Wed. Feb 28th, 2024


À medida que nos aproximamos do final do ano, a taxa de lançamento de novos álbuns vai cair e uma nova temporada de turnês está começando. Mas, à medida que os meses ficam mais frios e os dias mais curtos, à medida que passamos mais tempo dentro de casa e com amigos e familiares, queríamos relembrar dez álbuns do ano passado que você pode ter perdido ou esquecido de preencher seu Tempo.

Teremos uma lista separada dos 10 melhores álbuns no final do ano, mas alguns desses álbuns podem aparecer lá também, então reserve um tempo para se familiarizar agora para poder dizer: “Eu sabia!” quando a lista cai.

em nenhuma ordem particular

Grabbitz – O tempo não é real

Facilmente um dos nossos álbuns favoritos do ano, o terceiro álbum de Grabbitz o vê engajar seu verdadeiro eu e arte. Esta é uma experiência de audição brilhante de frente para trás, embora você não encontre muitos temas de inverno. Se você está sentindo falta dos meses mais quentes, confira isso.

Okay – MUITO ESPECIAL!

Ookay lançou seu segundo álbum no início deste ano, trazendo de volta seu crossover pop/live/EDM para outro projeto. Principalmente faixas solo, com algumas colaborações aqui e ali com Rachel Lorin, Daktyl e Elohim & Flux Pavilion, o álbum é definitivamente uma experiência fácil de ouvir, cheia de boas vibrações e notas divertidas.

Calvin Harris – Funk Wav Bounces Vol. 2

Este álbum teve muito hype por trás dele, mas rapidamente morreu após o lançamento. Seja devido a um curto período de atenção ou apenas a singles não tão estelares como o primeiro volume, olhando para o álbum agora, é tão bom para ouvir com facilidade e companhia casual quanto o primeiro.

Moore Kismet – UNIVERSO

O álbum de estreia do jovem prodígio Moore Kismet não poderia ter vindo em um momento mais perfeito, já que sua carreira e notoriedade continuam a aumentar exponencialmente. Além de defender a cultura POC e queer, o músico e criativo negro e não-binário de 17 anos cresceu aos trancos e barrancos nos últimos anos. Um álbum de estreia é algo especial, e este em particular merece a sua atenção.

Mate o barulho – ABRACE

Esperar sete anos por um novo álbum do Kill The Noise foi uma tortura, mas valeu a pena quando ABRAÇAR finalmente caiu. Além de mais uma vez se juntar a Seven Lions e Wolfgang Gartner e Mija, o álbum passa por tantos gêneros tão sem esforço que é impossível não ser lembrado de quão bom Kill The Noise é e sempre foi.

Clube de Aventura – Amor // Caos

Falando em esperar muito tempo por álbuns, Adventure Club finalmente lançado Amor // Caos no início deste ano, algo que eles vêm construindo de forma constante nos últimos seis anos. Apresentando impressionantes 25 faixas com quase uma hora e meia, a diversidade e a circunferência absoluta deste álbum não podem ser exageradas.

Pista 8 – Reviver

A pista 8 é sempre perfeita quando você quer ouvir algo bonito e inspirador, sem alienar sua família mais velha e extensa. Se seus pais ou parentes perguntarem o que você andou fazendo e ouvindo este ano enquanto bate papo durante as férias, apenas dê a eles isso e deixe por isso mesmo, eles não precisam saber tudo.

Alice Glass – PRESA //IV

Alice Glass começou seu projeto solo em 2014, mas não foi até 2017 que ela anunciou oficialmente sua saída da Crystal Castles, acusando o cofundador Ethan Kath de abuso sexual, físico e mental. Demorou mais cinco anos para ela lançar seu álbum solo de estreia oficial, PRESA // IV. É corajoso e cru, e aparente que Crystal Castles era ela no final do dia. Mas, seguimos em frente e ela também.

Kavinsky – Renascido

Demorou nove anos para Renascido para finalmente chegar, depois que Kavinsky fez um nome para si mesmo com, praticamente, apenas um single – “Nightcall”. A faixa eclipsa qualquer um de seus outros singles em jogo por um fator de cerca de 12. Ainda assim, sua notoriedade persistiu e quando ele começou a provocar um novo projeto, todos os olhos estavam nele. A recepção foi morna na melhor das hipóteses, mas depois de mais escutas, Renascido ainda é uma entrada forte em sua discografia, embora talvez não tão tímida.

Favor da festa – REINICIAR

O Party Favor vem travando uma batalha difícil para se livrar de seu som “Bap U” por alguns anos (embora seus shows ao vivo ainda sejam tão estridentes e divertidos como sempre). REDEFINIR serve não apenas como um ethos titular de sua carreira, mas também um álbum brilhantemente composto e escrito que merece muito mais elogios. No que diz respeito ao fluxo e ritmo, o álbum é o melhor entre os concorrentes deste ano e vindo de um dos “DJs de fraternidade” da cena, o fator de choque só aumenta o prazer da experiência de audição.

By Dave Jenks

Dave Jenks is an American novelist and Veteran of the United States Marine Corps. Between those careers, he’s worked as a deckhand, commercial fisherman, divemaster, taxi driver, construction manager, and over the road truck driver, among many other things. He now lives on a sea island, in the South Carolina Lowcountry, with his wife and youngest daughter. They also have three grown children, five grand children, three dogs and a whole flock of parakeets. Stinnett grew up in Melbourne, Florida and has also lived in the Florida Keys, the Bahamas, and Cozumel, Mexico. His next dream is to one day visit and dive Cuba.