Fri. Feb 3rd, 2023


Já faz um tempo desde que cobrimos o selo de baixo inclusivo VALE, com sede em Pittsburgh, então um novo leitor pode ser perdoado se não souber de quem estamos falando. Nas palavras de Inigo Montoya, “deixe-me explicar”. VALE, que significa Vários Artistas, Expressão Sem Limites, começou a se destacar na briga das gravadoras de bass music dos EUA quase imediatamente com seus primeiros lançamentos em 2019 e 2020. um veículo para baixistas menos conhecidos e nomes conhecidos como Chrizpy Chriz, Subp Yao e Tom Finster deixaram suas bandeiras esquisitas voarem. Nenhuma obrigação em relação ao estilo do subgênero aqui; na verdade, os lançamentos da VALE gritam “quanto mais estranho, melhor”.

Entre nomes menos conhecidos e familiares é onde encontramos Emjulate, o artista multi-gênero esloveno que está apenas começando, mas já está martelando grandes batidas. Descoberto por Neuropunk depois que ele lançou seu primeiro EP Roborato, A discografia de Emjulate estava se moldando para parecer principalmente neurofunk até que VALE o abordou. o Peste O EP, lançado em agosto deste ano, mostrou as habilidades de Emjulate como produtor de graves profundos, ambos em tempos múltiplos: D&B 140 (nós hesitamos em chamá-lo de dubstep porque é muito profundo, mas tecnicamente é) e intervalo. Techy com uma vibe distópica pesada, Peste tinha muitos fãs, tanto da VALE quanto da Emjulate,

Enquanto canais de drum and bass como Skank & Bass e Data Transmission foram rápidos em pegar as faixas divertidas e crocantes de D&B Peste para as estreias, o intervalo um pouco mais experimental e as faixas pesadas de dubstep pareciam definhar um pouco, então foi uma jogada inteligente fazer um EP de remix e colocar nomes como Subp Yao, Uprising, Klippee e d:enigma no caso. As reformulações da faixa-título de d:enigma, “Petbot” de Subp Yao e “Tinker” de Uprising deram ao EP uma revisão ainda mais experimental.

d:enigma cortou suas hastes até a sujeira, fazendo uma bagunça 174 techno syncopate enquanto Subp Yap desacelerou ainda mais e as tornou mais profundas, se tal coisa for possível (é sempre possível com Subp Yao). Uprising adicionou ainda mais funk a “Tinker”, e quando foi completamente desonesto, colocando uma intensa quebra de guitarra no meio.

Nossa estreia de hoje e a única faixa que ainda não saiu para streaming (valeu VALE!) é o remix do Klippee de “Micro Waves”. O original era profundo e crocante e beirava o salto para cima em termos de batida, mas geralmente suave no sintetizador e no sintetizador de baixo, Klippee fez com que fosse um salto quase real. Ao enfatizar as contagens de um e três e cortar e reorganizar os sintetizadores outrora suaves e senoidais, é uma faixa totalmente nova e quase um gênero totalmente novo. Se DJs e apostadores não reconheciam o potencial de pista de “Micro Waves” antes, certamente o farão agora.

Se você pensou que essas faixas eram estranhas o suficiente no original, você estava errado. Esses mestres do estranho levaram a jornada profunda e sombria de Emjulate para novos lugares. Esta é a razão pela qual alguns dos melhores produtores de baixo continuam voltando para a VALE: essa plataforma de expressão ilimitada certamente mantém esses artistas ilimitados e suas mentes ainda mais ilimitadas engajadas e interessadas.

O cheio Peste O remix EP já está disponível e pode ser adquirido no Beatport e transmitido no Spotify.

By admin