Fri. Oct 7th, 2022


vislumbres | “Medo de Perder”

Existe algo mais de verão do que uma música pop-punk apaixonada? Com este último lançamento de relativamente recém-chegados à cena, o grupo de rock de cinco peças vislumbres, você pode praticamente sentir o cheiro do protetor solar saindo de um gramado de festival de música. Junto com a vocalista e tecladista Maggie Schneider, glimmers inclui o guitarrista Alex Downtain, o guitarrista rítmico e backing vocal Alex Norrell, o baixista Ari Patwary e o baterista Jeremy Russell.

Esses músicos unidos, que se conheceram – no verdadeiro estilo ATL – no Masquerade, começaram em 2019 como banda de apoio para Schneider. Mas dentro de um ano, depois de fazer vários shows juntos, não parecia mais um projeto solo para Schneider; parecia um banda.

Em um videoclipe “por trás das letras” no Instagram da banda, Schneider disse que este single é sobre sua “própria luta pessoal entre querer compartilhar meus sentimentos e expressar o que sinto por alguém, mas também ter medo de perder essa amizade. Acho que é uma batalha constante pela qual todos nós, como humanos, passamos.”

Quanto à estética da biblioteca, eles estão seguindo uma tradição histórica (trocadilhos) – de Toto a Tears for Fears a Taylor Swift, as bibliotecas serviram muitos banquetes visuais de narrativas literárias e musicais. Como Schneider também é um grande fã das comédias românticas de John Hughes, é fácil traçar uma silhueta de O Clube do Café da Manhã aqui também.

::

Yani Mo | “Limonada”

Depois de temperar o verão do ano passado com Vida que você escolhe, Yani Mo, a progenitora de um gênero que ela chama de “Country Queer Soul Music”, está de volta com outra fatia de refresco para o solstício sufocante. É uma canção de amor fundamentada em maravilhas sutis. Liricamente, ela cria uma mistura de carinho e bravata brincalhona em uma ode às peculiaridades que tornam alguém singularmente cativante – usando comida para chegar lá, ala Prince’s “Starfish and Coffee”.

Na cena musical há uma década, Yani Mo cita algumas de suas maiores inspirações como Toni Morrison, J. Dilla e TLC, especificamente Lisa “Left Eye” Lopez. Em agosto do ano passado, ela contou Atlanta revista que “’Rap Poesia’ não pegou, então eu joguei isso fora. Eu pensei, é armadilha alma? Eu só queria algo que fosse meu, que eu pudesse dizer que criei, que me sentisse em casa.”

::

Siga por enquanto | “Santo Moisés”

Em 1987, o tristemente de curta duração Follow For Now era menos um exemplo de um bando de músicos talentosos se unindo, pois era uma fusão ardente de magma de rockstar em brasa – fluindo de uma erupção vulcânica de rap, metal e soul. Eles eram punks e, cara, eles também eram funky. Pedra rolando deu ao seu álbum de estreia (e tragicamente apenas) uma rave, declarando que “a revolução do black-rock está próxima, e a FFN está ajudando a liderar o ataque”.

O nome da banda veio da música de 1994 do Public Enemy e do Anthrax, “Bring the Noise”. O guitarrista/vocalista David Ryan Harris, o guitarrista Chris Tinsley, o baixista Jamie Turner, o tecladista/vocalista Billy Fields e o baterista Enrique (nome artístico de Bernard Coley) fundiram rock, jazz, heavy metal, soul, ska e muito mais.

Quando eles se juntaram ao produtor Brendan O’Brien (do Pearl Jam/Red Hot Chili Peppers/Rage Against the Machine), e a Chrysalis Records os contratou em 1991, sua ascensão ao status de breakout mainstream parecia quase garantida. Mas, infelizmente, parece que o estúdio não estava pronto para lidar com o que deu a eles o fogo em primeiro lugar. Ele saiu mais liso e mais encaixotado do que os fãs da banda – ou a banda – poderiam querer.

Eles se separaram três anos depois, em 1994, desencadeando uma sequência de cenários “e se”. E se o estúdio tivesse deixado Enrique tocar bateria em seu estilo habitual desequilibrado? E se eles tivessem licença gratuita para ficarem mais ásperos nas bordas? Mas a indústria não estava nesse lugar.

Como Harris disse ao Sol de Baltimore em 1991, “Parece que o rádio e a MTV às vezes vendem pouco ao público. Nenhum dos meus amigos que realmente gosta de heavy metal tem apenas discos de heavy metal em sua coleção de discos. Eles têm todos os tipos diferentes de coisas. Não é estranho ter Sly Stone e Black Sabbath e Cream e Funkadelic na mesma coleção de discos. É mais ou menos daí que estamos vindo.”

Embora Harris tenha feito sua base em Los Angeles, sua conexão em Atlanta vive em sua filha superstar (com a cantora / ex-integrante do Arrested Development Dionne Farris), a favorita da trilha sonora de Atlanta Baby Tate. “Holy Moses” é a nossa Música Vintage da Semana.



By admin