Wed. Feb 8th, 2023


Com uma temporada assustadora em pleno andamento, outubro tem nos proporcionado muitos filmes de terror para sentar e desfrutar. Chifres é o mais novo filme de terror sobrenatural com o produtor Guillermo del Toro e o diretor Scott Cooper no comando. O filme segue Julia Meadows (Keri Russell) e seu irmão, Paul (Jesse Plemons), enquanto eles se preocupam com um dos alunos de Julia, que está escondendo um segredo perigoso.

Filmes como Chifres são uma raça rara. Um filme original que não é baseado em um IP existente enquanto explora o gênero de recurso de criatura não é típico. Além disso, como o filme foi filmado três anos antes de sua data de lançamento, é um milagre que o filme esteja ganhando uma vitrine exclusiva. Felizmente, o filme consegue o que está tentando alcançar com uma série de eventos emocionantes que o manterão investido do início ao fim.

Este filme faz um trabalho adequado ao combinar os tropos do gênero com algumas emoções muito originais. A premissa por si só é muito mais fresca do que muitos dos filmes típicos de fantasmas noturnos nos quais o mercado se saturou. Parece uma história que nunca vimos antes e não tem medo de ser assumidamente estranha.

No decorrer Chifres‘ato de abertura, pode parecer que o roteiro está impedindo o filme de ser algo mais do que convencional. Um dos personagens principais é uma criança que sofre bullying e desenha coisas assustadoras. Nada disso é particularmente novo ou excitante, mas parece que o filme está conduzindo o público por um caminho de “oh, lá vamos nós de novo” antes de impressioná-los com uma história não convencional e uma atmosfera assustadora que perdura durante todo o tempo de execução.

Muitos filmes de terror, como o clássico mandíbulas, esconda o monstro do público o máximo possível, construindo o suspense e esperando o momento perfeito para mostrar o monstro. Em vez de, Chifres contém momentos de tensão, mas também tem muitas cenas que colocam o monstro em plena exibição. Além disso, há muita diversão no excelente design de criaturas do filme e na mistura de CGI e efeitos práticos.

O filme conta com excelentes atuações de todo o elenco. Russell tem um desempenho atraente no papel principal, e Jesse Plemons, que já impressionou este ano com papéis em Judas e o Messias Negro e Jungle Cruise, continua a oferecer performances autênticas e poderosas que o puxam para a tela. Talvez a maior surpresa seja o jovem Jeremy T. Thomas como Lucas, o garoto do filme que consegue ser efetivamente assustador e carrega muito do filme nos ombros.

Os problemas do filme geralmente residem em seus temas pouco elaborados e personagens bem desenvolvidos, mas suas histórias não parecem muito no final. A história poderia ter ido a lugares mais profundos com o relacionamento irmão-irmã, mas no final nunca chega. Contudo, Chifres permanece um thriller bem trabalhado com alguns sustos excelentes e um final de arrepiar os ossos.

PONTUAÇÃO: 7/10

Como explica a política de revisão do ComingSoon, uma pontuação de 7 equivale a “Bom”. Uma peça de entretenimento de sucesso que vale a pena conferir, mas pode não agradar a todos.


Divulgação: O revisor viu o filme em uma exibição da crítica para o nosso Chifres Reveja.

By admin