O arquétipo da mulher cigana de sucesso

As peças acima descritas mostram que as mulheres ciganas não se encontram numa situação fácil, visto que estão em desvantagem não só na sociedade em geral, mas também na sua própria comunidade. No entanto, o jogo Bambina, a Rainha das Flores formula uma mensagem encorajadora e apresenta um excelente exemplo de como uma mulher cigana pode alcançar uma influência social significativa e aceitação com um trabalho persistente e apaixonado.

Bambina, a Rainha das Flores de Alex Fifea, Zita Moldovan e Andrei Serban, é uma peça documentarista apresentada no quarto Roma Heroes International Theatre Festival em 2020. Este show segue as histórias de floristas romenos que levaram à história de Lina Georgescu, também conhecida como Bambina, e o nascimento de seu império floral. Empresa ARTHUB descobriu vários detalhes sobre as experiências da vida real de Bambina por meio de uma entrevista com um de seus filhos, Florin Georgescu, a fim de lançar luz sobre a importância da carreira de Bambina na história dos floristas romenos. A performance é tornada mágica pelo colorido conjunto floral que enfatiza a diversidade da cultura cigana. Este efeito é criado com a música e canto de o músico cigano de Bolden, Mamiru e sua equipe.

Ao longo da peça, testemunhamos Bambina se adaptar com sucesso às mudanças do mercado de flores e construir um império significativo durante as décadas desafiadoras de sua carreira. Bambina começa a vender flores aos sete anos, inicialmente vendendo flores que outras pessoas jogam fora em restaurantes. Ela é muito ágil e aos quatorze anos já dirige sua própria barraca.

Durante a era comunista, ela se torna Nicolae Ceausescucomprador oficial de. Em 1994, após o fim do comunismo e quando a venda de flores quebrou na Romênia, Bambina importa a melhor qualidade de flores da Holanda para a Romênia, o que impulsiona seus negócios; ela vende oito caminhões de flores. Tudo isso mostra claramente que sua coragem (nos negócios) a torna uma florista melhor e mais bem-sucedida do que as outras. Além disso, ela é uma pessoa de boa vontade, misericordiosa e generosa, o que a torna muito popular nas comunidades ciganas romenas. Quando ela morreu em 2014, até duas mil pessoas se despediram no Cemitério da Ressurreição da Romênia, onde ela encontrou seu último lugar de descanso entre artistas famosos.

É claro que se trata de uma clássica história de sucesso: a história de uma mulher cigana que começa por baixo mas, pelo seu trabalho árduo e perseverança, constrói e lidera um verdadeiro império, adquirindo assim significativa influência social. Ao mesmo tempo, no entanto, é mais do que uma história clássica de sucesso, porque Bambina prova que ela, como uma mulher cigana, também pode ser bem-sucedida – embora venha de uma posição social multiplamente desfavorecida. Como cigana e mulher, ela tem que enfrentar muito mais dificuldades em um mundo competitivo que é basicamente dominado por homens brancos e restringe as mulheres, de modo que elas raramente – e apenas em casos excepcionais – têm sucesso no mundo dos negócios.

Bambina redefiniu-se apesar dos desafios e dificuldades sociais que as mulheres ciganas enfrentaram. Um dos seus principais objetivos era apoiar a mobilidade social das mulheres ciganas que vinham de situações semelhantes à sua. Desse modo, ela refutou todos os estereótipos sobre as mulheres ciganas: ela era uma mulher de negócios bem-sucedida, uma mãe amorosa e responsável e uma esposa dedicada que ajudava sua comunidade como matriarca.

Uma imagem futurista

Uma das peças mais corajosas no quarto Festival Internacional de Teatro Roma Heroes em 2020 foi Romacen, a era da bruxa, escrita por Mihaela Dragan e interpretada pela companhia Giuvlipen. Nesta peça, algumas mulheres ciganas sonham ambiciosamente com o futuro poder global das mulheres ciganas – embora seu plano não se torne realidade.

Romacen é um experimento muito empolgante que apresenta uma perspectiva feminina cigana sem precedentes, voltada para o futuro, rebelde e fortemente utópica. Essa densidade é uma força inovadora do jogo. O dramaturgo cria um mundo visual teatral moderno, às vezes usando sons mágicos e místicos para fazer isso. Ao mesmo tempo, ela usa uma estrutura incomum, já que dois terços da performance são ambientados em um mundo virtual estático e rígido antes de passar do espaço virtual para a realidade, onde a atuação intencionalmente rígida e desajeitada se torna mais vívida.

O show acontece primeiro em um espaço virtual futurista chamado Romacen. No início da performance, as personagens femininas repetem vários comandos de TI. Essas mulheres ciganas são chamadas de “tecno-bruxas” porque são boas em lidar com tecnologia da Informação. Com a ajuda de dispositivos tecnológicos, as bruxas – Kali, Ramona, Nevi-Carmen, Phuri, Deja e Cassandra – observam os pontos fortes e fracos dos não-ciganos. Eles iniciam vários ataques cibernéticos contra políticos populistas, tornando sociedades inteiras inoperantes.

