Tue. Mar 5th, 2024



Song of the Week mergulha nas músicas novas que simplesmente não conseguimos tirar da cabeça. Encontre essas faixas e muito mais em nossa lista de reprodução Spotify Top Songs e, para nossas novas músicas favoritas de artistas emergentes, confira nossa lista de reprodução Spotify New Sounds. Esta semana, Sigur Rós faz um retorno sublime com “Blóðberg”.


Mesmo no seu melhor, o pós-rock pode ser um gênero bastante alienante. Conforme exploramos em nossa lista dos 10 melhores álbuns de pós-rock de todos os tempos, as músicas longas, sinuosas e sonoramente não convencionais não são exatamente estrondosas que você colocaria em uma lista de reprodução de festa. Mas para experiências isoladas e quase espirituais, o gênero não pode ser derrotado. Os pós-rockers islandeses Sigur Rós têm provado isso há décadas e, para seu single de retorno “Blóðberg”, eles oferecem uma das composições mais sedutoramente sublimes de sua carreira.

Pulando para “Blóðberg” e o resto Átta, vem com um pouco de bagagem. Além das inevitáveis ​​comparações com seus trabalhos mais canonizados – álbuns como Ágætis byrjun, que se destacam como clássicos que definem o gênero – é também a primeira música nova da banda em uma década. Para os fãs, é potencialmente uma tempestade perfeita de expectativas irrealistas.

Então, Sigur Rós combate tais expectativas com uma grande reinvenção? Talvez uma odisséia excessivamente ambiciosa e progressivamente estruturada de uma música? Não. Em vez disso, “Blóðberg” reduz a banda ao essencial (que, sim, uma orquestra de 41 peças conta de fato como essencial). Sem crescendos explosivos, guitarras de montagem ou mesmo qualquer tipo de percussão para se esconder atrás, a faixa ousa depender apenas da beleza de sua melodia e pano de fundo orquestrado.

Adquira ingressos para Sigur Rós aqui

No papel, pode soar um pouco monótono. Mas, na prática, Sigur Rós transporta o ouvinte para um estado de extra-realidade, surpreendentemente fazendo com que seus mais de sete minutos de duração pareçam muito mais curtos do que realmente são. É etéreo, transitivo e um retorno adequado para os gigantes do rock de vanguarda.

Jonah Krueger


Menções Honrosas:

Slaughter Beach, Dog – “Strange Weather”

Embora o corte de 2017 “Acolyte” possa ser a música favorita de Slaughter Beach, Dog do TikTok (e é é uma ótima música), as composições de Jake Ewald só se fortaleceram a cada lançamento subsequente. O mais recente da roupa indie da Filadélfia, o descontraído e adorável “Strange Weather”, continua a tendência ascendente. Com seu piano elétrico e guitarra de blues, “Strange Weather” leva quase um ângulo de country rock para Slaughter Beach, a fórmula indie usual de Dog. O que a faixa tem em comum com o trabalho anterior de Ewald, no entanto, é como ele atinge o equilíbrio perfeito entre lirismo cantável e poético. Esperamos que Slaughter Beach, Dog tenha mais músicas como esta chegando mais cedo ou mais tarde. —J. Krueger

Sedona – “Dominó”

Sedona está de volta em um verão triste com “Domino”, seu segundo single de 2023. A música vem depois de “Sharkbite”, inspirado nos anos 90, um single de 2021 que viu o compositor de Nova York adotando um estilo mais confuso e nítido. Ao longo, Sedona lamenta sua desilusão em um relacionamento, usando seus vocais cristalinos como um contraste com a decepção paralisante sobre a qual ela canta. Comparado com seu single de estreia há cinco anos (o ainda irresistível “Call Me Up”), “Domino” parece o topo de uma montanha totalmente diferente para Sedona, e todos os olhos estão voltados para o que ela fará a seguir. — Paolo Ragusa

Festa do Treinador – “Líder nato”

O novo single do Coach Party, “Born Leader”, é ótimo por vários motivos. É uma excelente introdução ao hino shoegaze do grupo da Ilha de Wight, cada membro da banda está disparando em todos os cilindros e divide a diferença entre o mal-estar encharcado de reverberação e preguiçoso e o rock empolgante. Mas talvez a maior parte de “Born Leader” seja seu refrão instantaneamente memorável, com as melodias crescentes e desesperadas do vocalista Jess Eastwood dando à música uma onda de energia. “Eu sempre me questiono”, ela canta no segundo verso. Pode haver alguma dúvida e insegurança na letra da música, mas “Born Leader” ainda transborda confiança. — relações públicas

Escoteira – “Menino de Azul”

É o sétimo single deles – a sétima música de todos os tempos – mas você não saberia. “Boy in Blue” da Girl Scout é cativante, elétrica e refrescante, infundindo uma música sobre frustração e fantasmas com a leveza e inteligência pela qual a banda se tornou conhecida em tão pouco tempo. Com um refrão harmonioso que lembra Best Coast e uma quebra de xilofone cadenciada para mantê-lo alerta, “Boy in Blue” é o indie rock personificado e renovado novamente. — Maura Fallon

Vagabon – “Posso Falar Minhas Merdas?”

Em janeiro, Laetitia Tamko anunciou o lançamento de seu terceiro álbum Desculpe não liguei, a continuação de seu álbum folk autointitulado. Seu último single, “Can I Talk My Shit?” é um número pop otimista que demonstra sem esforço sua versatilidade como artista. Vagabon também mostra suas habilidades de rap, continuando a explorar novos terrenos neste álbum e construindo o som caleidoscópico do single principal do projeto, “Carpenter”. —Sun Noor

Arte do single da música da semana:

Playlist das melhores músicas:



By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.