Thu. May 26th, 2022


“Eu só faço merda”, diz Matt Evans. “É parte de quem eu sou.”

Nascido e criado em Atlanta, Evans, 29 anos, passou a vida inteira fazendo arte. Ele frequentou a Fernbank Elementary School e quando o ensino médio chegou, ele manteve suas mãos ocupadas criando filmes e usando argila esculpida.

Evans se formou na Georgia State University em 2015 com graduação em artes plásticas, pintura e desenho. “A arte é o que me atrai e eu queria continuar fazendo isso que me recompensa de alguma forma”, diz ele.

Enquanto na Georgia State, Evans se ofereceu para trabalhar com William Massey, um escultor local. “Ele me ensinou as ideias de sobreviver como artista”, diz Evans. Além disso, Evans pintou seu primeiro mural com outro rosto familiar: Sean Curtis. “Sean me ensinou não apenas como pintar murais, mas a logística de operar um show mural”, diz ele.

Evans no trabalho (Foto de Antwoin Royal)

Evans começou como artista freelancer em projetos que vão desde pintar retratos de animais de estimação e de casas até murais em grande escala – ele deu as boas-vindas a tudo.

Atualmente, seu foco está em murais comerciais de grande escala e na venda de seu trabalho pessoal. Seus murais podem ser vistos no Ponce City Market, Southern Dairies, Parkside Shops, nas instalações de treinamento do Atlanta Falcons e muito mais.

O trabalho de Evans estará em exibição na exposição da ABV Gallery Trilha de papel até 9 de abril. A galeria, fundada pelo artista e designer de Atlanta Greg Mike, é uma agência de marketing experimental, estúdio de design e agência de gerenciamento de artistas. A exposição contará com obras de mais de 60 artistas contemporâneos.

Em sua essência, o trabalho de Evans está centrado em como a tecnologia distorce a percepção. Para ele, a tecnologia está relacionada com a forma como tudo é interligado através das mídias sociais e como as pessoas estão se tornando exponencialmente mais integradas às personas digitais.

E se uma coisa está clara neste século, é que a mídia social está redefinindo como os artistas fazem negócios. Evans gosta da capacidade de combinar suas habilidades artísticas, musicais e cinematográficas por meio das mídias sociais, mas para todos os aspectos positivos – alcançar novos públicos e aumentar as vendas – há desvantagens.

“Para mim, um artista não é uma marca”, diz Evans. “As redes sociais transformaram a ideia de um artista em uma marca para muitos. Parte de ser artista e ser humano é mudar, crescer e fazer coisas novas. Não há nada de errado em se tornar uma marca, mas não funciona bem para mim.”

Evans tem muitos projetos em processo de confirmação, incluindo outro mural no Ponce City Market. O aumento das oportunidades, diz ele, deve-se ao desenvolvimento contínuo de Atlanta.

Mas mesmo com o crescimento da cidade, ele diz que a comunidade artística continua unida. A arte em Atlanta é muitas vezes consciente na medida em que conta uma história.

“Temos um legado de direitos civis e Atlanta é culturalmente importante para o mundo inteiro”, diz ele. “As artes são importantes porque são uma oportunidade de interagir com as pessoas e proporcionar um momento de reflexão. A arte traz as pessoas – é uma experiência. A arte pública é uma oportunidade de diálogo.”



By admin