Tue. Feb 27th, 2024


Tem havido uma onda de artistas pós-punk extra-legais e infundidos eletronicamente vindos de todo o mundo ultimamente, e nós da YEDM estamos aqui para isso. Com as batidas lofi, uma ramificação do trip hop, sendo tão popular nos últimos anos, é lógico que alguns artistas trariam o mais baixo dos lofi, as melodias piegas. Artistas pós-punk como Nick Cave ou Joy Division, para aqueles que se lembram, na verdade dependiam bastante de sintetizadores em seu apogeu. Enquanto agora pensamos em sons mais despojados, esses artistas mais novos estão atualizando esses sintetizadores para ouvidos modernos, trazendo caos e ironia de uma nova maneira. Com apenas um EP e um single em seu nome até agora, o produtor e vocalista alemão K4LT pode estar se preparando para ser um dos melhores deste conjunto, já que seu trabalho dobra o punk ao pós-punk, o lofi ao industrial e clássico, o estilo Moog e 808 à era digital.

K4LT lançou seu primeiro EP, o paradoxalmente chamado fim de jogo, em 2021. Este EP mostrou suas habilidades como um mestre do rádio pop, um som antigo de gravações centenárias que muitos artistas transformaram em uma arma como parte de uma batida ou uma transição de frase interessante. K4LT os usa para ambos, e suas batidas variam do já mencionado trip hop ao trap e batidas industriais. Este último, em fim de jogoA faixa final de “Fugae” é particularmente impressionante porque com a dita batida industrial, os antigos pops de rádio, muitos sintetizadores vintage e algumas guitarras bem pesadas, ele ainda consegue manter a faixa decididamente lofi.

Do outro lado do que sabemos agora está o espectro lofi (o K4LT empurrou esse limite para nós), ou aparentemente, está o fim de jogofaixa de abertura, “Boarding Pass”. Com uma batida bem básica e vocais beatíficos, ao ouvir a primeira parte dessa faixa, o fã médio de lofi pensaria que é padrão, mas aí entra outra guitarra pesada de feedback, dessa vez mais shoegazey e caótica. Na verdade, todas as faixas de fim de jogo contêm guitarras, variando de um country assombroso e de ferro-velho, como em “Extinction Aphelion” a positivamente sujo em “Loading Screen”.

De fim de jogo, um estilo único começa a emergir de K4LT, mas os fãs do primeiro EP não devem esperar o mesmo em seu novo single, “LCPD”. Muito mais shoegazey em forma e função, “LCPD” tem uma estrutura de trip hop mais definitiva para a batida com alguns toques de drone também. Aqui a influência de bandas como Radiohead e Gorillaz está realmente presente, juntamente com vibrações lofi techno trazidas da cidade natal do K4LT, Berlim. O efeito é suave, porém pontuado, com a composição parecendo mais intencional nesta faixa, mas ainda com toques de design de som experimental. Também provavelmente a faixa mais delicada em sua discografia visível, K4LT disse que “LCPD” foi inspirado pela tensão e emoções por trás de uma separação “amigável”. A natureza cuidadosa, mas emocional, dessa faixa pode ter sido feita para refletir a dificuldade que reside em uma manobra de relacionamento tão complicada e, se foi, foi muito bem feita.

Parece que o amadurecimento experimental do trabalho de K4LT já o levou a criar um trabalho diversificado e multifacetado que ressoará com os pós-punks, o público lofi amante do indie, os amantes de sintetizadores vintage e os aficionados da ciência da música. Essa é uma seção transversal muito boa para explorar, e “LCPD” certamente não é a forma final do K4LT. Seja o que for que ele tenha reservado para seu próximo lançamento, os fãs podem esperar que ele utilize o pop de rádio, suas muitas e diversas habilidades musicais e um bom monte de emoção.

“LCPD” e o restante da discografia do K4LT podem ser ouvidos no Spotify ou adquiridos no Bandcamp.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.