Mon. Mar 4th, 2024


Em chamas acaba de lançar seu novo álbum perdido que tem sido amplamente saudado como um retorno às suas raízes melódicas do death metal. Embora se você perguntar ao vocalista Anders Friden, Em chamas nunca realmente se afastaram muito de suas raízes em primeiro lugar.

Anúncio. Role para continuar lendo.

Fridén disse em entrevista ao Injeção de Metal que ele sente Em chamas sempre manteve contato com seus primórdios, e que muitas das críticas vêm de pessoas que estão em etapas diferentes de suas jornadas musicais. Fridén afirma que se cada Em chamas disco foi gravado agora no mesmo estúdio com o mesmo equipamento e os mesmos produtores, que as pessoas veriam muito mais as semelhanças.

“Não sinto que nos desconectamos de nossas raízes ou de … temos tudo conosco e sempre, constantemente, olhamos para frente. Este é nosso décimo quarto álbum. Haverá momentos em que não estaremos no mesmo ritmo que um fã que entrou na banda em 1997. Eu recebo todas essas coisas, mas não posso lutar contra isso. Não posso tentar agradar a todas as pessoas e onde elas estão em sua jornada musical. Essas pessoas precisam entender o que fazemos isso para nós, e talvez agora estejamos alinhados com onde as pessoas estiveram e onde estão.”

“Acho que faltou um pouco na produção dos últimos álbuns. O ataque das guitarras, o ataque da bateria, o foco geral – é onde estamos agora. Imagine que todos os nossos álbuns foram gravados ao mesmo tempo com o mesmo produtor, com o mesmo ótimo equipamento, o mesmo sentimento que temos naquele momento. Acho que eles soariam mais parecidos do que realmente soam.

“Mas todos os álbuns são de épocas e circunstâncias diferentes, então todos eles saem de uma maneira diferente. Mas ainda é Em chamas. Ainda temos o som.”

Anúncio. Role para continuar lendo.

Você também pode conferir nossa análise completa de perdido aqui.

Quer Mais Metal? Assine nossa newsletter diária

Digite seu e-mail abaixo para obter uma atualização diária com todas as nossas manchetes.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.