Wed. Feb 28th, 2024


Outra semana, outro artista trabalhador muito chateado porque seu sustento está sendo cortado por locais. desta vez é sepultura vocalista Derrick Greenque tem uma série de coisas negativas a dizer sobre a prática de cortes de produtos em locais.

Anúncio. Role para continuar lendo.

Em uma entrevista com Bloodstock TV, Verde levou algum tempo para explodir os cortes de produtos e realmente deixar todos saberem o que ele pensa. Green dificilmente é o primeiro a ficar chateado com isso, pois teatro dos sonhosde John Petrucci tem falado sobre sua antipatia pela prática, Em chamasAnders Friden pediu que as bandas se reunissem e lutassem contra eles, e Fábrica do medode Dino Cazares sabe que vai matar artistas.

“É extremamente difícil – agora mais do que nunca. A própria indústria está consistentemente tentando tirar o máximo que pode dos artistas por causa de toda a pandemia, no que diz respeito aos clubes serem extremamente gananciosos e tentarem recuperar seu dinheiro por meio dos artistas, o que é completamente ridículo, no que diz respeito a porcentagens absurdas que eles estão tirando do seu produto. O que não faz nenhum sentido para mim, sendo um artista onde você está criando o produto, você está carregando o produto, você está pagando o imposto sobre o produto , você está fazendo de tudo para torná-lo relevante e divulgá-lo, e então alguém aparece e diz, ‘Oh, eu vou ficar com 30 por cento.’ ‘Eu vou pegar 20 por cento de tudo o que você está vendendo em nosso local.’ E eu acho isso absolutamente absurdo e ultrajante, eles estarem empurrando isso para os artistas.

“Muitas pessoas não percebem, é onde você ganha dinheiro como artista, é com sua mercadoria. Às vezes pode salvar uma turnê, se você não está recebendo isso em shows, o pagamento adequado. Então eu acho que isso é algo que aconteceu muito mais, onde as porcentagens estão subindo, o que é absolutamente nojento, eu acho, e super ganancioso desses clubes fazendo isso, especialmente nos EUA. Acho muito desrespeitoso com certos lugares onde eles estão fazendo check-ins, verificando suas malas como artista como você está rolando em um local. Quero dizer, é completamente absurdo, e está me irritando aqui, o fato de que eles estão nos colocando no nível de quase nos tratar como criminosos.

“O fato de estarmos fazendo um show, criando um show que está pagando a todos no local, acho que estamos todos trabalhando juntos, mas no sentido de que esses clubes estão nos tratando como se fôssemos fazer algo para prejudicar nosso próprio show é um absurdo. sua mercadoria e talvez apenas uma taxa fixa apenas para alugar o espaço e então você pode vender sua mercadoria lá um dia antes do show.Também algumas alternativas que os artistas vão procurar para que não sejam roubados por esses locais.

Anúncio. Role para continuar lendo.

“Acho que muitos artistas precisam se manifestar porque… [a fear of] sendo banido ou o que quer que seja de certos shows, mas acho que é importante se cada artista falar sobre isso e realmente falar sobre isso e realmente tentar encontrar uma mudança nisso porque acho que é injusto de muitas maneiras. É nojento o fato de que muitas dessas pessoas na indústria estão sempre tentando tirar dos artistas quando os artistas já têm menos. Também somos os que não jogamos há dois anos, então estamos voltando lutando e lutando e tentando pagar muitas dívidas e coisas assim. Mas seguimos em frente. A música e a cena ainda são muito fortes, e acho importante que músicos e artistas lutem por seus direitos”.

Quer Mais Metal? Assine nossa newsletter diária

Digite suas informações abaixo para obter uma atualização diária com todas as nossas manchetes e receber o boletim informativo The Orchard Metal.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.