Wed. Feb 28th, 2024


Madi então compartilhou letras impressas de “Noche de paz” (“Noite silenciosa”). As letras foram digitadas em inglês e espanhol, mas todos foram incentivados a tentar cantar as duas versões como um grupo para o compartilhamento final. Imediatamente, vi alguns rostos apreensivos e preocupados que as pessoas perdessem o interesse em participar. Graças à orientação de Madi sobre a pronúncia e à forte confiança que desenvolvemos um no outro, mesmo aqueles que expressaram reservas cantaram baixinho. Outros simplesmente cantarolavam junto, e um dos membros do grupo, um adolescente, compartilhou conosco suas habilidades no violão e aprendeu a progressão de acordes da música. Em cerca de trinta minutos, aprendemos (ou revisamos em alguns casos) uma música em dois idiomas diferentes e fizemos novas amizades ao longo do caminho.

Uma vez que estávamos confiantes com nossa oferta, Madi nos trouxe de volta ao saguão para nos reunirmos com os outros três grupos. Nervosos, mas empolgados para ver se a “performance” daria certo, encontramos lugares no teatro. As luzes diminuíram e Oscar Franco, o “recepcionista” (que na verdade era o diretor), fez um discurso de abertura. Os atores/facilitadores compartilharam as origens indígenas de La Pastorela em Tenochtitlan, México, e como as apresentações foram exploradas pelos frades franciscanos que os forçaram a representar suas peças em espanhol com sentimentos cristãos. Então, o ator/facilitador e professor de teatro do ensino médio Juan Leyva convocou seu grupo de atuação. O público rugiu em apoio aos membros da comunidade que colocaram peças de fantasia e acessórios. Juan leu partes da história de La Pastorela enquanto o grupo agia de acordo com as leituras de Juan. Seguiu-se o grupo de dança, depois veio o canto e, finalmente, o grupo de arte colocou os enfeites no cenário enquanto o grupo de canto continuou a cantarolar “Noche de Paz”.

Na noite em que participei, um facilitador me selecionou para apresentar um monólogo para refletir sobre a noite. Eles me convidaram a preencher os espaços em branco: “Incluindo esta noite, eu vi ____ versões de La Pastorela…” e pensar em como foi participar e testemunhar entes queridos participando da produção. Compartilhei como me senti emocionado ao ver os membros da comunidade se envolverem em discussões, apesar das barreiras do idioma. Eu compartilhei: “Conseguir observar a comunidade, nossa comunidade, compartilhar o Pastorela juntos esta noite foi animador e inspirador.”

O Teatro Vivo ofereceu ao seu público o espaço para explorar e construir conhecimentos juntos.

Nesta produção, o Teatro Vivo ofereceu ao seu público o espaço para explorar e construir conhecimentos juntos. Fiquei surpreso com o quanto o público estava disposto a se engajar na produção teatral coletiva sem aviso prévio e com pouca experiência prévia. Embora nem todos se sintam confortáveis ​​com esse nível de vulnerabilidade, o roteiro enfatizou o abandono da perfeição, o que promoveu uma disposição natural da maioria da comunidade. Os facilitadores priorizaram as interações entre os membros do público antes de trabalhar na apresentação, para que nos sentíssemos à vontade para aprender e praticar um na frente do outro. Eles também se referiram à apresentação final como uma “oferta” ao Menino Jesus, o que reforçou a união em vez de focar no desempenho de um indivíduo.

Enquanto isso, estar em um espaço de apoio deu ao público a oportunidade de compartilhar talentos que talvez não fossem celebrados em outros espaços. Foi notável ver aquele adolescente tímido ir embora tão orgulhoso por ter compartilhado seu dom com seus pais e novos amigos, sua comunidade. Só posso imaginar que uma experiência tão alegre e encorajadora possa ter motivado outros membros da platéia a compartilhar seus dons em suas próprias vidas. La Pastorela 2022 See More foi o verdadeiro presente, do Teatro Vivo para a comunidade, da comunidade uns para os outros. Saí me sentindo cheio e inspirado.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.