Thu. Oct 6th, 2022


Quando David Guzman estava considerando onde frequentar a escola, ele fez o teste para muitos programas de dança e teatro conhecidos. Ele estava animado para estudar em um ambiente de conservatório, onde o caminho estava claramente pavimentado – até visitar o Bennington College, em Vermont. “Vi uma visão completamente diferente do que a educação poderia ser”, diz Guzman, que se formou em 2021. Em Bennington, Guzman descobriu as muitas vantagens de um programa pequeno: a liberdade de criar seu próprio caminho e construir fortes laços com o corpo docente, e oportunidades únicas para desenvolver as habilidades de liderança e individualidade necessárias para a vida de pós-graduação. Antes de focar em uma universidade ou conservatório maior, considere os benefícios exclusivos que programas menores podem oferecer.

Conheça sua faculdade

Os professores das escolas menores têm mais tempo para conhecer cada aluno. “Pode ser um ambiente mais pessoal para os alunos que sentem que precisam de uma situação de alto apoio na faculdade”, diz Meredith Sims, professora associada de dança da Coker University. Com uma proporção aluno-professor mais concentrada, os alunos têm mais oportunidades de atenção focada.

Fazer conexões

As aulas de dança em Bennington podem variar de dois a 20 alunos, no máximo. Com um tamanho de turma mais condensado, os alunos podem desenvolver relacionamentos fortes e de apoio com os colegas. “O tamanho pequeno realmente os ajuda a se sentirem confortáveis ​​e confiantes na aula quando às vezes você precisa ser vulnerável”, diz Sims.

Explorar outros interesses

Se explorar paixões fora da dança é importante para você, uma escola pequena pode permitir que você busque mais oportunidades de ensino, trabalhando nos bastidores ou em trabalho administrativo. “Há muito mais a fazer porque temos menos pessoas para fazer essas coisas”, diz Sims. A Bennington oferece aos alunos a capacidade de combinar várias concentrações com dança – Louisa Parker graduada em 2021, por exemplo, concentrada em dança, escultura e design de roupas. “Quando o grupo é pequeno, há mais liberdade para aprofundar sua experiência ou expressão individual”, diz Mina Nishimura, membro do corpo docente da Bennington.

Abrace a comunidade

Relações mais estreitas com o corpo docente, turmas menores e mais oportunidades para explorar vários interesses são fatores que contribuem para o desenvolvimento de uma comunidade unida de dançarinos. Muitas vezes, os alunos têm uma variedade de interesses dentro e fora da dança, o que leva a mais oportunidades de colaboração. “A sensação de competição é menor porque a pessoa ao seu lado na aula tem um objetivo diferente de você”, diz Sims.

Mais seguro durante o COVID-19

Uma aula de dança contemporânea.  Os alunos se equilibram em uma perna em posição de mesa, pé levantado flexionado e joelho da perna de apoio macio, braços alcançando o chão.
Uma aula de dança na Universidade Coker. Foto de Seth Johnson, cortesia da Coker University.

Uma infeliz realidade que os dançarinos devem considerar agora ao escolher um programa universitário é como ele pode ser afetado pelo coronavírus. Em muitos casos, programas menores foram capazes de oferecer mais oportunidades durante a pandemia do que escolas maiores e mais densamente povoadas. O Bennington College e a Coker University, por exemplo, tiveram restrições mais flexíveis por causa de suas turmas pequenas e locais remotos. Ao seguir as diretrizes do CDC, essas escolas puderam continuar com aulas e apresentações presenciais. “Nós vimos isso como uma vantagem, e acho que nossos alunos também”, diz Meredith Sims, professora associada de dança da Coker. “Isso permitiu que eles ainda sentissem um senso de comunidade porque pudemos estar no campus e assistir às aulas.”

É certo para você?

Em um monte de terra, uma dançarina de cueca branca foge de outra que está mais completamente vestida, acabando de soltar sua mão.  Uma platéia é vagamente visível, observando de cima.
David Guzman (à direita, com Musa Ghaznavi em Branden Jacobs-Jenkins’ Todo o mundo) optou pelo Bennington College em vez de grandes programas de conservatório. Foto de Ellery Schiller, cortesia de Guzman.

Pequenos programas de dança são para estudantes que querem…

• Escolha seus próprios caminhos. “Você pode cultivar a capacidade de navegar em sua própria jornada como artista de dança, que acho que é a habilidade mais importante depois da faculdade”, diz Mina Nishimura, membro do corpo docente do Bennington College.

• Pergunte. “Eu o recomendaria para pessoas curiosas e de mente aberta que têm muitas perguntas e estão abertas a diferentes meios de exploração”, diz David Guzman, graduado em Bennington.

Ramifique-se. “As pessoas que tiram os pés da dança tornam sua prática de dança mais forte e interessante”, diz Louisa Parker, graduada em Bennington.

• Crie novos projetos. “Realmente incentivamos nossos alunos a trabalhar em sua voz artística e ferramentas coreográficas e tentamos dar a eles muitas oportunidades para fazer isso”, diz a professora associada da Coker University, Meredith Sims.

By admin