Tue. Feb 27th, 2024


Menos de duas semanas depois que um júri federal decidiu que o single de Ed Sheeran, “Thinking Out Loud”, de 2014, não plagiava elementos de “Let’s Get It On” de Marvin Gaye, o músico inglês venceu um segundo processo envolvendo as duas músicas. De acordo com documentos judiciais obtidos pela Pitchfork, um juiz federal de Nova York, Louis L. Stanton, rejeitou uma queixa originalmente apresentada contra Sheeran e outros em 2018 pela Structured Asset Sales, LLC (SAS), cujo CEO, David Pullman, possui um terço dos direitos autorais do catálogo de Ed Townsend. Townsend co-escreveu “Let’s Get It On” com Marvin Gaye, tornando Pullman proprietário parcial de seus direitos autorais. A família de Townsend estava por trás do outro grande processo contra Sheeran.

Na denúncia, vista pela Pitchfork, a SAS alegou que “Thinking Out Loud” violou especificamente os direitos autorais da partitura de “Let’s Get It On”. O processo também delineou vários pontos de suposto plágio, incluindo comparações das progressões de acordes das músicas, fórmulas de compasso, linhas de baixo e muito mais. A certa altura, a SAS afirmou que Sheeran “experienciou uma ascensão acentuada e repentina como uma estrela da música internacional em menos de dezoito (18) meses como resultado direto do sucesso comercial do lançamento de “’Thinking Out Loud’”.

O juiz Stanton chegou a uma conclusão semelhante ao júri que concedeu a Sheeran sua vitória no julgamento no início deste mês, encerrando o caso com preconceito. “É uma realidade incontestável que a progressão de acordes e o ritmo harmônico em ‘Let’s Get It On’ são tão comuns, isoladamente e em combinação, que proteger sua combinação daria a ‘Let’s Get It On’ um monopólio inadmissível sobre uma base musical bloco de construção”, escreveu Stanton no processo.

Stanton acrescentou que a progressão de acordes de “Let’s Get It On” foi usada “pelo menos vinte e nove vezes” antes de Gaye e Townsend escreverem o hit e apareceu em “outras vinte e três canções” antes de “Thinking Out Loud” surgir.

“Não há nenhuma questão genuína de fato material sobre se os réus infringiram os elementos protegidos de ‘Let’s Get It On’”, escreveu Stanton. “A resposta é que não.”

No ano passado, Stanton havia negado a oferta de Sheeran para arquivar o processo da SAS. Quando contatado hoje pela Pitchfork, David Pullman disse por telefone que é “incomum um juiz reconsiderar sua própria decisão”.

Como O guardião observa, Sheeran está enfrentando outro processo pendente da SAS que compara as gravações finalizadas de “Thinking Out Loud” e “Let’s Get It On”.

Ed Sheeran em um tribunal do Brooklyn

Ed Sheeran finalmente parece útil

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.