Mon. Aug 15th, 2022



(Nota: Esta resenha contém alguns spoilers muito inevitáveis!) Tem havido um ar de mistério em torno de Isso não é quem eu sou desde que Royal Court o anunciou pela primeira vez. Até mesmo colecionar o playtext pré-show contribui para isso; é entregue em um envelope de papel pardo, marcado como Confidencial, com instruções estritas para que NÃO seja aberto até depois do show. A questão é, porém, a peça estaria à altura disso? Desde os momentos iniciais, quando um aviso de isenção de responsabilidade é projetado na cortina de segurança avisando que a peça que estamos prestes a ver não é a anunciada, somos jogados lindamente para fora…

Avaliação



Excelente

Uma peça que não é nada do que parece à primeira vista. Desde o anúncio oficial de abertura até o encerramento da disputa, deixa mais perguntas do que respostas, que vão emocionar quem gosta de um bom debate depois.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

(Nota: Esta resenha contém alguns spoilers muito inevitáveis!)

Houve um ar de mistério em torno Isso não é quem eu sou desde corte Real anunciou pela primeira vez. Até mesmo colecionar o playtext pré-show contribui para isso; é entregue em um envelope de papel pardo, marcado Confidencial, com instruções estritas para que NÃO seja aberto até depois do show. A questão é, porém, a peça estaria à altura disso?

Desde os momentos iniciais, quando um aviso de isenção de responsabilidade é projetado na cortina de segurança nos avisando que a peça que estamos prestes a ver não é a anunciada, ficamos maravilhosamente desequilibrados. Mesmo o título falso é um maravilhoso arenque vermelho. O jogo real é de fato chamado Êxtase.

Abrindo a torção fora do caminho, o jogo real emerge. Noé e Celeste (Jake Davies e Siena Kelly) são organizados por um jornal para ir a um encontro. Por quê? Nunca é esclarecido. Mas então há muitas coisas nunca totalmente explicadas. Porque esta é uma peça sobre teóricos da conspiração. Há indícios disso na conversa de abertura; ela menciona chemtrails, ele explica por que o 11 de setembro não soa verdadeiro. Mas é tudo muito casual, sem nenhum indício de como suas vidas vão se aprofundar nas tocas de coelho de todas as diferentes conspirações que ouvimos quase diariamente. Com tanto barulho, como sabemos em que acreditar?

Contra este pano de fundo entra Lucy (Priyanga Burford), o dramaturgo ‘real’ e narrador que tudo vê. De forma inteligente, dá uma sensação de um documentário, ou mesmo de um filme de found footage. Mais mistério é adicionado quando ela explica o que sua pesquisa para a peça revelou: por que o Ministério do Interior não está feliz com seu trabalho, por que eles tiveram que escondê-lo atrás do nome falso e do dramaturgo.

Como seria de esperar com o Royal Court, a encenação é impressionante. Naomi Dawsongira 360 graus para revelar os diferentes cômodos de sua casa. Até o set e a rotação parecem deliberados, permitindo-nos ver os contra-regra trabalhando, como se quisessem que tudo fosse totalmente transparente; deixando nada para permitir que as pessoas digam que fomos enganados.

Há muitos buracos na trama: por que um casal normal seria monitorado tão cedo, inconsistências com seu bebê (seria mesmo real?), um aspecto religioso repentino que não é mencionado novamente. No entanto, quase parece que esses ‘erros’ são intencionais, nos dando motivos para separar tudo. Como qualquer bom conspirador lhe dirá, é assim que os responsáveis ​​operam: eles querem deixá-lo confuso e incerto sobre tudo.

E a maior questão de todas, qual é a grande conspiração deles? Aqueles discutidos podem ser encontrados todos os dias no Twitter. Não há nada que explique por que, na opinião de Lucy, eles são monitorados pelos serviços de segurança. No entanto, tudo parece estranhamente plausível, talvez porque saibamos que o governo mente para nós diariamente.

O show certamente trilha uma linha tênue entre ser muito inteligente ou irritantemente presunçoso. Há uma questão de por que os nomes falsos são estritamente necessários: a peça resistiria ao escrutínio mesmo que o título e o autor reais fossem revelados desde o primeiro dia.

Mas para aqueles que pensam que fica apenas no lado inteligente, consegue ser uma peça de teatro incrivelmente interessante, sobre a qual você pensará e falará muito tempo depois. Mesmo o final falso é outra reviravolta adorável e inesperada, ou talvez as reviravoltas sejam mais precisas. É uma peça que provavelmente dividirá opiniões, mas minha impressão é que é um ótimo trabalho.

“Eu não posso dizer se você está inventando isso” Celeste diz a Noah durante o primeiro encontro. E talvez todo o propósito desta peça possa ser condensado nessa linha – no que devemos acreditar? Ou talvez, em QUEM devemos acreditar?

Escrito por: Lucy Kirkwood
Direção: Lucy Morrison
Cenografia por: Naomi Dawson
Design de som por: Peter Rice
Design de vídeo por: Gino Ricardo Green
Produzido por: Royal Court Theatre



By admin