Mon. Feb 26th, 2024


A história do hóquei no gelo no Brasil tem suas raízes nos anos 50, quando alguns entusiastas começaram a praticar o esporte em pistas improvisadas em São Paulo. Naquela época, não havia equipes organizadas nem competições formais, e a prática do esporte era limitada a poucos aficionados.

Foi somente na década de 70 que o hóquei no gelo começou a se consolidar como um esporte mais organizado no Brasil. A primeira equipe oficial foi fundada em São Paulo em 1976, sob o nome de São Paulo Ice Hockey Club. Logo em seguida, outras equipes surgiram em outras partes do Brasil, como o Rio Hóquei Clube, em 1977, e o Curitiba Ice Hockey Club, em 1978.

Essas equipes se organizavam para disputar partidas amistosas entre si, mas ainda não havia um campeonato nacional ou estadual. Foi somente em 1984 que a Confederação Brasileira de Hóquei no Gelo (CBHG) foi fundada, com o objetivo de fomentar o esporte no país e organizar competições oficiais.

A partir daí, o hóquei no gelo começou a crescer no Brasil de forma mais acelerada. O primeiro campeonato nacional foi realizado em 1985, com a participação de seis equipes. A partir daí, a competição foi se consolidando e se tornando mais profissional, com a inclusão de equipes de outros estados e a presença de patrocinadores.

Nos anos 90, o hóquei no gelo no Brasil passou por uma fase de crescimento mais intenso, graças ao apoio de patrocinadores e à maior visibilidade do esporte na mídia. Várias equipes foram criadas em diferentes partes do país, como o Brasília Ice Eagles, o Blumenau Ice Sharks e o Joinville Gladiators.

No entanto, o esporte ainda enfrentava muitas dificuldades, como a falta de infraestrutura adequada para a prática do hóquei no gelo. As equipes precisavam improvisar pistas em quadras de esportes ou em espaços alugados, o que limitava a prática do esporte a um número restrito de pessoas.

Apesar dessas dificuldades, o hóquei no gelo continuou a se desenvolver no Brasil ao longo das décadas seguintes. A seleção brasileira passou a participar de competições internacionais, como o Campeonato Mundial Divisão III e o Campeonato Pan-Americano.

No entanto, ainda havia muito a ser feito para que o hóquei no gelo se tornasse um esporte mais popular e acessível no país. Faltavam investimentos em infraestrutura e em programas de formação de novos jogadores, além da falta de visibilidade na mídia esportiva.

Atualmente, o cenário do hóquei no gelo no Brasil é promissor, mas ainda desafiador. A equipe nacional está em ascensão, com a possível participação nas Olimpíadas de Inverno de 2022, mas ainda há muitos desafios a serem superados para que o esporte se torne mais acessível e popular no país.

Uma das principais iniciativas para o desenvolvimento do hóquei no gelo no Brasil é a construção de arenas de gelo, que permitem a prática do esporte em condições mais adequadas. Exemplos desse tipo de investimento incluem as arenas do Shopping Iguatemi em São Paulo e a de Florianópolis, que sediou os Jogos Panamericanos de Inverno em 2020.

Além disso, a criação de programas de formação de novos jogadores e a divulgação do esporte nas redes sociais e na mídia podem ajudar a aumentar o número de praticantes e de fãs do hóquei no gelo no Brasil.

Em resumo, a história do hóquei no gelo no Brasil tem sido marcada por altos e baixos, mas a paixão e o esforço de seus entusiastas permitiram que o esporte se consolidasse no país. Com investimentos e iniciativas para o seu desenvolvimento, o hóquei no gelo pode se tornar um esporte ainda mais presente na cultura esportiva brasileira.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.