Wed. Feb 28th, 2024



Música Pesada da Semana é um recurso do Heavy Consequence que detalha as melhores faixas de metal e hard rock que você precisa ouvir todas as sextas-feiras. Esta semana, o primeiro lugar vai para “Won’t Take Me Alive” de Dirty Honey.


O riff central do novo single do Dirty Honey, “Won’t Take Me Alive”, é do tipo que mantém um guitarrista acordado à noite. Às vezes, as notas vêm em um floreio de improvisação casual; outras vezes, é um processo mais gradual e repetitivo. Você sabe que é um bom riff, mas algo não parece certo. Então você toca repetidamente, adicionando e subtraindo marteladas, retiradas e dobras até que o riff seja tão nítido quanto o que você está ouvindo em sua cabeça. Depois, há a tarefa de gravar corretamente o referido riff e encontrar o tom certo para complementá-lo.

O riff de John Notto em “Won’t Take Me Alive” com certeza soa como um daqueles tipos de riffs elaborados, bons demais para não serem perfeitos. Talvez sabendo disso, Notto e o produtor Nick DiDia chegaram a alugar amplificadores antigos para conseguir o “som atrevido” que Notto almejava. O resultado é um tom rico e vibrante que invoca uma velha cassete de hair metal dos anos 80, quando o rock desprezível tinha grandes orçamentos e acesso a equipamentos analógicos abundantes. O vocalista do Dirty Honey, Marc LaBelle, diz que é o melhor riff que ele ouviu em uma década e, embora isso possa ser um exagero, certamente chamou nossa atenção durante uma semana relativamente leve de escuta em torno do feriado.

Menções Honrosas:

3DENTES – “Escorpião”

3TEETH se tornou uma trupe de teatro completa com seus singles recentes – “Scorpion” sendo o mais recente – fundindo seu metal industrial cinematográfico com estética de cosplay e vídeos cheios de CGI que fazem a banda parecer Cair NPCs. No que diz respeito ao metal industrial moderno, apenas Code Orange e Rammstein ousaram tentar tal decadência tanto visual quanto sonoramente.

Carnifex – “Necromanteum”

O Carnifex continua fiel ao seu som deathcore testado e comprovado, mas é o conceito narrativo que é o elemento mais intrigante de seu último single “Necromanteum”. Comungar com os mortos… você ousaria? Uma bela laje de deathcore com conteúdo lírico apropriadamente centrado na morte. As vibrações de terror gótico inspiradas em Poe combinam bem com a banda.

Nita Strauss feat. Marty Friedman – “Superfície”

Estranhamente, “Surfacing” é incluída como faixa bônus no final do recém-lançado álbum solo de Nita Strauss. O Chamado do Vazio. Apresentando um duelo de machados ao lado da lenda da guitarra, Marty Friedman, a faixa é o momento Cacophony de Strauss – um instrumental que permite que ela exiba suas habilidades em conjunto com um dos maiores nomes de todos os tempos. A escuta necessária para todas as cabeças destruidoras por aí.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.