Wed. Feb 21st, 2024


Observação: este artigo inclui detalhes de suposta agressão que os leitores podem achar perturbadores.


Marilyn Manson foi processado por uma mulher que alega que o músico a abusou sexualmente na década de 1990, quando ele era adulto e ela menor de idade. Pedra rolando relatórios e a Pitchfork pode confirmar.

O processo foi aberto em um tribunal de Nova York hoje (30 de janeiro) e também nomeia a Interscope Records e Nothing Records (John Malm Jr. e ex-subsidiária da Interscope de Trent Reznor) como réus. A mulher é identificada no processo como Jane Doe. Formalmente, o processo acusa Manson de agressão sexual e imposição intencional de sofrimento emocional, e acusa Interscope e Nothing de negligência e imposição intencional de sofrimento emocional. Doe está buscando danos não especificados.


De acordo com a denúncia, Jane Doe conheceu Marilyn Manson (cujo nome verdadeiro é Brian Warner) aos 16 anos, depois de assistir a seu show em 15 de setembro de 1995 em Dallas, Texas. Ela, junto com “três outras fãs menores de idade”, aparentemente estavam esperando do lado de fora do local para conhecer Manson. O músico supostamente perguntou às meninas “qual era a idade de cada uma, em que séries da escola elas estavam e onde seus pais estavam na época”, antes de convidar Jane Doe “e uma das outras meninas mais novas para o ônibus da turnê”.

No ônibus da turnê, de acordo com o processo, “Warner praticou vários atos de conduta sexual criminosa contra a Autora. [Jane Doe], que era virgem na época, incluindo, entre outros, cópula forçada e penetração vaginal. O processo continua: “Um dos membros da banda assistiu o réu Warner agredir sexualmente o autor. O autor estava com dor, assustado, chateado, humilhado e confuso. Depois que ele terminou, o réu Warner riu dela. O autor é informado e alega que toda a conduta sexualmente abusiva e de assédio aqui alegada foi feita para satisfazer os próprios desejos sexuais lascivos do réu Warner. Em seguida, o réu Warner exigiu que o autor ‘saísse do meu ônibus’ e ameaçou o autor dizendo que, se ela contasse a alguém, ele a mataria e a sua família.

Após a suposta agressão, o empresário de Manson aparentemente deu a Doe um número de telefone e uma senha para “manter contato” com Manson e a banda. Manson, por sua vez, supostamente começou a ligar para Doe em sua casa, “solicitando o autor a enviar fotos sexuais explícitas dela e de seus amigos para seu fã-clube, Satan’s Bakesale”.

Em 9 de dezembro de 1995, após mais comunicação com Manson, Doe supostamente compareceu a seu show em Nova Orleans e foi novamente levado ao ônibus da turnê do músico após o show. No ônibus, afirma o processo, Manson “preparou a Autora elogiando-a, brincando com seu cabelo e olhando as fotos e desenhos que ela trouxe com ela”. Além disso, Manson supostamente agrediu sexualmente Doe, assim como “[a]nenhum outro homem envolvido com a turnê.”

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.