As bruxas também contemplam opções de viagem no tempo porque querem voltar no tempo para prevenir as injustiças históricas que aconteceram com os ciganos. Eles reconhecem que o atual racismo contra os ciganos está enraizado no passado e querem acabar com esse ódio. No entanto, eles não podem realizar seus objetivos porque são pegos. Na última parte da performance, o cenário de ficção científica desaparece e vemos um interrogatório. Os integrantes do Romacen são tomados como suspeitos dos ciberataques e, no final, a comunidade de tecno-bruxas é eliminada. Neste ponto, a peça revela que o mundo cibernético, antes apresentado como realidade, é fictício e que o Romacen é na verdade um fórum online; um espaço virtual para mulheres ciganas que vivem em Londres.

Os personagens desta peça utilizam tecnologia moderna para lutar contra o domínio dos homens brancos, derrubar o mundo de gadjos (pessoas não ciganas), e criar Romacen, um mundo sem opressão. O próprio nome é evocativo; faz referência ao período Antropoceno, que começou quando as atividades humanas começaram a ter um efeito global significativo no ecossistema da Terra. Romacen prevê um período da história mundial em que o povo cigano está no poder e as ações e decisões das mulheres ciganas têm um efeito global nos acontecimentos do mundo. A peça mostra, assim, um mundo governado por homens brancos, onde mulheres ciganas rebeldes aparecem e tentam reverter a estrutura de poder e introduzir uma nova ordem mundial: Romacen, o governo das mulheres ciganas. Apesar do fato de que esse experimento falha, a peça, no entanto, apresenta uma narrativa e um mundo muito emocionantes e significativos.

Os ciganos têm o mesmo direito à auto-representação que qualquer outra minoria. Infelizmente, a discriminação ainda está presente no mundo da arte e no mundo em geral.

Repensando os papéis femininos da Roma

Todas essas peças tratam da construção da carreira como uma questão fundamental. Vemos nestes programas que as tradições ciganas frequentemente determinam os caminhos de vida das mulheres ciganas, mas estas histórias individuais apresentam pontos de vista específicos que desafiam a ideia da existência predeterminada das mulheres ciganas.

Del Duma mostra várias histórias de vida de mulheres ciganas, apresentando a relação complicada entre o casamento e a construção de uma carreira e, ao mesmo tempo, retratando os papéis e destinos das mulheres ciganas na instituição do casamento. Menina camaleão discute o dilema de uma jovem cigana que deve tomar suas próprias decisões sobre sua vida: ela deve assimilar em prol de uma carreira e mobilidade social, mas permanecer invisível para a comunidade cigana? Ou, se ela orgulhosamente escolher começar uma família, ser uma mãe responsável e se tornar um membro útil da sociedade?

Garota consegue sintetizar as extremidades dos supostos destinos das mulheres ciganas: a maternidade ou a carreira. Bambina foi uma mãe amorosa, esposa e uma mulher Roma imensamente bem-sucedida e socialmente influente. A sua história é um bom exemplo de como as mulheres ciganas não têm de escolher entre a maternidade e a carreira. Romacen é subversivo e comunica fortemente que as mulheres ciganas devem ser libertadas da opressão; eles devem assumir seu destino em suas próprias mãos e usar todas as ferramentas para defesa de direitos a fim de desconstruir ou reinterpretar o papel que sua comunidade lhes concedeu por séculos.

Estas quatro peças exemplificam como o teatro é uma excelente plataforma para defender a identidade feminina cigana e os caminhos de vida individuais. Ao mesmo tempo, o teatro também é uma ferramenta poderosa para combater o racismo e a estigmatização. É por isso que é especialmente importante que outros canais além dos teatros ciganos representem a voz e o interesse dos ciganos. Os ciganos têm o mesmo direito à auto-representação que qualquer outra minoria. Infelizmente, a discriminação ainda está presente no mundo da arte e no mundo em geral. Ainda hoje, o povo cigano luta contra várias formas de opressão, como o racismo e a discriminação. A representação cigana é carregada de estereótipos e carregada de imagens distorcidas.

Nos últimos quatro anos, as apresentações nos Festivais de Teatro Roma Heroes International nos apresentaram – às vezes tristes, outras vezes humorísticas – peças sobre histórias humanas poderosas e honestas de heróis Roma, que levantaram questões e tópicos sociais importantes. Desta forma, estas peças se destacam na reinterpretação, entre outras coisas, dos conceitos errados sobre as mulheres ciganas e, portanto, oferecem uma grande oportunidade para fornecer um ponto de vista crítico. Ao apresentar as declarações e histórias exemplares das mulheres ciganas, de outra forma silenciadas, essas peças estão remodelando as opiniões estereotipadas da sociedade sobre as mulheres ciganas.



By admin