Tue. Mar 5th, 2024



Nandi Bushell se juntou ao coro de vozes que apoia a baterista do The White Stripes, Meg White, depois que o escritor Lachlan Markay a chamou de “terrível”.

“Meg White é minha heroína”, Bushell twittou ao lado do vídeo. “No primeiro dia em que peguei bateria, meu pai me mostrou o vídeo do Seven Nation Army. Eu vi Meg tocando bateria e pensei que ela era a pessoa mais legal do mundo. Eu ainda faço.”

Bushell continuou: “Quanto mais aprendo sobre música, mais percebo que canções e arte são criadas para despertar emoções profundas na alma. Não importa o quão rápido meus preenchimentos ou rudimentos numéricos eu aprendo. Se eu não consigo escrever uma música que comova as pessoas, então não posso me chamar de artista.”

“Meg e Jack escreveram algumas das melhores canções da história do rock”, concluiu o jovem baterista. “Eles me emocionaram aos 5 anos de idade para querer tocar bateria e ainda hoje me emocionam! Meus gritos são para você Meg! Você é e sempre será meu modelo e herói!” Confira a postagem completa dela abaixo.

Na semana passada, em um Tweet deletado, Markay escreveu: “A tragédia do White Stripes é como eles teriam sido ótimos com um baterista meio decente. Sim, sim, eu ouvi todos os ‘mas é um som cuidadosamente elaborado mannnn!’ leva. Lamento que Meg White tenha sido terrível e nenhuma banda é melhor por ter uma percussão de merda.”

Naturalmente, uma série de músicos apontou tanto a misoginia na longa e equivocada ira por White, quanto o fato de que seu estilo aerodinâmico de percussão foi essencial para o revivalismo do rock de garagem do The White Stripes, ajudou a conduzir os riffs de Jack White e simplesmente parecia foda. O próprio Jack White veio em defesa de sua ex-esposa, postando um poema original no qual imaginava um mundo “sem demônios, covardes e vampiros em busca de sangue, um com a inspiração positiva para promover o que é bom”.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.