Sat. May 28th, 2022



É mais fácil ir com a maré do que contra ela? Uma pessoa pode realmente fazer a diferença, quando é apenas uma única gota em um vasto mar? Este é realmente o cerne da instigante TIFO, outra peça que faz exatamente o que os melhores teatros marginais fazem: deixa você questionando as opiniões que você teve ao entrar no edifício sagrado. A maré aqui é o racismo e as vaias dos jogadores que se ajoelham, e nossa única gota no mar é Kerry (interpretado pelo escritor Kieran Dee). O Kerry de Dee não é nada do que você supõe que ele é…

Avaliação



Excelente

Essa peça sobre vaias de jogadores de futebol que se ajoelham não é nada do que você poderia esperar, mas é essa má orientação inicial que a torna ainda melhor.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

É mais fácil ir com a maré do que contra ela? Uma pessoa pode realmente fazer a diferença, quando é apenas uma única gota em um vasto mar? Este é realmente o ponto crucial do instigante TIFO, outra peça que faz exatamente o que os melhores teatros marginais fazem: deixa você questionando as opiniões que você tinha ao entrar no edifício sagrado. A maré aqui é o racismo e as vaias dos jogadores que se ajoelham, e nossa única gota no mar é Kerry (interpretado pelo escritor Kieran Dee).

O Kerry de Dee não é nada do que você supõe que ele será. Na verdade, mesmo os momentos iniciais, quando ele entra no palco, com a cabeça raspada, mastigando um talo de aipo antes de começar um cântico grosseiro de futebol do Chelsea sobre o aipo, cria um erro bem elaborado, reforçando sua suposição de que Estou prestes a ver um idiota tipicamente estúpido que se diz fã de futebol.

Mas cante mais, Kerry se torna algo bastante inesperado; pensativo, um pouco tímido e educado. Também ouvimos que ele é bastante bom em fugir de situações difíceis, porque como a amiga Mandy lhe diz: “Você não gosta de conflito”. Uma coisa da qual ele fugiu anteriormente é da família. Logo fica claro o porquê, porque seu pai é, ou melhor, era claramente racista e tudo o que você imagina quando imagina um típico hooligan de futebol dos anos 80. Após a morte de seu pai, Kerry é atraído de volta, eventualmente se encontrando na partida de futebol Inglaterra/Croácia. Alimentado por bebida e drogas e cercado por familiares e amigos, quando a vaia acontece ele não consegue deixar de seguir a maré ao seu redor e participar. É nesse momento fugaz que TIFO gira inteiramente ao redor.

O que acontece antes desse momento é para nos mostrar que nem todos os que vaiaram têm suástica e tatuagens de amor/ódio. Em vez disso, eles podem parecer pessoas perfeitamente comuns: pelo menos na maioria das vezes. Mas no ambiente estranho de uma multidão zurrando, o pior, ou talvez alguns argumentem que a verdadeira natureza deles vem à tona. Como Kerry coloca, “trabalhamos a semana toda reprimindo nossas emoções, então no fim de semana por algumas vezes deixamos tudo para fora”.

O que acontece depois desse momento decisivo revela alguém tentando aceitar o que fez; que este único evento pode defini-los para sempre, não importa o que mais eles possam ter feito em suas vidas. É esse exame interior e batalha enquanto Kerry tenta fazer as pazes, quando ele percebe que pode estar com ou contra os racistas, e que o passivismo é apenas aceitação implícita, que empurra TIFO em territórios instigantes e instigantes.

Não é apenas essa abordagem ousada de um assunto difícil que torna a peça tão assistível. O roteiro de Dee está repleto de momentos de maravilhosa hilaridade, nos encorajando a amar seu personagem e, ao fazer isso, tornando suas vaias ainda mais chocantes. Depois, há a introdução daqueles argumentos usados ​​para defender o indefensável: citações de políticos sobre o joelho, a afirmação de seu irmão de que o movimento Black Lives Matter “começou bem-intencionado, mas agora é apenas violência”. Ele constrói uma imagem de por que as vaias são aceitáveis ​​na mente de algumas pessoas – argumentos que muitos de nós já ouvimos serem usados ​​na vida real por pessoas que nunca chamaríamos de racistas de verdade; pessoas que se deixam enganar pelas falsidades usadas para justificar esse comportamento desprezível.

TIFO é uma peça de teatro atraente e instigante que é exatamente o que o teatro marginal deve ser, abordando assuntos difíceis de maneiras novas, interessantes e desafiadoras. E acima de tudo é educativo: agora sei por que os torcedores do Chelsea cantam sobre aipo!

Escrito por: Kieran Dee
Direção: Grace Millie
Produção: Moon Loaf Theater

TIFO joga no Lion e Unicorn até 5 de fevereiro. Mais informações podem ser encontradas através do link abaixo.



By admin