Mon. May 23rd, 2022


Bem-vindo ao nosso Destaque do Play em Destaque. Casa de diversões por Lindsay Price é uma peça de estilo de vinheta incrivelmente única e desafiadora que é um excelente catalisador para conversas sobre bullying.

Esta peça analisa o intimidado, o agressor e o espectador através de vinhetas principalmente não verbais. A vida para o intimidado é como uma casa de diversões, mas a casa de diversões é tudo menos divertida.

Como você pode se manter firme quando está em um chão caindo? Como você pode seguir em frente quando você é pego como um rato em um labirinto? Como você pode ganhar Whac-A-Mole quando você é a toupeira? Como você pode gostar de si mesmo estando em uma sala de espelhos distorcida?

Não há respostas de algodão doce aqui.

Por que publicamos esta peça?
Muitas de nossas peças vêm de ouvir os clientes. Um feedback dos professores do ensino médio que recebemos é que eles adoraram nosso jogo não-verbal Bagagem Emocional mas o conceito estava um pouco além de seus alunos. Poderíamos fornecer um especificamente para o ensino médio? Com um elenco maior?

Casa de diversões olha para o intimidado, o agressor e o espectador através de vinhetas principalmente não verbais. Ao ver outras jogadas sobre o tema, não gostamos muito – muitas terminam com um confronto bully-bullying em que o bully instantaneamente vê o erro de seus caminhos e promete ser uma pessoa melhor. E todos eles viveram felizes para sempre. Isso nunca acontece na vida real. Os agressores podem mudar? Claro! Mas não em um momento no palco. É tão destrutivo mostrar esse final de conto de fadas porque haverá alunos na platéia assistindo ao show, sendo intimidados, sabendo que sua situação não está sendo representada. E aí reside um grande problema.

Jogadas problemáticas são complicadas porque lidam com questões que estão acontecendo naquele momento, agora mesmo, para alguém assistindo a peça. Não é terapia, não é um folheto informativo e a teatralidade deve sempre presidir, mas a peça teatral tem alguma responsabilidade de abordar a realidade do problema.

Dito isto, assim como você não pode mostrar o final feliz da sitcom “todo mundo se ama”, você não pode ir ao outro extremo e mostrar uma aniquilação sem vitórias. Porque então aquele aluno sentado na platéia, sendo intimidado, tem o pensamento muito aterrorizante de: “Bem, não há esperança, não é?” E isso é algo que não estamos preparados para colocar nos ombros de uma criança de 10 ou 11 anos.

Casa de diversões tem o equilíbrio certo entre os extremos, em contexto teatral e por isso está no nosso catálogo. É único e um grande catalisador para a discussão pós-show sobre a questão do bullying. É uma peça desafiadora, mas de forma alguma está além do escopo do ensino médio.

Vamos ouvir o autor!

1. Por que você escreveu esta peça?
Ouvi de professores do ensino médio que eles adoravam os elementos não-verbais em Bagagem Emocional mas estava procurando uma peça específica para o ensino médio, e poderia ter um elenco maior? Feito e feito! Eu tinha visto uma série de peças que abordavam o tema do bullying e não estava feliz com o que vi – muitos valentões vendo o erro de seus caminhos. Eu queria escrever algo diferente.

2. Descreva o tema em uma ou duas frases.
A casa de diversões visa virar a realidade de cabeça para baixo – mostra uma versão distorcida de si mesmo em um espelho. Ele inclina o chão quando você menos espera. Ele salta para você das sombras. Isso distorce a verdade. É uma imagem vívida de como é a vida para o intimidado.

3. Qual é o visual mais importante para você nesta peça?
Às vezes, os valentões vencem. Isso é importante mostrar. Esses atos são vitais para a realidade da peça, pois de fato são vitais para mostrar a realidade do que um aluno intimidado deve enfrentar.

4. Se você pudesse dar um conselho para quem está produzindo a peça, qual seria?
É uma peça que se baseia principalmente na ação e não no diálogo, então esse será seu foco. Como a ação conta a história em cada momento? É uma peça desafiadora, mas de forma alguma além do escopo do desempenho do ensino médio.

5. Por que essa peça é ótima para artistas estudantes?
O escopo do bullying é bastante abrangente nos dias de hoje, do físico ao verbal, às diferentes maneiras pelas quais os meninos intimidam do que as meninas, até a insidiosidade do cyberbullying. Essa peça oferece uma oportunidade para os alunos, na peça e assistindo a peça, se engajarem em conversas sobre esse assunto, infelizmente, extremamente relevante.


Get sua cópia do Funhouse aqui e agora!

Não é certo para o seu grupo agora? Pesquise nosso catálogo de peças para encontrar uma que seus artistas vão adorar!

Quer saber mais sobre nossas peças, recursos e brindes mais recentes?
Entre na nossa lista!

By admin