Wed. Feb 28th, 2024


Faixas de apoio e apresentações falsas ao vivo se tornaram um assunto muito quente nos últimos anos, embora esteja bem claro onde Wolfgang Van Halen fica sobre eles. Em entrevista com Café Com Ola, Van Halen chama a forte dependência de faixas de apoio de “uma chatice do caralho” e que as bandas deveriam ser capazes de tocar suas músicas. Ele esclarece que as faixas de apoio, em sua opinião, são boas para preencher o som ao vivo, mas não para falsificar partes integrais que devem ser tocadas.

Anúncio. Role para continuar lendo.

“Inferno, metade das pessoas vivem, são faixas hoje em dia, o que é tão grande … É uma chatice, cara. Olha, acho que todo mundo traça sua própria linha sobre quais faixas são aceitáveis ​​ou não, mas é, tipo, se você está bombeando no riff de guitarra principal e nos vocais principais e bateria de verdade – como bateria pré-gravada – isso é um problema. Você deveria ser capaz de tocar suas coisas.

“Eu posso entender [if] você não tem um tecladista, então [you] preciso da almofada. Isso é bom. Você não pode carregar uma orquestra de 60 peças, então você tem as cordas. Isso é bom. Mas vocal principal, guitarra principal, baixo principal e bateria – você deve tocar isso. [Laughs]”

Van Halen mais tarde expressou seu amor por bandas como Meshuggah e Ferramenta, ambos os quais ele se sente em um incrível show ao vivo. O que é absolutamente correto – eles fazem.

“Nunca faço nada no estúdio que não possa fazer ao vivo. Claro, existem truques que você pode fazer para fazer coisas que normalmente não seria capaz de fazer, mas por que você faria isso? Porque é sobre criar música que você é capaz de fazer e que você pode fazer ao vivo.

Anúncio. Role para continuar lendo.

“Eu vou a um show para ver as bandas tocando suas músicas. Meshuggah – esse foi o meu show favorito que eu já vi. Porque eles simplesmente matam. Eles apenas ficam lá e apenas tocam sua música. Eu não vou a um show para ver um cara por aí e dizer, ‘Como você está se sentindo esta noite?’ Essa não é a minha merda. Como Ferramenta – eles ficam lá e eles destroem. É isso que eu amo na música. E é isso que tentamos fazer com Mamuteé que, antes de mais nada, estamos jogando de tudo e fazendo o melhor que podemos.”

Quer Mais Metal? Assine nossa newsletter diária

Digite suas informações abaixo para obter uma atualização diária com todas as nossas manchetes e receber o boletim informativo The Orchard Metal.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.