Wed. Feb 28th, 2024



Em um lindo dia de verão, é surpreendente encontrar um teatro ao ar livre bem no meio de Canary Wharf. Cercado por enormes torres que abrigam grandes empresas e finanças, o pop-up Greenhouse Theatre parece bastante incongruente, mas adorável. O local é aparentemente o primeiro espaço de performance com desperdício zero do Reino Unido. Construído no local e feito inteiramente com materiais encontrados e reciclados, seu design visa incentivar as pessoas a perceber o impacto que podem ter no curso da crise climática, e é nesse contexto tematicamente apropriado que o Patch Plays se propôs a abordar esse assunto com um público jovem. Birdie’s…

Avaliação



Bom

Um apelo à ação fantástico e com tema ousado, salvando o mundo das mudanças climáticas.

Em um lindo dia de verão, é surpreendente encontrar um teatro ao ar livre bem no meio de Canary Wharf. Cercado por enormes torres que abrigam grandes empresas e finanças, o pop-up Teatro Estufa parece bastante incongruente, mas adorável. O local é aparentemente o primeiro espaço de performance com desperdício zero do Reino Unido. Construído no local e feito inteiramente com materiais encontrados e reciclados, seu design visa incentivar as pessoas a perceberem o impacto que podem ter no curso da crise climática, e é nesse contexto tematicamente apropriado que Patch Plays se propôs a abordar esse assunto com um público jovem.

As Aventuras de Birdie no Reino Animal conta a história de Birdie, de dez anos, que, no dia do seu aniversário, encontra um cachorrinho abandonado pela vizinha. Ela faz amizade com um tordo falante e, juntos, eles partem pelo mundo para encontrar alguém que cuide do filhote adequadamente. No caminho, eles encontram outros animais, aprendendo como seus habitats e vidas estão sendo danificados pelas mudanças climáticas influenciadas pelo homem e discutem quais comportamentos podem ser alterados para salvar o planeta.

Trata-se de uma agradável produção musical, destinada a crianças dos cinco aos nove anos. Ele se inclina mais para o final mais jovem dessa faixa etária, pois manobra um bom equilíbrio entre fato e fantasia. Escritor e compositor Grace Joy Howarth traz algumas canções agradáveis ​​e peças harmonizadas, bem executadas sob a direção musical de Griffin Jenkins. Enquanto isso, o enérgico elenco de quatro (Anna Moorey, Grace Ackary, Amy Margaretta e Paul Bruce) fazem bom uso do espaço circular para envolver ao máximo seu público jovem, mesmo quando lutam contra o ruído do tráfego de fundo.

O roteiro é ousado ao lidar com temas importantes de danos ambientais, mas talvez precise de algum reforço. Idéias de responsabilidade individual, veganismo, destruição de habitat, derretimento de calotas polares são levantadas em conversas com os animais afetados. No entanto, com vários personagens em apenas 50 minutos, é difícil desenvolver qualquer relacionamento com eles e, assim, ter empatia adequada com suas dificuldades. Menos pode ser mais neste caso. Além disso, no enredo, há um processo aparente de Birdie coletando itens dos animais que não parecem levar a lugar nenhum.

Embora bem executado, é um trecho estilístico entre a caracterização estridente e sacarina de Moorey’s Birdie (que parece mais jovem do que seus dez anos propostos) e o retrato mais moderno do vizinho Steve, interpretado com prazer divertido por Bruce. Steve é ​​um grande personagem: seus comportamentos reconhecíveis, normalidade e complacência dão uma vantagem realista à mensagem geral de responsabilidade, reforçando-a. E é gratificante quando sua redenção não é facilitada: esse ‘Destruidor’ humano, culpado por negligência egoísta e preguiça, é obrigado a trabalhar pelo perdão dos animais. Em grande parte, porém, sua caracterização parece tão distante da jovem heroína açucarada e seu mundo de fantasia (incluindo uma mãe estranhamente ressuscitada) que o relacionamento deles realmente não corresponde. Eu acharia Birdie mais crível se ela fosse menos perfeita.

Parece que a produção reutilizou e reciclou roupas para fantasias, o que fala admiravelmente com ideias de consciência ambiental. Mas alguma atenção aos detalhes – costurar bainhas inacabadas e garantir que as fantasias sejam fechadas na parte de trás – daria um acabamento mais profissional.

aventuras de passarinhos é certamente uma produção agradável com um elenco capaz, mas ao exagerar o sentimentalismo fantástico, a eficácia da mensagem é diluída. Se ele se baseasse nos pontos fortes e dependesse menos de abordagens estereotipadas do teatro infantil, transmitiria sua mensagem importante e muito real a um público jovem e moderno de maneira mais convincente.


Escritor, Compositor e Co-Produzido por: Grace Joy Howarth
Diretor e Co-Produzido por: Anastasia Bunce
Direção Musical por: Griffin Jenkins

Birdie’s Adventures in the Animal Kingdom completou sua temporada atual no The Greenhouse Theatre.



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.