Wed. Dec 8th, 2021


Avaliado por Deborah Klugman

August Wilson’s SETE GUITARRAS ocorre em 1948. O militar afro-americano que lutou na Segunda Guerra Mundial voltou aos Estados Unidos e não encontrou nada mudado. O racismo permeou todos os aspectos da vida civil; então, como agora, um negro não podia andar na rua sem medo de ser molestado ou coisa pior.

Então é isso SETE GUITARRAS‘personagem central, o músico de blues Floyd “Schoolboy” Barton, recebe uma pena de 90 dias de prisão por “vadiagem”, uma acusação apresentada pela polícia local de Pittsburgh, que o abordou quando ele voltava para casa com os bolsos vazios, tendo gasto seu último centavo em flores para o funeral de sua mãe.

Um retrato de grupo de Floyd e seis outras pessoas próximas ou queridas a ele ou ambos, Seven Guitars afirma mais uma vez porque Wilson é aclamado por sua versão caleidoscópica da crônica afro-americana. Dirigido por Gregg T. Daniel, a peça está rodando agora em A Noise Within. Dois anos atrás, ANW produziu Gem of the Ocean, de Wilson, também dirigido por Daniel e endossado por este crítico como “iluminador” e com um “elenco estelar”.

Nesta produção, a imagem de abertura – uma escolha independente da direção – é cativante: Floyd (Desean K. Terry), banhado em luz azul profunda (designer Derrick McDaniel), senta-se no centro do palco, segurando seu violão. Ele toca brevemente antes de o show seguir para a cena de abertura de Wilson, onde os amigos de Floyd se reuniram para seu funeral.

Como em toda a obra de Wilson, o homem negro e sua luta pela dignidade diante do rancor branco permeiam a história, muitas vezes culminando em tragédia, como acontece aqui. Mas – embora Floyd tenha sido alvo de policiais e seja atormentado pelo azar, ele também é seu pior inimigo. Por um lado, ele trocou sua namorada fixa e amorosa, Vera (Cherish Monique Duke) para um caso com outra mulher mais voadora que eventualmente o deixou. Por outro lado, ele falhou em seguir o conselho de seu amigo e colega músico Canewell (DeJuan Christopher) para negociar royalties sobre uma música que ele vendeu para uma gravadora. Agora a música é um sucesso, mas a taxa fixa que ele recebeu por ela foi toda gasta.

A gravadora quer que o Floyd volte a Chicago para assinar um contrato, uma oportunidade de ouro. Floyd quer que Vera vá com ele, assim como Canewell e um baterista, Red Carter (Amir Abdullah). Eles estão relutantes: Vera porque ela já foi traída muitas vezes pelo floyd mulherengo, e pelos homens por vários motivos. Pittsburgh está em casa; Chicago está muito longe.

Os outros personagens neste panteão incluem Louise (Veralyn Jones), vizinha de Vera, uma mulher que valoriza sua pistola como algumas mulheres valorizam seus amantes, e a sobrinha de Louise, Ruby (Sydney A.

Mason) do Alabama, que tem problemas com os homens em casa e parece estar procurando o mesmo em Pittsburgh também. Outro vizinho, Hedley (Kevin Jackson), é um homem mais velho barulhento e loquaz com idéias delirantes sobre seu lugar no universo e uma predileção perigosa por atos enervantes precipitados, como cortar a garganta de um galo por cantar muito alto e com muita frequência.

Jackson, soberbo há dois anos em Gem of the Ocean, investe a mesma dinâmica poderosa no papel do espinhoso Hedley e rouba o máximo de cenas. Jones, que contracenou com ele no papel da tia Ester, de 285 anos, a visionária de Gem, traz uma seriedade semelhante e força vigorosa para sua teimosa Louise. Christopher, como o amigo mais perspicaz de Floyd que está apaixonado por Vera, apresenta uma atuação sólida e segura, assim como Abdullah, uma personalidade contrastante como o elegante mulherengo Red.

Embora Terry retransmita com sucesso a essência do conturbado Floyd, ele é menos carismático aqui do que eu o vi em outros lugares, embora parte disso possa ser seu papel de um homem confuso e conflituoso que toma decisões erradas. Para mim, a longa cena entre Floyd e Vera, onde ele pede perdão, – junto com outras cenas onde eles interagem – pede mais calor. Duke pode ir mais fundo como uma mulher ainda sofrendo de uma rejeição dolorosa. Mason tem uma aura de maturidade que a impede de retratar uma Ruby sedutora acostumada a exibir seus encantos.

O design cênico em tons de terra de Stephanie Kerley Schwartz é um afastamento interessante do naturalismo, mas falha em apoiar o calor e a cor da vida interna dos personagens, tão essenciais para a visão do dramaturgo. A iluminação dos rostos dos performers por McDaniel é inadequada para o público sentado atrás. Os trajes de Mylette Nora são adequadamente de época. O design de som de Jeff Gardner e a música original de Maritri Garrett enriquecem a narrativa.

A Noise Within, 3352 E. Foothill Blvd., Pasadena; Qui-Sáb, 20h Sáb, -Sum, 14h, a 14 de novembro.

Ingressos em https://secure.anoisewithin.org/Online/default.asp

Foto (acima) de Craig Schwartz: Desean K. Terry

By admin