Fri. Oct 7th, 2022


O lance: Que cineasta singular Taika Waititi é. O primeiro diretor e ator neozelandês Thor aventura, Thor: Ragnarok, não foi apenas uma das melhores sequências do MCU até hoje – foi um momento revigorante para a franquia. Para aqueles que lamentavam a ideia de que todos esses filmes eram apenas propaganda corporativa de linha de montagem clichê, o brilho visual e o capricho narrativo da terceira aventura solo de Thor eram um forte contra-argumento. (Sem mencionar Jeff Goldblum como o Grão-Mestre!)

Então o hype foi real para a aventura de Waititi, especialmente depois que ele conseguiu convencer Natalie Portman a retornar como Jane Foster, a brilhante cientista que se tornou o guia inicial de Thor (Chris Hemsworth) para a humanidade e o interesse amoroso, antes dos dois se separarem por razões não especificadas em algum momento entre Vingadores: Era de Ultron e Ragnarok.

Thor: Amor e Trovãovocê pode adivinhar pelo título, bem como a presença de Portman, concentra-se em grande parte nas razões por trás de sua separação, bem como seu eventual reencontro, inspirado pela ameaça central do filme – uma força vingativa conhecida como Gorr the God Butcher (Christian Bale), que está fazendo jus ao seu nome massacrando os deuses da galáxia, causando muito caos como resultado.

O titular Asgardiano, sendo ele mesmo tecnicamente um deus, tem interesse em parar Gorr, especialmente quando Gorr tem como alvo seus parentes restantes, vivendo em sua nova casa em Nova Asgard. Felizmente, Thor ganha um aliado inesperado na luta – a própria Jane, mas agora reforçada com os poderes do poderoso Thor.

Até a exposição do enredo é divertida: Ao manter esta revisão o mais livre de spoilers possível, é difícil dizer muito mais sobre o enredo geral do que o acima, além de notar que a busca de Thor e Jane para parar Gorr, com assistência adicional dos velhos amigos de Thor do planeta lixo de Sakaar, Valkyrie (Tessa Thompson) e Korg (Waititi/um monte de CGI), os leva para as bordas do universo, bem como para a Omnipotence City, onde todo o panteão intergaláctico de deuses, incluindo o próprio Zeus (Russell Crowe), habita.

É uma boa aventura à moda antiga, mantendo o enredo simples o suficiente para permitir espaço para o amor exclusivo de Waititi pela estranheza brilhar. Um detalhe que chamou a atenção é que, em boa parte do filme, vemos Valquíria vestida casualmente com shorts jeans e Fantasma da Ópera suéter. Por que ela está vestindo um Fantasma da Ópera suéter? Quem sabe, ela simplesmente é. Talvez tenha sido explicado em uma cena agora excluída, mas honestamente o filme é melhor sem a explicação – apenas um dos muitos, muitos grandes toques pessoais que Waititi parece apreciar. Afinal, por que ter cabras normais quando você pode ter gritando cabras? É apenas bom senso.

Também se Ragnarok encantou você com suas aparições – bem, você está com sorte. Na verdade, muitas das partes mais queridas desse filme encontram uma maneira de sangrar por aqui, com sua estética de van retocada em tecnicolor entre elas – o diretor de fotografia Barry Idoine oferece toques de cores brilhantes de forma tão consistente que, quando a cor desaparece por um curto período de tempo , você sente profundamente sua ausência.

Revisão de Thor Amor e Trovão

Thor: Amor e Trovão (Disney)



By admin