Wed. Feb 21st, 2024


Com os nacionais no horizonte para dançarinos competitivos, a primavera é um ótimo momento para voltar o foco para o ponto culminante do ano escolar de dança. “O mais importante é garantir que todos estejam na mesma página, muito antes de ir para o Nationals”, diz Mandy Cowling Moore, proprietária da Slippers & Taps School of Dance em Robertsdale, Alabama. Fornecer aos dançarinos um plano abrangente para os nacionais agora lhes dá a capacidade de brilhar no palco, cumprir suas responsabilidades com a equipe e equilibrar os compromissos de dança com a diversão do verão.

Planejando à frente

A comunicação aberta sobre as expectativas (e custos) dos nacionais dá aos alunos e seus responsáveis ​​a oportunidade de planejar com antecedência e diminui a possibilidade de surpresas nas semanas que antecedem o evento. “Dizemos às famílias logo no início do ano de dança que iremos às Nacionais”, diz Moore. “A arrecadação de fundos precisa começar cedo para as famílias que precisam compensar as despesas.”

Moore comunica seus planos para os ensaios nacionais com bastante antecedência, para que os dançarinos e suas famílias possam equilibrar compromissos familiares, férias e horários de trabalho. “Lançamos um cronograma de verão na primavera que inclui os blocos de tempo para as sessões de preparação para os nacionais”, explica ela.

Definindo Metas e Expectativas

além do planejamento como para chegar ao Nacional, é útil pedir aos dançarinos que considerem por que eles estão indo. “Dedicamos tempo para definir e compartilhar metas individualmente e como equipe”, diz Karmen Smith, diretor da Driven Dance Company, grupo competitivo interno da Slippers & Taps. Na experiência de Smith, depois de compartilharem suas intenções pessoais, os dançarinos ajudam uns aos outros a alcançar os objetivos que estabelecem.

Smith também comunica desde cedo suas próprias expectativas para dançarinos no Nationals. Muitas famílias gostam de usar as viagens nacionais como uma oportunidade de férias e, embora os alunos devam ter tempo para aproveitar a viagem e relaxar, isso não pode ser a prioridade durante o evento. “Pode ser tentador ver uma janela de seis horas entre uma aula e uma competição e pensar que é o momento perfeito para visitar a piscina ou ir a um parque”, diz Smith. “Certifique-se de que eles saibam que podem se divertir, mas não podem se exaurir – eles devem fazer um plano para se manterem disciplinados.”

Técnica de Retoque

Para muitos estúdios, os Nationals acontecem logo após os recitais de primavera. “A técnica de refino é muito importante nesta época do ano”, diz Smith. “As aulas geralmente são ocupadas por coreografias de recital, então os dançarinos não se concentram na técnica.” Em sua escola, o recital é seguido por um intervalo de duas semanas, depois os ensaios nacionais começam junto com um intensivo com professores convidados. “Fazer intensivos no meio do período de ensaio prepara os dançarinos para a intensidade da semana nacional”, diz Smith.

Vencendo o Burnout

Depois de meses praticando os mesmos movimentos, existe o risco de que o movimento se torne mecânico, por isso é importante tentar lançar rotinas sob uma nova luz antes das Nacionais. Smith pede aos professores convidados dos intensivos de técnica de sua escola para realizar os ensaios. “Isso não apenas traz novos olhos e novas perspectivas para cada dança, mas quando uma nova pessoa faz a crítica, parece diferente”, diz ela. Se os coreógrafos convidados criaram números para a temporada de competições, Smith os convida a voltar e trabalhar com os alunos novamente pouco antes das Nacionais.

Outra maneira de manter a coreografia atualizada é revisar as críticas dos jurados das Regionais. “Essas críticas oferecem uma perspectiva excelente e nova, então voltamos a esse feedback e mergulhamos em aspectos do movimento que não consideramos anteriormente”, diz Smith. Se algo ainda não estiver funcionando, faça alterações. Moore e Smith reconhecem que é importante usar as semanas que antecedem os nacionais para abordar seções de danças que simplesmente não funcionam, integrar novas habilidades e, se necessário, dar uma repaginada nos números.

tornando-o divertido

Moore diz que, mesmo com todo o trabalho árduo que antecede o Nacional, também é importante que o cronograma de ensaios permita que os alunos se divirtam. “Vá à praia, faça festas do pijama – aproveite o verão”, diz ela. “O processo não deve se tornar tão estressante que você não possa se divertir.” Smith concorda que, com os planos em vigor, as expectativas definidas e as rotinas ensaiadas, também é importante se divertir nas Nacionais. “Lembre os dançarinos de gostar de conhecer novas pessoas e fazer amigos de todo o país”, diz ela. “E ajude-os a lembrar que esta oportunidade de fazer parte de uma equipe e vivenciar algo assim é especial.”

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.