Mon. Feb 26th, 2024



Para muitos de nós, uma fantasia completa a transição do processo de ensaio para uma performance pronta para o palco. Mas os componentes do que torna um traje “bom” podem variar significativamente. Revista Dance conversou com uma dançarina de balé, uma supervisora ​​de guarda-roupa e uma crítica de dança para descobrir o que eles acreditam que contribui para uma fantasia de sucesso.


Jon Taylor, supervisor de guarda-roupa do Alvin Ailey American Dance Theatre

“Uma boa fantasia incorpora três coisas principais: o conceito, o tecido certo e uma conversa com a dançarina. Uma fantasia sempre deve estar enraizada no conceito da peça. Quando se trata do tecido, a dançarina deve ser capaz de se mover, ao mesmo tempo que é durável o suficiente para suportar a tensão que a dança vai colocar nele. Eu normalmente me inclino para um tecido de micro-mistura de algodão, que é ótimo para calças masculinas e pode ser tingido em uma variedade de cores, bem como tecidos como rayon e crepe. E, por último, uma boa fantasia precisa de uma conversa com a dançarina. Sempre digo que se a dançarina gostar da fantasia só tem que se preocupar em dançar. ”

Courtney Lavine, dançarina do corpo de balé do American Ballet Theatre

“Para mim, é tudo uma questão de ajuste. Desde que eu consiga me dobrar, me mover e respirar, estou extremamente feliz. Não gosto de me sentir supercoberta, como se não pudesse mostrar minhas falas. Ficar sobrecarregado com o tecido às vezes pode prejudicar meu movimento e parecer um obstáculo. Trabalhamos muito no estúdio como dançarinos, tentando aperfeiçoar tudo. Depois de colocar o figurino, ele deve nos elevar e, por fim, ajudar o personagem ganhe vida. “

Siobhan Burke, escritora e crítica de dança

“Ótimos figurinos marcam. Como alguém que vê muita dança e novos trabalhos, adoro quando os figurinos desencadeiam uma conversa com o corpo maior do trabalho de um coreógrafo. É sempre revigorante ver algo inesperado. Um bom figurino também destaca certos elementos na peça. Complementa aspectos do ambiente e cria um clima particular. Você sempre pode dizer quando um figurinista entende os dançarinos e seus corpos. O dançarino nunca deve lutar contra o figurino. Deve fazê-los se sentir mais livres e quando você pode ver isso pelo público, isso muda imediatamente a experiência. “



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.