Fri. Aug 12th, 2022


Lil Nas X e NBA YoungBoy | “Late To Da Party (F*CK BET)”

No que diz respeito a brigas justificadas, essa é uma em que podemos afundar nossos dentes – especialmente quando essas carnes são servidas em um espeto tão afiado (e engraçado) quanto este glorioso pastiche de imagens da Shutterstock, telas verdes aleatórias e efeitos de slides de apresentações em PowerPoint.

Como você provavelmente já deve ter adivinhado pelo título: em seu último single, o sempre talentoso e ousado Lil Nas X, de 23 anos, está expondo seu relacionamento tenso com a BET, pouco depois de ter sido completamente excluído de seus prêmios este ano. A falta de indicações foi estranha, já que foi um ano marcante para a megaestrela nascida em Atlanta. No ano passado, ele lançou o álbum de estreia red hot Monteroque dominou as ondas de rádio com seus dois singles no topo das paradas, indicados ao Grammy – “Montero (Me Chame Pelo Seu Nome)” e “Bebê da Indústria”.

No entanto, a dinâmica rochosa de Lil Nas X e BET não começou ou dependeu apenas do desprezo. Como o ator explicou Pedra rolando, “Minha relação com a BET tem sido dolorosa e tensa por algum tempo. . . Eles me deixaram tocar no show deles no ano passado, mas só depois [I gave] garantias de que eu não era um satanista ou adorador do diabo e que meu desempenho seria apropriado para o público deles”.

Lil Nas X desempenhou um papel crucial em trazer maior e mais ousada visibilidade LGBTQ+ à música pop, frequentemente enfrentando a homofobia de frente, demonstrando conhecimento nas mídias sociais em particular, com uma mistura patenteada de coragem, humor e estilo. Ele escreveu no Twitter que “sinto que os gays negros têm que lutar para serem vistos neste mundo e mesmo quando chegamos ao topo, tentamos fingir que somos invisíveis”.

Em 28 de junho, Eve M. May, uma adolescente trans, escreveu uma carta em Teen Vogue expressando gratidão por Lil Nas X e o exemplo que ele está dando aos jovens: “Mesmo se eu fosse o único garoto a ser mudado pela sua música e você apenas sendo você, ainda faz uma grande diferença. Mas o fato de você fazer isso para centenas de milhares de crianças, e provavelmente milhões de jovens adultos também, torna o que você está fazendo ainda mais importante”, escreveu May.

::

Tomar banho sozinho | “Animais e Árvores”

Esta última música pop dos sonhos, parecida com a trilha sonora de um filme, remonta ao que Joni Mitchell cantou sobre tantas décadas atrás: eles pavimentaram o paraíso e colocaram um estacionamento. Em seu acompanhamento de vídeo surreal dirigido por Nic Huey, cantor e multi-instrumentista (bateria, guitarra, baixo) Bailey Crone, vulgo Tomar banho sozinhosilenciosamente faz seu caminho através de paisagens urbanas reconhecíveis de Atlanta, vestida com uma máscara de animal.

As imagens e a sequência de eventos lembram como as pessoas têm cada vez mais invadido e esgotado os ecossistemas naturais que formam habitats selvagens. E, ei, animais que usam transporte público como MARTA não é um conceito tão absurdo – simplesmente pesquise no Google “coiotes pegam o El em Chicago”.

Este single foi lançado logo após dois lançamentos anteriores, destinados a provocar o segundo álbum de Crone, que ainda está por vir, Cair com as luzes apagadas, previsto para ser lançado em uma data ainda a definir neste verão no selo The Record Machine, com sede em Kansas City. Esses passeios anteriores foram “Décadas e Sonhos” (apresentado em Trilha sonora de Atlanta em março) e “Desperdiçá-lo”. O álbum de estreia de Crone, Últimos lookssaiu no ano passado.

::

Mary Lou Williams | “O homem que eu amo”

Observar os dedos de Mary Lou Williams voando pelas teclas deste tão amado número de Gershwin – nossa faixa vintage da semana – é como assistir Gene Kelly ou Gregory Hines deslizando pela pista de dança ou assistir Nathan Chen cortar uma pista de gelo. Nascida em Atlanta em 1910, a primeira-dama do jazz mudou-se com a família para Pittsburgh quando era pequena. Um prodígio do piano com afinação perfeita, ela já fazia cócegas nos marfins quando começou a andar, depois se apresentava profissionalmente aos 6 anos.

Mas a música não era apenas um chamado para o palco; poderia ser um meio de sobrevivência em tempos angustiantes. Um perfil da cantora na NPR detalha o momento em que Williams percebeu que seus talentos poderiam ser aproveitados para convencer seus vizinhos brancos racistas “a parar de jogar tijolos na casa de sua família, dando-lhes shows particulares”.

Pouco antes de completar 20 anos, Williams não apenas garantiu um lugar como artista estrela com a “big band” de Kansas City Andy Kirk e His Clouds of Joy, mas também estava apresentando arranjos inovadores para eles tocarem. Essas construções de músicas criativas e surpreendentes se tornariam um marco em sua distinta carreira. De fato, Benny Goodman e Louis Armstrong eram apenas alguns colegas no ramo em busca de seu trabalho brilhante. Ela também orientou outras lendas do jazz (embora infelizmente muito mais conhecidas) como Dizzy Gillespie, Charlie Parker e Thelonious Monk.

Outros destaques: Compôs o Suíte Zodíaco, uma composição de 12 peças sobre cada signo astrológico. Ela escreveu uma peça litúrgica inteira para Alvin Ailey American Dance Theatre, conhecida como Missa de Maria Lou. Ela fundou sua própria gravadora antes que isso fosse uma coisa (especialmente para as mulheres). Não é surpresa, então, que o Kennedy Center em Washington, DC, realize seu festival anual Mary Lou Williams Women in Jazz em homenagem a sua falecida senhoria.

Então, quando o mundo ficar caótico e malvado, como costuma acontecer hoje em dia, reserve um tempo para assistir a essa artista – bem na última parte de sua longa carreira quando este show foi filmado – mostrando habilmente um domínio puro de seu ofício. E aproveite a admiração de alguém ser capaz de simplesmente descer na frente de um objeto inanimado e proceder a extrair magia dele.



By admin