Sat. May 28th, 2022


A bela e a fera pode ser um conto tão antigo quanto o tempo, mas isso torna ainda mais atraente para cada cineasta e contador de histórias tentar dar seu próprio toque nele. Neste caso, o resultado é o Studio Chizu Bela, escrito e dirigido por Mamoru Hosoda, conhecido por filmes anteriores como A menina que pulou no tempo, Guerras de verão, e 2018 Miral. Altamente esperado no período que antecedeu seu lançamento, não apenas por causa do nome de Hosada, mas também por causa de seus comentários críticos dirigidos a Hayao Miyazaki, Bela é uma reviravolta do século 21 em um conto familiar com bela execução que atrapalha o pouso.

Acontecendo em uma cidade no Japão moderno, Bela é a história da colegial Suzu que vive uma vida dupla como a cantora mais famosa do mundo, Belle, no mundo virtual de U. De dia ela é uma colegial normal, ainda de luto pela morte de sua mãe anos após o evento, com um poucos amigos e nada notável acontecendo em sua vida. Depois que seu melhor amigo Hiro a coloca em U, ela descobre que, como Belle, ela pode cantar novamente, algo que ela não conseguia fazer desde que sua mãe morreu. Depois que o Dragão, também conhecido como Fera, interrompe um dos maiores shows de Bela até agora, ela desenvolve um fascínio e um amor por ele que faz com que os dois se aproximem, mesmo quando um grupo de vigilantes virtuais fica obcecado em desmascarar e destruir o Dragão.

A maior parte do filme se concentra em Suzu e seu crescimento e desenvolvimento de personagem, com subtramas incluindo sua paixão por um amigo de infância e a paixão de Ruka por um colega de classe incrivelmente denso. O arco de personagem de Suzu mostra ela passando de tímida e infeliz no mundo real para vibrante e animada em U, e lentamente fundindo as duas metades de si mesma, com a ajuda do Dragão e seus amigos do mundo real. Infelizmente, o foco no personagem de Suzu é em detrimento de todos os outros, pois ela é a única que experimenta algum crescimento real, além do Dragão, cujo arco de personagem parece apressado e subdesenvolvido, com sua identidade não sendo revelada até quase o final. do filme. Embora o elenco de apoio seja divertido e todos tenham seus lugares, eles parecem mais pontos de enredo convenientes para o crescimento de Suzu do que personagens próprios.

Enquanto o filme empresta muitos pontos da trama e até pequenos detalhes como linguagem corporal do filme clássico da Disney que não estava no conto de fadas original, o foco em Suzu e a singularidade do cenário digital ajudam a manter o filme fresco e realmente o diferencia de outras adaptações, tanto animadas quanto live-action.

Como esperado do Studio Chizu, a animação é simplesmente linda. O que mais me impressionou foi a diferença ousada entre a animação 2D plana no mundo real e a animação 3D mais texturizada em U. Embora não seja 3D verdadeiro e o estilo de arte permaneça o mesmo, ajuda a enfatizar a diferença entre os mundos. A paleta de cores em U também é muito mais brilhante e vibrante, com cores mais ricas e designs de personagens ousados ​​e bizarros – afinal, se você não é você, por que teria que ficar parecendo um humano? Ainda assim, os pequenos detalhes que se transferem entre o mundo real dos personagens e suas identidades virtuais são extremamente impressionantes, desde coisas óbvias como as sardas de Suzu ou o saxofone de Ruka até coisas mais sutis, mas igualmente significativas, como a pequena paleta de cores do anjo-morcego sendo a chave de sua identidade.

A atuação e o talento por trás Bela também são realmente maravilhosos, particularmente Kaho Nakamura como Belle e Suzu. Seu canto é absolutamente incrível e verdadeiramente fascinante, tornando a popularidade virtual do personagem completamente crível. Infelizmente, talentos como Ryo Narita se sentem desperdiçados no quase monótono Shinobu, e Koji Yakusho como o pai de Suzu. Takeru Satouh, mais conhecido como o live-action Himura Kenshin, também oferece um excelente desempenho como o Dragão.

Infelizmente, para o que deveria ter sido um filme verdadeiramente notável, Bela tem alguns inconvenientes. O ritmo é desigual e extremamente lento no primeiro ato, enquanto a história de fundo é apresentada em flashback, parecendo que está se arrastando quando nem é a parte principal do filme. Além disso, Bela opta por abordar alguns temas pesados ​​no último terço do filme, mas se atrapalha muito, deixando o destino de dois personagens ambíguo na melhor das hipóteses e potencialmente enviando uma mensagem ruim para o público, dependendo de como é levado. Este é um contraste chocante com o resto do elenco e seus finais inequivocamente felizes, bem como uma aterrissagem acidentada de um arco de história geral suave. Menos a sério, há um momento incomum em que se diz que uma garota do ensino médio tem uma queda por um professor e, pela foto dele, ele tem idade suficiente para ser seu avô. É impressionante, se não um toque perturbador no contexto, já que nunca mais aparece e, portanto, foi apenas uma escolha estilística bizarra.

Geral, Bela é uma experiência adorável, mas o início lento e a falha em aterrissar corretamente deixam uma má impressão. Ainda assim, para quem é fã do conto de fadas original ou para quem curte histórias do universo virtual, Bela será uma maneira decente de passar o tempo.

PONTUAÇÃO: 7/10

Como explica a política de revisão da ComingSoon, uma pontuação de 7 equivale a “Bom”. Uma peça de entretenimento de sucesso que vale a pena conferir, mas pode não agradar a todos.


Divulgação: O crítico assistiu a um screener para ComingSoon’s Bela Reveja.

By admin