O tema da ação humana em relação aos tabus emerge em várias das obras no Festival Internacional de Teatro dos Heróis de Roma, do Independent Theatre Hungria. Desde 2017, o Independent Theatre Hungary organiza este festival, que é o único festival internacional de teatro cigano da União Europeia, todos os anos. O Independent Theatre Hungary convida companhias e artistas ciganos de muitos países europeus a contribuir. A comunidade cigana é a maior minoria étnica da Europa, com uma estimativa de dez a doze milhões de ciganos em todo o continente. A Agência Europeia de Direitos Fundamentais (FRA) sugere que os Roma continuam a ser privados dos seus direitos humanos básicos na Europa. Com este pano de fundo, um objetivo central do Roma Heroes International Theatre Festival é chamar a atenção para a situação das comunidades ciganas, centrando-se nos desafios das pessoas e dos heróis dramáticos.

O Roma Heroes International Theatre Festival fez a curadoria de uma série de peças que trazem o superpoderes de cada um dos indivíduos que contribuíram para as obras incluídas no festival. Tive o privilégio de entrevistar vários artistas, diretores, dramaturgos, atores e dramaturgos do festival. Por meio dessas entrevistas, percebi que os personagens centrais das peças freqüentemente refletiam sobre suas realidades sociais e muitos superaram as adversidades. Nas obras sempre havia uma certa vulnerabilidade que se transformava em um desfecho positivo. À medida que me preparava para cada entrevista, assistia às peças e as discutia com seus criadores, ficou claro para mim que correr riscos e a resiliência do indivíduo são transformadores. Também ficou claro que o teatro desempenha um papel importante na exploração desses aspectos.

Muitas vezes surge uma tensão entre os conceitos “tradicionais” e “modernos” de como uma pessoa cigana pode ser e como deve agir.

A bravura de cada uma das pessoas envolvidas no festival me fez refletir sobre temas “tabu” em alguns de seus trabalhos. Vários dos atores, dramaturgos, diretores e dramaturgos se inspiraram nas vidas das populações ciganas locais em seus países e comunidades. As equipes artísticas criaram personagens e cenários que iam contra a corrente ou desafiavam as tradições e expectativas dos pais, de sua comunidade ou mesmo da sociedade. As entrevistas também revelaram que existe uma tensão que surge frequentemente entre os conceitos “tradicionais” e “modernos” de como uma pessoa cigana pode ser e como deve agir. Muitas das equipes artísticas queriam homenagear as vozes de suas comunidades e não ditar ou colocar expectativas sobre o resultado teatral final. Em várias entrevistas, é também celebrado o facto de as famílias ciganas poderem escolher e ter o direito de seguir as tradições que lhes parecem adequadas. Aventurar-se em territórios desconhecidos ou talvez disputados apesar das noções de “adequação” ou “tabus” exige muita coragem, e os criativos envolvidos no Roma Heroes International Theatre Festival enfrentaram essas questões de maneira respeitosa. Ao fazer isso, eles exibiram uma bravura semelhante aos super-heróis modernos.

Essas peças ultrapassaram os limites e se aventuraram em um território tabu, mas o fizeram de uma forma que manteve cuidadosamente ideias, histórias e situações delicadas. Por exemplo, Dia da aldeia e Malfeitas– ambos dirigidos por Rodrigó Balogh com Márton Illés como dramaturgo – ousadamente olhou para as experiências de figuras que poderiam ser rotuladas de párias. No entanto, Balogh e Illés optaram por escrever uma história que humanizasse e apresentasse essas perspectivas de um lugar de sobrevivência, incentivando assim a compaixão por esses personagens. Dia da aldeia é um trabalho de gastro-teatro que aconteceu ao ar livre e pediu aos membros do público que partissem o pão juntos e viajassem de uma cena a outra. Durante a peça, encontramos personagens sem escrúpulos, e o tema do empréstimo de dinheiro em relação à comunidade cigana é explorado. O trabalho experimental e seu conteúdo foram extraídos de descobertas acadêmicas sobre empréstimos de dinheiro – um tópico complexo e tabu – e passaram meses na fase de desenvolvimento para garantir que personagens confiáveis ​​surgissem organicamente.

No Malfeitas, como em Dia da aldeia, a ação e a importância de lembrar a humanidade são discutidos, embora tópicos tabu – como dinheiro, doações de sangue, questões de saúde e histórias pessoais de família – sejam explorados.

