Tue. Mar 5th, 2024


A inteligência artificial (IA) vem mudando e aprimorando diversos setores nos últimos anos, e a música não poderia ficar de fora desta revolução. As possibilidades da IA na área musical vão desde a criação e produção de músicas até mesmo na análise e recomendação de conteúdo para os usuários. Esta tecnologia está mudando completamente a forma como percebemos as produções musicais e está impactando todo o mercado musical.

Ao longo dos anos, a IA tem sido cada vez mais utilizada em produções musicais. Grandes empresas como Google e IBM investem em tecnologias de aprendizado de máquina, uso de algoritmos e processamento de linguagem natural para criar softwares capazes de compor e até mesmo tocar músicas.

Uma das primeiras iniciativas neste sentido foi do músico e programador britânico David Cope que, em 1997, criou um programa chamado Experiments in Musical Intelligence (EMI). O software teve como objetivo criar uma inteligência artificial com a capacidade de compor músicas seguindo regras, características e padrões de estilos musicais clássicos. O programa atualmente conta com cerca de 38 horas de gravações musicais produzidas por ele mesmo.

A partir de então, muitos outros programas e aplicativos foram criados com esse mesmo objetivo, como por exemplo, o AI Duet, desenvolvido pela Google, que permite que o usuário toque uma melodia na sua tela e a inteligência artificial vai improvisar uma música em resposta, tudo em tempo real.

Ainda na produção musical, a IA também está sendo usada para melhorar a qualidade de gravação e mixagem das músicas. Por exemplo, a empresa iZotope, criou um programa que usa aprendizagem de máquina e inteligência artificial para analisar traços das gravações e criar melhores equalizações, diminuir ruídos e aprimorar a qualidade do som de cada instrumento e voz.

Na indústria musical, a IA tem sido usada para a análise e recomendação de conteúdo. Sites de streaming de música, como Spotify, possuem tecnologias de análise de gosto musical que sugerem playlists e artistas semelhantes e personalizadas para o usuário. A partir do histórico de escuta, a IA é capaz de aprender as preferências musicais do usuário e fazer sugestões cada vez mais precisas e agradáveis.

E não apenas as grandes empresas estão investindo nessas tecnologias, os músicos também estão começando a usar essa tecnologia para aprimorar suas criações. Por exemplo, o músico alemão Benoit Carré tem usado a IA para compor letras para suas músicas. Em uma mistura de Freud e AI, Carré examinou sua personalidade e sentimentos através das letras de suas músicas. Ele então desenvolveu um software que analisa suas letras, procura por palavras, padrões e significados e as utiliza para gerar uma nova letra para ele.

Com tudo isso, podemos concluir que a IA está revolucionando completamente a indústria musical. Desde a produção até as recomendações musicais, a tecnologia tem potencial para mudar o mercado e nossos gostos musicais. Contudo, muito mais que uma substituição para os músicos humanos, a IA é uma forma de auxiliar no processo criativo e de produção musical, o que pode estimular ainda mais a criatividade e diversidade no mundo da música.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.