Wed. Feb 21st, 2024


O Universal Music Group entrou com uma ação contra o aplicativo de vídeo Triller por taxas de licença não pagas, Variedade relatórios e a Pitchfork pode confirmar. A queixa, que foi apresentada no Tribunal Superior de Los Angeles, alega que Triller não pagou os pagamentos nos últimos nove meses, violando assim o contrato de licenciamento com a gigante editorial.

De acordo com documentos vistos por Variedade, Triller falhou em produzir três parcelas do plano de pagamento descrito em seu contrato. A denúncia afirma que o aplicativo de compartilhamento de vídeo concordou em pagar quase US$ 3 milhões pelo licenciamento e uso anterior do catálogo da Universal Music por um período de dois anos, com pagamentos exigidos trimestralmente.

A UMG também está alegando que a Triller concordou em pagar US$ 1 milhão pelo uso de seu catálogo por anunciantes terceirizados ou em conteúdo promocional – mas apenas três dos seis pagamentos trimestrais exigidos foram feitos. Em vez desses pagamentos, Triller supostamente fez promessas escritas e orais de cumprir o acordo. A UMG afirma que notificou a Triller que está rescindindo seu contrato como resultado dessas alegadas quebras de contrato.

Quando procurado para comentar, um porta-voz do Triller ofereceu a seguinte declaração à Pitchfork:

Isso nada mais é do que uma pequena disputa contratual com uma editora, não com a gravadora, e não tem nenhum impacto sobre a Triller ou seus negócios.

Esta é uma disputa sobre a publicação de uma porcentagem muito pequena do catálogo, e é o curso normal dos negócios da indústria da música e sobre uma pequena quantia de dinheiro. Isso será decidido em um local adequado em alguns anos, e acreditamos claramente que estamos certos e que um tribunal decidirá a nosso favor. É um caso simples que praticamente todas as redes sociais enfrentaram de uma forma ou de outra. Não é a primeira e nem será a última mas tal como no passado disputas desta natureza tendem a resolver-se tranquilamente e acabam por ser muito para fazer para nada.

UMG e Triller tiveram suas diferenças no passado; em 2021, a UMG retirou seu catálogo do aplicativo, alegando que Triller “reteve vergonhosamente os pagamentos devidos a nossos artistas”. Um porta-voz de Triller negou a alegação, dizendo à Pitchfork que eles “negam categoricamente” que Triller tenha retido qualquer pagamento de artista. Em poucos meses, as duas empresas resolveram o problema e anunciaram o acordo de licenciamento.

No ano passado, a Sony Music Entertainment retirou os direitos de seu catálogo da Triller, alegando que a empresa devia milhões em pagamentos de royalties. Posteriormente, eles processaram o aplicativo por violação de direitos autorais e quebra de contrato, afirmando que Triller não honrou a rescisão de seu contrato de licenciamento.

Na época, um representante de Triller disse à Pitchfork que a reclamação “descaracteriza grosseiramente” seu relacionamento com a Sony e “se inclina para a personalidade de valentão pela qual as grandes gravadoras costumam ser criticadas”.

Em agosto de 2022, Swizz Beatz e Timbaland entraram com uma ação contra Triller alegando que a empresa ainda lhes devia $ 28 milhões após a compra da Verzuz. O processo foi resolvido no mês seguinte.

A Pitchfork entrou em contato com a UMG para mais informações e comentários.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.