No Malfeitas vários personagens se encontram em uma enfermaria de hospital e são forçados a interagir, revelando diferenças marcantes enquanto destacam as semelhanças que os unem. O trabalho refletiu sobre a discriminação que os ciganos enfrentam no sistema de saúde na Hungria, que inclui a esterilização de mulheres ciganas, e também se baseou em histórias pessoais reais que surgiram durante a fase de pesquisa e desenvolvimento. A doação de sangue, que também é considerada um tabu dentro da comunidade, foi levada ao palco de forma acessível. Em nossa entrevista, Balogh e Illés refletiram sobre as discussões do público pós-show, mencionando um exemplo de alguém doando sangue diretamente após assistir à peça de teatro. No Malfeitas, como em Dia da aldeia, a ação e a importância de lembrar a humanidade são discutidos, embora tópicos tabu – como dinheiro, doações de sangue, questões de saúde e histórias pessoais de família – sejam explorados.

Passando do contexto húngaro para o italiano, o artista cigano Sebastiano Spinella, cuja família escondeu dele suas origens ciganas, fala sobre sua própria vida em sua peça Filhos do Vento. A obra explora cuidadosamente os tópicos modernos de migrações e crianças que vivem em guetos. Filhos do Vento confronta diretamente os tabus ligados às questões de migração, noções sobre fronteiras – sejam elas físicas ou metafóricas – e como a migração é discutida no discurso público. A peça de Spinella é informada por crianças ciganas que migraram da ex-Iugoslávia e estão residindo em campos na Itália. Seu trabalho reflete sobre o passado, o que permite uma qualidade infantil para comentar as questões contemporâneas que Spinella e os jovens de hoje enfrentam. Não é comum criticar o governo de forma tão aberta ou discutir essas violações dos direitos humanos em relação aos ciganos. Spinella confronta e se baseia em suas experiências em primeira mão para descrever as realidades sociais em que essas famílias vivem e a forma como as autoridades isolaram as famílias da sociedade. Filhos do Vento é uma peça que homenageia a história pessoal de Spinella e luta sem medo para proteger todos os jovens de qualquer sofrimento.

Outra heroína, a atriz Sonia Carmona Tapia, da Espanha, apresenta Dignidade Profunda. Este trabalho surrealista inclui duas vidas paralelas: uma é uma simples mulher cigana e a outra é uma artista cigana de renome mundial. As duas personagens femininas ciganas fortes, ambas interpretadas por Carmona Tapia, estão sofrendo, vivendo em circunstâncias difíceis e navegando em histórias de amor profundamente complexas. A peça leva Carmona Tapia a extremos física, mental e emocionalmente, mas também representa um nível de sofisticação ousada ao comentar politicamente sobre o regime e o comunismo de Francisco Franco. A obra, escrita por Jaime E. Vicent Bohórquez e encenada por Carmona Tapia, atrevidamente oferece ao público uma viagem existencial e comenta tabus atuais e históricos.

Devido a esse cuidado e abordagem diferenciada, a confiança e o respeito pelas histórias dos indivíduos emergiram, e os membros da comunidade abriram e compartilharam histórias íntimas e pessoais.

É importante notar que as peças que trataram de tópicos tabus também passaram muito tempo em uma fase de pesquisa e desenvolvimento. Havia uma equipe de pessoas co-criando cada trabalho, e os artistas deram tempo e espaço para grupos de foco, entrevistas e sessões de planejamento exploratório para direcionar o processo. Devido a esse cuidado e abordagem diferenciada, a confiança e o respeito pelas histórias dos indivíduos emergiram, e os membros da comunidade abriram e compartilharam histórias íntimas e pessoais.

No Dia da aldeia, Malfeitas, Filhos do Vento, e Dignidade Profunda, tópicos tabu são explorados de uma forma muito respeitosa. As maneiras pelas quais as obras artísticas enquadram vários tabus são às vezes gentis e outras vezes diretas e sem remorso. As obras foram executadas por super-heróis ciganos dos dias modernos e usaram o palco para refletir sobre a comunidade cigana, o anti-cigano e outros tópicos fortemente carregados, mas nunca sacrificaram as vozes individuais e o respeito pelos indivíduos. Cada peça lidava com tabus removendo o julgamento e oferecendo ver a questão, situação ou problema de vários ângulos. Ao eliminar formas binárias de ver e oferecer uma conversa inclusiva ou monólogo, esses artistas produziram peças compassivas e respeitosas, facilitando assim uma lente crítica eficaz para contemplar a sociedade e seu povo.

A vontade de explorar tópicos tabu é necessária e com visão de futuro, uma vez que esses tópicos estão inseridos na estrutura da sociedade e de suas comunidades. Quer vejamos o mundo através de uma lente ou de outra, todos temos sangue fluindo em nossas veias. A busca por ser visto, ouvido, respeitado, amado e valorizado é, portanto, necessária. O Roma Heroes International Theatre Festival instiga conversas atenciosas com a curadoria de obras em que os personagens exploram as críticas sociais e as complexas realidades humanas das pessoas. Às vezes, é preciso um super-herói cigano para segurar um espelho para nos lembrar que somos todos humanos.



By admin