Fri. Oct 7th, 2022



A Dança da Morte no Arcola é uma peça ‘quase’. Uma situação interessante é interrogada: um casal mais velho e de alto status está à beira de perder seu poder e possivelmente suas vidas. No entanto, nesta produção não há nenhum perigo real transmitido e, quando deveria haver, os próprios personagens não o sentem. Há potencial para uma representação extremamente turbulenta e visceral de um relacionamento conjugal, mas na verdade esta é uma peça estática. Teatro é entretenimento, ou pelo menos deveria ser. Este show simplesmente não tem qualquer aparência de unidade. Embora às vezes engraçado, existe o…

Avaliação



OK

Uma produção decepcionantemente estática e sem vida, apesar da atuação bem-sucedida e alguns efeitos de iluminação impressionantes.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

A Dança da Morte no A Arcola é um jogo ‘quase’. Uma situação interessante é interrogada: um casal mais velho e de alto status está à beira de perder seu poder e possivelmente suas vidas. No entanto, nesta produção não há nenhum perigo real transmitido e, quando deveria haver, os próprios personagens não o sentem.

Há potencial para uma representação extremamente turbulenta e visceral de um relacionamento conjugal, mas na verdade esta é uma peça estática. Teatro é entretenimento, ou pelo menos deveria ser. Este show simplesmente não tem qualquer aparência de unidade. Embora engraçado às vezes, há uma necessidade emocional mínima um do outro de qualquer um dos personagens. A Dança da Morte não tem ação ou evento e não há pressão suficiente transmitida por seus personagens para justificar essa falta.

Rebecca Lenkiewiczadaptação de August StrindbergA peça de ‘s é escrita sem o público em mente. É afiado às vezes, mas geralmente não está afetando. O diálogo é uma janela para os pensamentos geralmente não ditos de um casal mais velho e, portanto, é razoavelmente cômico. Os personagens são escandalosos, mas difíceis de simpatizar. Isso provavelmente se deve à falta de qualidades redentoras; Eu não conseguia encontrar a luz na escuridão do mundo Alice (Lindsay Duncan) e Edgar (Hilton McRae) habitam juntos, e Katrin (Emily Bruni) é uma presença estranhamente inacreditável e chocante nesse mundo.

Apesar de tudo, a atuação é muito bem-sucedida. Duncan e McRae ocupam o espaço com excelência, são comprometidos e envolventes. A brincadeira entre eles é agradável e Mehmet a história de seu relacionamento é clara. Dizendo isso, o elenco não mantém as apostas emocionais entre eles necessárias para instilar drama.

Curti As cadeiras de Ionesco, esta peça é um olhar absurdo de um casal que vive à parte da realidade. Ao contrário dessa peça, porém, esta produção não apresenta um ‘jogo’ e ficamos com uma história plana que não muda de tom desde o início. O evento crucial é aparentemente a dança que Edgar faz e, em termos de movimento, essa é literalmente a única seção que se move. Uma marca de direção muito típica e simplista é deixada na produção (por Mehmet Ergen), o que não é empolgante e é difícil dizer mais do que é funcional; atores sentam ou ficam de pé e entregam as falas – é basicamente isso.

Graça InteligenteO design é preciso: uma sala de estilo predominantemente de madeira e muito realista do século XIX/início do século XX compõe o cenário. David HoweA iluminação de é a única coisa na produção que tem momentos de suspense e dinamismo e suas escolhas ajudam a formar algumas imagens marcantes.

Há um ângulo Covid na narrativa, com fortes temas de isolamento, bem-estar mental e físico em um mundo atingido por doenças. Esse perigo surge ocasionalmente, mas a situação não afeta os personagens que já estão resignados a uma visão mórbida da vida. Essa ideia se desvanece e deixa o gosto de uma adição de última hora.

Como o nome sugere, a morte sustenta a peça e, infelizmente, a ação que se desenrola é deixada apenas isso – praticamente morta. Este espetáculo é teatro no sentido mais mínimo: uma história contada por personagens parados em uma única sala. Não é inovador ou criativo de qualquer maneira, mas é uma peça clássica bem encenada que foi parcialmente modernizada.

Escrito por: August Strindberg
Adaptado por: Rebecca Lenkiewicz
Direção: Mehmet Ergen
Produzido por: Arcola Theatre, Cambridge Arts Theatre, Royal & Derngate, Northampton, Oxford Playhouse e Theatre Royal Bath Productions

Dança da Morte em cartaz no Teatro Arcola até 23 de julho de 2022. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui



By admin