cabeça, irritado e frustrado, e só piorou no segundo tempo. Eu realmente teria que sugerir que a coisa toda precisa ser seriamente repensada. Espero que da próxima vez que voltarmos ao Hampstead Theatre seja para uma peça muito mais agradável.

Escrito por Naomi Wallace
Dirigido porSarah Frankcom
Produzido por Hampstead Theatre UK

The Breach toca no Hampstead Theatre até 4 de junho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin