Mon. Mar 4th, 2024


O três vezes indicado ao Oscar John Logan cresceu assistindo filmes de terror e, embora adorasse o gênero, nem sempre gostava do que via quando se tratava de representação. Quando o roteirista-dramaturgo finalmente conseguiu fazer seu próprio filme, ele queria que ele celebrasse a estranheza.

Eles/Eles, estreando no Peacock na sexta-feira, estrelado por Kevin Bacon como Owen Whistler, que dirige um campo de conversão LGBTQIA + ao lado de sua esposa, Cora (Carrie Preston). Um grupo de campistas queer visita por uma semana com atividades destinadas a mudar sua orientação sexual. Os jovens campistas não apenas precisam se unir para se manterem seguros, mas também precisam ficar longe de um assassino de machado à solta.

O filme foi rodado em Rutledge, a cidade mais próxima do Hard Labor Creek State Park, considerado parte da indústria cinematográfica de Covington. Muitos do elenco e da equipe também têm raízes em Atlanta ou Geórgia, incluindo Preston, o produtor Scott Turner Schofield e o performer Austin Crute.

Embora tenha escrito roteiros para filmes como Skyfall, Hugo e O aviador, eles/eles é o primeiro filme que Logan dirigiu. É um gênero que ele sempre amou como homem gay.

Theo Germaine (à direita) interpreta um adolescente trans e não-binário chamado Jordan.

“Tenho pensado nisso minha vida inteira desde que percebi que era gay e pensei sobre as questões envolvidas com queerness e meu gênero favorito, que é o filme de terror”, diz ele. “O terror tem uma relação muito complicada com gênero e identidade sexual. Quando o Covid começou, tudo parou. Todo escritor que eu conhecia – inclusive eu – tinha a liberdade de escrever algo do seu coração. Então eu escrevi este filme.”

No primeiro ciclo de filmes de terror no final dos anos 70 e 80, os personagens LGBTQIA+ eram inexistentes ou – pior ainda – eram piadas ou vítimas, diz Logan. Ele faz parte de um esforço moderno para reverter essa tendência.

“Nós deveríamos rir (de tais personagens) e de sua morte, e como um garoto gay, isso foi muito perturbador para mim, que eu me vi representado de uma maneira tão retrógrada e desumana”, continua o diretor. “Felizmente, agora estamos caminhando para [a point where] há toda uma nova onda de horror queer, onde estamos caminhando para celebrar os gays como heróis em filmes de terror. Se há algo que este filme tenta fazer, é pegar essas crianças inacreditavelmente grandes e torná-las os heróis.”

No minuto em que Logan começou a escrever o papel de Owen, a voz e o rosto de Bacon continuaram surgindo em sua cabeça. Felizmente o ator gostou do roteiro. Quando o cineasta começou a escalar mais tarde, ele percebeu que encontrar um protagonista trans e não-binário seria um desafio, porque ele queria escalar autenticamente. Quando Logan conheceu Theo Germaine, ele sabia que havia encontrado o ator perfeito para o papel do campista Jordan. “Eles são extraordinários”, diz Logan. “O filme começa com o rosto de Theo e termina com o rosto de Theo, e essa é a alma humana em torno da qual escrevi.”

Rutledge acabou sendo um local ideal para Logan e a tripulação. “Principalmente, tinha os acampamentos perfeitos, dois bem próximos um do outro, cercados de árvores e isolados. O isolamento e a topografia era tudo o que queríamos. As equipes de Atlanta também são incríveis e foram muito sensíveis e solidárias com todas as questões queer do filme.”

Bacon trabalhou com o diretor para encontrar a história de seu personagem. O acampamento “está na família dele há muitos anos”, diz ele. “Nosso pensamento é que Owen foi criado neste mundo, nesta família, e doutrinado nesta ideia. Ele se separou por um tempo e saiu e viu um pouco do resto do mundo, então provavelmente decidiu voltar com base em dúvidas e medos de que ele pudesse estar fugindo de si mesmo e herdar esse terrível negócio de família.”

Ironicamente, um dos primeiros papéis do ator foi na década de 1980 sexta-feira 13, no qual ele interpreta um campista que morre precocemente com uma ponta de flecha no pescoço. Ele ficou tocado com o que Logan estava tentando fazer.

“A ideia de John era que, se uma criança está se sentindo ‘diferente’, sentindo-se intimidada ou fechada, aqui está uma oportunidade em uma plataforma muito grande em um gênero muito acessível, que ela possa se levantar e torcer por alguém que pareça e soe ou é mais parecido com eles. O terror tem a tradição de atrair muitas pessoas para os assentos. O filme poderia ter sido um pequeno indie sombrio, mas não foi isso que (John) escolheu fazer.”

Cora de Preston é uma terapeuta licenciada que faz a terapia de conversão nos campistas. “Ela não tem filhos, então ela sente que quer salvar essas crianças, de uma maneira doentia, tentando coagi-las a mudar porque isso a deixa mais confortável”, diz ela. “Ver todos esses personagens se unirem contra um inimigo comum em vez de serem vítimas, eles são empoderados. É importante ter essa representação porque estamos em um momento assustador em nosso país por quaisquer direitos.”

Vencedora do Emmy por seu papel como Elsbeth Tascioni, que rouba a cena em A boa esposa, a atriz nascida em Macon também apareceu em filmes como O casamento do Meu Melhor Amigo e Transamérica e na televisão em Sangue verdadeiro e Garras. Ela gostava de poder fazer Eles / Eles na área.

“Esse foi um dos atrativos para mim, poder filmar em meu estado natal e ver minha mãe nos meus dias de folga. Estou muito feliz pela Geórgia por haver tanto [film and TV production] acontecendo lá. Não era assim quando eu era criança. Para ver o crescimento que aconteceu no estado e como o estado abraçou isso, estou extremamente feliz.”

::

Jim Farmer cobre teatro e cinema para ArtsATL. Formado pela Universidade da Geórgia, ele escreve sobre artes há mais de 30 anos. Jim é o diretor do Out on Film, festival de cinema LGBTQ de Atlanta. Ele mora em Avondale Estates com seu marido, Craig, e o cachorro Douglas.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.