Tue. Feb 27th, 2024


Um júri federal decidiu a favor de Ed Sheeran no altamente contencioso e provavelmente conseqüente julgamento para determinar se sua música “Thinking Out Loud” infringe os direitos autorais de “Let’s Get It On” de Marvin Gaye. O jornal New York Times relatórios. Embora Sheeran e a co-escritora Amy Wadge tenham escrito uma progressão de acordes semelhante para “Thinking Out Loud”, a defesa argumentou com sucesso que esses acordes pertenciam ao kit de ferramentas do compositor antes mesmo de Gaye e o co-escritor Ed Townsend, cujos herdeiros abriram o caso, os usaram. no sucesso de 1973.

O júri deliberou por três horas, de acordo com Os tempos. Fora do tribunal, Sheeran disse: “Estou, obviamente, muito feliz com o resultado deste caso, e parece que não vou ter que me aposentar do meu trabalho, afinal. Mas, ao mesmo tempo, estou incrivelmente frustrado com o fato de reivindicações infundadas como essa serem levadas ao tribunal”.

Os compositores e a indústria da música em geral acompanharam de perto o caso, esperando ramificações para a liberdade criativa dos músicos. Durante o julgamento, Sheeran argumentou que, embora os elementos das duas músicas soem parecidos, isso por si só não constitui violação de direitos autorais. Ele citou “Let It Be” dos Beatles e “No Woman, No Cry” de Bob Marley como duas canções claramente distintas que, pela lógica dos promotores, seriam consideradas muito semelhantes. A implicação, explicitada nas observações finais, era que as decisões punitivas sobre direitos autorais privariam o mundo de futuros clássicos. “A criatividade seria sufocada por medo de ser processada”, disse a advogada de Sheeran, Ilene S. Farkas, de acordo com O jornal New York Times.

Os promotores exibiram o que chamaram de videoclipe de Sheeran alternando, em concerto, entre “Thinking Out Loud” e “Let’s Get It On”. Sheeran argumentou que as melodias transferíveis são comuns na música pop mainstream, que tem opções harmônicas limitadas. “A maioria das canções pop pode caber sobre a maioria das canções pop”, acrescentou. Dos quatro acordes em questão em cada música, três são iguais e um é diferente. Sheeran apresentou um violão para mostrar que os diferentes acordes – que o musicólogo da promotoria chamou de “virtualmente intercambiáveis” – na verdade criam uma dissonância dissonante. O próprio musicólogo da defesa citou mais de uma dúzia de canções, como “Georgy Girl” dos Seekers, que usava a progressão de acordes de “Let’s Get It On” antes de Marvin Gaye.

A família de Ed Townsend processou Ed Sheeran em 2016, pouco depois de a família de Marvin Gaye ganhar seu caso histórico de violação de direitos autorais em relação a “Got to Give It Up” e “Blurred Lines”. Alguns anos depois que o processo dos Townsends foi aberto, um juiz federal adiou o caso para aguardar o veredicto de outro caso de direitos autorais de alto perfil envolvendo “Stairway to Heaven” do Led Zeppelin. No final das contas, o Led Zeppelin ganhou o caso sobre o espólio do ex-guitarrista do Spirit, Randy California, que tentou alegar que a icônica música de 1971 da banda de rock infringiu o “Taurus” do Spirit. Ao decidir a favor do Led Zeppelin, o tribunal disse que os queixosos devem provar que uma obra é “virtualmente idêntica” à sua para prevalecer em uma reclamação de violação de direitos autorais.

Ed Sheeran foi processado várias vezes por violação de direitos autorais. Em 2016, dois compositores, Martin Harrington e Thomas Leonard, acusaram Sheeran de copiar partes de uma de suas canções para sua própria “Photograph”. Ele resolveu o processo no ano seguinte e creditou Harrington e Leonard como co-escritores de “Photograph”.

E, no ano passado, Sheeran prevaleceu em um julgamento de plágio envolvendo “Shape of You”. O cantor e compositor foi acusado de tirar o gancho do grande sucesso de uma canção pouco conhecida do compositor britânico Sami Chokri. Depois de vencer no tribunal, Sheeran disse na mídia social que “coincidências estão prestes a acontecer se 60.000 músicas forem lançadas todos os dias no Spotify”.

Leia sobre um indicador da recente onda de processos por infração no artigo da Pitchfork “’Blurred Lines,’ Harbinger of Doom”:

Cartas de tarô ilustradas com o Diabo, a Torre e a Justiça

“Linhas borradas”, Harbinger of Doom

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.