Sat. May 21st, 2022


Em Cannes, Michael adorou o ritual e a pompa do festival. Ele adorava dispensar as exibições de imprensa da competição no início da manhã em favor de se vestir com sua roupa formal para as estreias noturnas no Lumiere.

Se Michael era seu amigo, ele lutou por você. O representante local da Warner, notoriamente de pele fina e paranóica, estava colocando na lista negra o crítico Jonathan Rosenbaum de exibições locais naquela época, e Michael usou sua nova influência para interceder em nome de Jonathan.

Ele fez o mesmo comigo, abrindo um breve momento que me permitiu fazer algumas resenhas freelance para o Tribuna. Ele também, eu soube de outras fontes, defendeu meu nome com alguns publicitários de Chicago que estavam relutantes em me incluir em suas próprias listas de convites de triagem.

Michael era um monte de coisas, rabugento, áspero, às vezes irritado, muitas vezes difícil de ouvir ou difícil de entender. A tecnologia facilmente o desconcertou. Ele era, para dizer o óbvio, não socialmente habilidoso. Ele também era generoso, caloroso, engraçado, imprevisível e uma explosão de estar por perto.

Essa intensidade autêntica é o que atraiu as pessoas para Michael e permitiu que elas perdoassem suas peculiaridades e comportamento às vezes espinhoso. Eu vi em primeira mão, na presença de figuras artísticas poderosas e importantes, como Altman ou Jaqueline Bisset, e imediatamente se podia sentir as qualidades genuínas, enfáticas e ternas do homem.

A paixão, a profundidade e a intensidade de seus sentimentos, sobre atuar, sobre um determinado diretor, ou um movimento, tornaram-se seus próprios princípios governantes. Mesmo quando você discutia com ele por causa de um diretor, como eu fiz com ele sobre Kazan, por exemplo, sempre respeitei o que ele tinha a dizer.

A morte de sua mãe foi uma sentença de morte. Isso provocou seu retorno a Los Angeles. Ele escreveu sobre novos filmes e lançamentos de DVD para o site Notícias da cidade do cinema.

“Um poeta pega palavras, pensamentos e objetos, fala cores e sentimentos, e os torna palpavelmente físicos e dançantes”, começa a última peça crítica publicada de Wilmington, escrevendo sobre “Patterson”, de Jim Jarmusch, em 30 de dezembro de 2016.

By admin