Wed. Feb 1st, 2023



Comecei eliminando a palavra ‘somente’ tanto quanto possível. Meu professor de atuação secundário (um daqueles revolucionários que conheci em uma reentrada na atuação e que foi influente para mim como um adulto de maneiras que ele nunca saberá) gritava em nossa aula de teste: “Pare de dizer ‘APENAS’! Seu personagem nunca APENAS faz nada, você nunca está APENAS tentando mostrar seu personagem fazendo algo. ”

Sem parar com a limpeza ‘justa’ de nossa faculdade comunitária (eu tinha 30 anos, voltando a atuar por meio de um ambiente de aula anos depois de um BA em Teatro) formas de atuação. Eu pensei que estava acima disso, eu iria ‘nunca’ use essa palavra no contexto de atuação. Mas eu fiz. Para responder às perguntas difíceis sobre a intenção e motivação do personagem, era constante “Ela está apenas tentando fazer seu pai aceitá-la.” “Ela simplesmente não tem certeza sobre como todo mundo se sente.” Até comecei a usá-lo como ator para justificar intenções como se estivesse em um concurso certo ou errado e o ‘justo’ me tiraria de uma resposta errada. “Estou apenas vendo como isso vai.” “Estou apenas tentando algo novo.” “Só não tenho certeza se concordo com isso” (para o diretor). Ah e mesmo, “Estou apenas neste pequeno espetáculo de teatro comunitário.”

Há um artigo maravilhoso de Jennifer Lawrence com alguns temas sobre a natureza apologética das mulheres (no caso dela, no que se refere a Hollywood e igualdade de remuneração). Ela é uma inspiração para mim, assim como a professora de teatro, ao eliminar esse reflexo embutido e desgastado de justificar / pedir desculpas / minimizar nossa maneira de comunicar o que estamos fazendo e o que queremos. Estou ficando melhor. Estou trabalhando nisso cada vez mais em situações de trabalho. Estou construindo meus e-mails com brevidade e franqueza, e está indo bem.

Mas eu preciso me sair melhor sendo uma ponta-dos-pés em questões de teatro, particularmente aquelas não diretamente relacionadas à atuação. Preciso lutar (e vencer) contra a vontade de escrever um e-mail para uma pessoa do teatro no quadro em que participo e que comece com ‘Eu não sei se já pensamos nisso antes, então, se pensamos, por favor, desconsidere’ e termina com ‘É apenas um pensamento, não se preocupe se não der certo.’ Quero parar de chamar o teatro de ‘pequeno passatempo secundário’ e dizer (como costumava dizer) que é minha paixão e muito importante para mim. Quero parar de me desculpar por algo que me deixa tão feliz e de pedir apoio para isso também.

Existe uma maneira de sermos claros sobre nossas necessidades e nossos interesses, e ainda sermos educados e corteses. Estou falando sob a presunção de que qualquer pessoa que precise editar seu comportamento de “desculpas” quando se trata de discutir teatro já tem uma propensão natural para ser gentil e amadurecer na correspondência e na comunicação. O que estou sugerindo é a melhora de um hábito natural de acolchoar nossos pensamentos e pedidos em nome do teatro, e cortar a gordura e palavras que parecem apologéticas ou culpadas. Aqui estão alguns pensamentos específicos:

-Basta dizer às pessoas que você está em um show e dar-lhes as informações para comparecer. Deixe de fora “Se você tiver tempo”, “Se estiver interessado”, “Você provavelmente não vai querer ir”, “Não é muito bom” e outros “Me desculpe, estou em um show” lixo.

– Peça às pessoas dinheiro ou apoio para o seu teatro e dê-lhes as informações de que precisam para ajudar. Deixe de fora “Sei que você tem outros lugares para oferecer”, “Não sei se isso é possível”, “Sem problemas se a resposta for não” e outros “Me desculpe, estou trabalhando em nome do teatro” lixo.

– Basta dar sua sugestão sobre uma ideia de teatro administrativo e deixar cair. Deixe de fora “Esta pode ser uma ideia idiota”, “Provavelmente nunca funcionará”, “Talvez você discorde desta” e outras “Lamento ter uma ideia para tornar o teatro melhor” lixo.

É ridículo para mim ter que lembrar a mim mesmo e provavelmente aos outros que não precisamos nos desculpar por fazer teatro e contar às pessoas sobre isso, incluindo pedir ajuda. Mas é legítimo e é uma espécie de resultado híbrido de uma falta de confiança pessoal dentro de alguns de nós, um hábito adquirido decorrente de regras de gênero formais e informais e um possível desrespeito pelos pensamentos e necessidades humanos uns dos outros, bem como por uma opinião sobre as artes ou sua importância.

O que nos torna apaixonados e dispostos a ir longe para expor a vulnerabilidade não deve viver no mesmo espaço que uma abordagem fraca na comunicação sobre ela.

By admin