Mon. Mar 4th, 2024



Eu tinha grandes esperanças para esta produção, descrita em sua sinopse como controversa, tópica, desafiadora, às vezes cômica, sempre instigante. Começa bem, o ritmo e o diálogo são rápidos, enquanto a conversa entre Louise (Mary Tillett) e a filha Jenny (Sophie McMahon) está envolvida com as tensões em alta. Jenny está viajando pelo Peru e agora voltou para casa na véspera da Páscoa. Enquanto Louise se apressa para limpar a mesa da sala de jantar, Jenny faz um anúncio surpreendente que choca sua mãe. Ao lado estão Julia (Kathryn Worth) e seu filho Ian (James Duddy). Jenny e Ian…

Avaliação



OK

★★ Este renascimento de uma peça de 30 anos tem alguns momentos cômicos, mas não consegue entregar uma produção forte, envolvente e divertida.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Eu tinha grandes esperanças para esta produção, descrita em sua sinopse como Controverso, tópico, desafiador, às vezes cômico, sempre instigante. Começa bem, o ritmo e o diálogo são rápidos, enquanto a conversa entre Louise (Mary Tillett) e filha Jenny (Sophie McMahon) está se envolvendo com as tensões em alta. Jenny está viajando pelo Peru e agora voltou para casa na véspera da Páscoa. Enquanto Louise se apressa para limpar a mesa da sala de jantar, Jenny faz um anúncio surpreendente que choca sua mãe.

Ao lado estão Júlia (Kathryn Worth) e seu filho Ian (James Duddy). Jenny e Ian são namorados de infância, e há muitos episódios tentando reacender o fogo entre eles. As duas mães estão constantemente em guerra, principalmente por causa de suas diferentes crenças religiosas. Infelizmente, depois de um tempo, as brigas entre eles se tornam cansativas.

A peça é muito prejudicada por algumas decisões questionáveis ​​de direção e encenação. O uso do pronome de terceira pessoa durante os monólogos, mesmo quando a pessoa de quem se fala está presente, parece uma escolha estranha. Há ainda mais inconsistência na encenação, de modo que nesses momentos muitas vezes há olhares de esguelha entre os atores, fazendo parecer que um está realmente se dirigindo ao outro. Alguns ajustes de encenação poderiam ter melhorado muito essas cenas de monólogo. E o endereço direto do público pode ter sido uma escolha mais envolvente.

As transições de cena funcionariam muito melhor com as luzes apagadas. Parece mal concebido e estranho ter atores passando uns pelos outros quando saem ou entram. Além disso, a música para a próxima cena às vezes chegava cedo demais, pois os atores estavam entrando e saindo do palco.

Durante a cena do piquenique, os longos intervalos entre os casais conversando deixam a cena desarticulada e desvinculada. Há um longo intervalo insuportável quando o casal mais jovem está simplesmente sentado esperando. Teria se beneficiado de lacunas mais curtas ou mesmo de algum diálogo sobreposto. Então a dança entre as duas mulheres, embora eficaz em mostrar que Louise tem um lado divertido, poderia ter sido melhor coreografada.

Quando há um intervalo, uma raridade no teatro marginal, deve haver um ponto de drama para nos levar até lá. Aqui não existia nenhum e eu questionava se uma entrevista era realmente necessária. Então, quando o segundo ato começou, há alguma confusão enquanto tentamos descobrir onde Louise e Jenny estão agora. A adição de alguns adereços para significar uma mudança de cenário daquele que encerrou o primeiro ato poderia ter deixado mais claro que o local havia mudado.

Havia outras coisas me incomodando, mas suspeito que sejam mais um problema com o roteiro original. Inicialmente, presumi que Louise e Julia eram mães solteiras e que Jenny e Ian eram seus únicos filhos. No entanto, mais tarde há referências a outros membros da família e maridos. Eu aprecio que a peça foi escrita para um elenco de apenas quatro, mas parecia estranho que outros membros da família fossem frequentemente falados, mas sua ausência em importantes festivais religiosos e refeições não tinha explicação.

Há alguns momentos cômicos, e a cena final entre os quatro discutindo sobre o vinho Kosher é particularmente divertida. Foi um verdadeiro destaque ver Julia finalmente perder a paciência. Mas no geral, eu me vi me importando muito pouco com qualquer um dos personagens. A produção não cumpriu a promessa de ser Controverso, tópico, desafiador, às vezes cômico, sempre instigante. eu esperava Castiçais seria atual e instigante, mas infelizmente parecia datado e ainda mais decepcionado pelos baixos valores de produção.


Escrito por: Deborah Freeman
Direção: Jenny Eastop
Produzido por: Mercurius

Candlesticks toca no White Bear Theatre até 15 de outubro. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.