Atualmente em exibição no The Breman Jewish Heritage Museum em Atlanta até 15 de janeiro de Choque Cultural: Fotografia de John Gutmann oferece uma oportunidade bem-vinda para avaliar o trabalho de um mestre negligenciado cujo status de estrangeiro nos Estados Unidos na década de 1930 produziu algumas das fotografias mais inovadoras e absorventes do período.

Nascido em Breslau (agora Wroclaw, Polônia) em 1905 em uma família judia secular, Gutmann treinou inicialmente como pintor. Em 1930, buscando aprofundar sua formação, Gutmann chegou a Berlim, uma cidade onde os movimentos artísticos mais recentes, como dadaísmo, construtivismo, futurismo e a florescente Neue Sachlichkeit (Nova Objetividade), todos passaram como moeda comum.

Museu de Breman
A “Garagem do Elevador” de Gutmann — o fotógrafo ficou fascinado com o amor dos Estados Unidos pelo automóvel.

Esse clima marcaria indelevelmente o trabalho de Gutmann, mesmo quando ele foi forçado a abandonar uma carreira profissional como pintor e professor de arte sob a Lei de Restauração de Serviços Profissionais de 1933 dos nazistas, negando emprego a todos os não arianos.

Com sua carreira artística profissional destruída pelos nazistas, Gutmann voltou-se, por pura necessidade, para a fotografia. Ao comprar uma câmera Rolleiflex, ele leu as instruções, tirou três rolos de fotos de teste e conseguiu um contrato como correspondente estrangeiro com uma agência com sede na Europa. Ele então partiu para a América, chegando a São Francisco em 1º de janeiro de 1934.

O status de estranho de Gutmann em seu país adotivo, combinado com sua imersão no modernismo de Weimar, ajudou a moldar o que logo se tornaria uma carreira surpreendentemente única como fotógrafo.

Foi tão inovador e cativante quanto o de figuras mais conhecidas, como Walker Evans, Berenice Abbott, Robert Frank e Garry Winogrand, fotógrafos cujo trabalho Gutmann frequentemente se compara e antecipa.

Organizada em torno de temas como cultura automobilística, sinalização, retratos, nas ruas e sinais de alerta, a exposição de Breman dá uma forte noção da variedade da produção de Gutmann, ao mesmo tempo em que captura sua abordagem quase antropológica de seu assunto. (Ele mesmo organizou suas fotografias sob classificações como “Documentos da rua”.) E desses vários motivos, talvez nenhum seja mais importante para Gutmann do que seu fascínio pela cultura automobilística americana, a seção que a exposição de Breman lidera.

Chegando aos Estados Unidos, Gutmann ficou quase imediatamente impressionado com o que chamou de “enorme, quase erótica relação entre o americano e seu automóvel”. Suas fotografias da cultura automobilística americana – drive-ins, outdoors de concessionárias, automóveis e cenas de rua – funcionam como estudos da cultura da mercadoria. Transporte Automóvel, Chicago (1936), por exemplo, apresenta um porta-automóveis, um fenômeno que Gutmann disse ter achado quase absurdo.

O tamanho dos carros americanos, inédito na Europa, também o intrigava. A imagem humorística, quase sexual, no centro da foto de um carro montado em cima do outro revela o fascínio de Gutmann pela opulência americana mesmo em tempos de desastre econômico, uma tendência que o diferencia de fotógrafos contemporâneos como Evans ou Dorothea Lange. Os fios telefônicos cruzados, os cabos dos bondes e as placas anunciando “para alugar”, “drogas” e “Loop Theater” capturam o fascínio da época pela velocidade, mobilidade e transitoriedade.

Esses motivos ecoam em outra imagem espetacular da seção de sinalização da exposição, uma foto intitulada Altar Americano (1936), em que o slogan repetido do outdoor “Switch to Dodge” sinaliza (assim como o título da foto) a fetichização do automóvel pela modernidade e a necessidade de estar atualizado.

Além de capturar a velocidade e a riqueza da sociedade de consumo, as fotos de Gutmann dos anos 30 e 40 auguram não apenas o descontentamento e o isolamento que passamos a associar à cultura do consumo, mas também alguns temas mais sombrios.

Museu de Breman
O “Omen” de Gutmann (1934) foi um sinistro presságio da Segunda Guerra Mundial.

Da Torre Norte da Ponte Golden Gate (1947) oferece uma foto de tirar o fôlego do alto da famosa ponte, com cabos de sustentação cortando diagonalmente o lado esquerdo do quadro. Os minúsculos carros que passam na rua lá embaixo, ofuscados pela arquitetura impressionante e pelo ângulo de câmera expressionista e vertiginoso, parecem evocar uma sensação de anonimato e isolamento.

De forma similar, Ação de Graças, Camp Roberts (1942) retrata um mar hipnotizante de pessoas, à medida que o indivíduo dá lugar ao que o contemporâneo de Gutmann, o crítico cultural de Weimar, Siegfried Kracauer, chamou de ornamento de massa, um desenvolvimento sinistro para aqueles sensíveis às suas implicações.

O interesse de Gutmann pela ascensão do fascismo fica explícito na seção da exposição dedicada aos Warning Signs, fotos que retratam a guerra que se aproxima e refletem sobre o próprio flerte dos Estados Unidos com a violência e o fascismo. Dentro Presságio (1934), por exemplo, três aviões voam em silhueta contra um céu cinzento com um grupo de cinco figuras, também em silhueta, observando de baixo.

O mais assombroso de tudo é que sua foto de 1935 de um comício nazista organizado pelo consulado alemão na prefeitura de São Francisco mostra a bandeira americana exibida ao lado da suástica nazista, a grandeza do interior evocando o tipo de espaços neoclássicos projetados por Albert Speer e apresentados de maneira tão destaque na obra de Leni Riefenstahl triunfo da vontade.

Gutmann disse uma vez: “Quero que minhas fotos sejam lidas e exploradas”. A exibição atual do Breman oferece uma oportunidade maravilhosa de fazer exatamente isso, de se envolver com um mestre subestimado. Sua profunda apreciação da arte moderna e seu status de estranho e imparcial o colocam entre os praticantes mais familiares, como Henri Cartier-Bresson, André Kertész, Berenice Abbott e Robert Frank.

::

Robert Stalker é um escritor freelance baseado em Atlanta que cobre arte moderna e contemporânea.



By admin