Mon. Mar 4th, 2024


Desde os 7 anos, Daphne Fernberger sabia que queria seguir carreira na dança. “Eu estava na aula de balé e foi a primeira vez que me pediram para demonstrar”, diz ela. Esse momento despertou uma paixão que a levou à Jacqueline Kennedy Onassis School e à The Juilliard School do American Ballet Theatre, depois ao Cedar Lake Contemporary Ballet, Dresden Frankfurt Dance Company e, em setembro de 2021, ao LA Dance Project. “Estou muito empolgada com a multimídia, os artistas inspiradores com quem posso dançar, a coreografia que é criada e definida sobre nós e a visão de Benjamin Millepied”, diz ela. Explorar a dança através de diferentes mídias faz parte do trabalho de Fernberger como coreógrafa, e até hoje já realizou três filmes de dança. “Ser dançarina é meu foco principal, mas comecei a me apaixonar por nutrir e compartilhar minha própria visão.”

Fazendo filmes

Para seu filme de dança Ambiente como Eu, Fernberger trabalhou com seu pai, o diretor de fotografia Peter Fernberger, e amigo, editor de cinema e ex-dançarino de Cunningham Daniel Madoff. Eles colaboraram novamente em O Rio Dentroseu próximo filme de dança.

Sua rotina de pré-performance

“Cada dia é diferente, mas estou sempre em busca de conexão dentro de mim e do meu entorno. Às vezes isso significa que preciso fechar os olhos e sentir, às vezes preciso de um abraço.”

Modernizando um clássico

“Recentemente tive a honra de dançar Romeu feminino com minha Julieta feminina no filme de Benjamin Millepied. Romeu e Julieta. É tão emocionante trazer este clássico épico para um mundo mais contemporâneo.”

Obtendo Intencional

“Os dançarinos que mais me inspiram estão profundamente vivos com sensação e intenção. Praticar meditação, particularmente meditação de movimento, é a minha maneira de explorar isso.”

Esculpindo intenções em seu próprio trabalho

“Eu me dou tempo com o conceito, explorando-o e talvez fazendo um mood board ou uma coleção de inspirações e pensamentos para mim e para os dançarinos. Muitas vezes gosto de começar os ensaios com um check-in, improvisação guiada e depois criar movimento por movimento.”

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.