Sat. May 21st, 2022



O Voloz Collective se descreve como uma ‘Companhia Internacional de Teatro Físico’ e consiste em Olivia Zerphy, Paul Lofferon, Emily Wheatman e Sam Rayne, acompanhados pelo diretor musical Fredrick Waxman. Seu show se passa em 1963, onde Roger Clement é um francês que vive em Nova York, trabalhando para uma agência de publicidade. Roger tem uma rotina definida, ao minuto. Ele se levanta, vai trabalhar, chega em casa, janta e vai para a cama. Ele não é infeliz: esta é a sua rotina, esta é a sua vida. O elenco representa a rotina diária de Roger para nós; tomando café da manhã, trancando seu…

Avaliação



Imperdível!

O Voloz Collective segura o público na palma de suas mãos enquanto eles avançam em um brilhante turbilhão de história e movimento.

Avaliação do utilizador: 3,74 ( 5 votos)

Coletivo Voloz descrevem-se como uma ‘Companhia Internacional de Teatro Físico’ e consistem em Olivia Zerphy, Paul Lofferon, Emily Wheatmane Sam Rayneacompanhado pelo diretor musical Frederico Waxman. Seu show se passa em 1963, onde Roger Clement é um francês que vive em Nova York, trabalhando para uma agência de publicidade. Roger tem uma rotina definida, ao minuto. Ele se levanta, vai trabalhar, chega em casa, janta e vai para a cama. Ele não é infeliz: esta é a sua rotina, esta é a sua vida.

O elenco representa a rotina diária de Roger para nós; tomando café da manhã, trancando a porta, viajando e assim por diante. Existe um teatro físico simples e eficaz para nos mostrar essas ações e nos trazer para o regime normal dos dias normais de Roger. Até que um dia algo muda. Um pequeno atraso acaba salvando sua vida quando seu escritório explode. Por que o escritório dele explode? Bem, é aí que está a história, que salta por gêneros, locais, sotaques e situações cada vez mais loucas à medida que desvendamos o mistério do whodunnit.

Junto com o escritório de Roger, o teatro físico e a comédia também explodem quando Roger vê uma pista nos escombros, percebe que parece familiar e então o tempo volta no tempo. É a partir desse momento que eu acho que o Voloz Collective nos teve na palma de suas mãos, enquanto eles avançavam em um brilhante turbilhão de história e movimento.

O roteiro é afiado e rende tantas risadas quanto o teatro físico. Não há trégua, não há pausa: está a todo vapor com enorme energia, expressão e entusiasmo irradiando do palco. E isso não é apenas em momentos aqui e ali: é peça por peça, cena por cena. Há uma platéia totalmente engajada rindo junto, e às vezes parece que estamos querendo que todos no palco sigam em frente, projetando energia para os artistas. A alegria era palpável.

Em um show com comédia física e acrobacias, o timing é fundamental. Aqui, é perfeito tanto na performance quanto na escrita. Cada piada, cada ação, cada pose é mantida pelo tempo certo; nada muito longo e nada ultrapassa as suas boas-vindas.

Uma palavra rápida para elogiar Fredrick Waxman, o diretor musical: ele está no palco tocando teclado quando as portas se abrem e fica claro desde o início que há muito mais em seu papel do que isso. Ele oferece excelente música e efeitos sonoros e tem uma quase-camafeu engraçada no final. Waxman parecia estar se divertindo, notavelmente sorrindo para as reações do público por toda parte.

Estou tão feliz que isso chegou ao adorável Teatro Omnibus como parte de sua temporada de transferência de cofres. Ele já teve um show adicionado à sua breve exibição aqui, então compre um ingresso se puder. No final, após alguns aplausos, houve algumas breves palavras do Coletivo. Isso incluiu que eles estarão de volta para o Fringe no final do ano. Não me lembro da última vez que saí do teatro querendo marcar para ver o mesmo show novamente. Bem, Coletivo Voloz, vejo vocês no Fringe e mal posso esperar!

Escrito, produzido, dirigido e interpretado por: Voloz Collective

The Man Who Thought He Knew Too Much toca no Clapham’s Omnibus até 5 de março. Mais informações sobre este show e o Voloz Collective podem ser encontradas em seu site através do botão abaixo.



By admin