Mon. May 23rd, 2022



Em um mundo alternativo onde eu tenho muito mais dinheiro, eu compraria uma casa em Barnes. É uma parte idílica do oeste de Londres, ao longo do rio da movimentada Hammersmith, mas com uma sensação de vilarejo, completo com lago de patos. É ao redor deste lago que passei, depois de um delicioso jantar de pub no The Sun Inn, até o OSO Arts Centre. Um pequeno bar, aberto uma hora antes do show começar, parece um local amigável para saborear uma bebida antes do show. God of Carnage é um show doloroso. É dolorosamente engraçado, preciso e constrangedor. Conhecemos Veronique (Rosie Edwards) e…

Avaliação



Excelente

Um mergulho deliciosamente estranho no que acontece quando os pais discordam, com um elenco brilhante executando perfeitamente o roteiro indutor de arrepios.

Avaliação do utilizador: 4,85 ( 1 votos)

Em um mundo alternativo onde eu tenho muito mais dinheiro, eu compraria uma casa em Barnes. É uma parte idílica do oeste de Londres, ao longo do rio da movimentada Hammersmith, mas com uma sensação de vilarejo, completo com lago de patos. É ao redor desta lagoa que passei, depois de um delicioso jantar de pub no The Sun Inn, até o Centro de Artes OSO. Um pequeno bar, aberto uma hora antes do show começar, parece um local amigável para saborear uma bebida antes do show.

Deus da Carnificina é um show doloroso. É dolorosamente engraçado, preciso e constrangedor. Conhecemos a Veronique (Rosie Edwards) e Michel (Lucas Mazzamuto) em sua casa francesa. Eles convidaram outros pais Alain (Malcolm Jeffries) e Anete (Emily Outred) para discutir um incidente entre seus filhos na escola. A conversa começa bastante civilizada, enquanto eles tentam apurar os fatos e a melhor forma de resolver essa questão delicada. Mas tudo logo se transforma em uma farsa.

Este é um show muito engraçado, o tipo de humor que faz você suspirar, rir e ocasionalmente gargalhar. Yasmina RezaO roteiro de é uma aula de comédia observacional, capturando perfeitamente a estranheza da situação que se desenrola. O humor físico e as reações do elenco são igualmente brilhantes, mas cuidado, se na primeira fila você encontrar o conteúdo de uma bolsa, ou pior, espalhado em seus pés quando a tensão começar a transbordar. O tamanho do local contribui para o brilho estranho da peça, personagens sentados a apenas um metro de distância, mas alheios ao público. No entanto, como membro da platéia, oferece a oportunidade de rir em uma situação em que rir seria a pior coisa possível que você poderia fazer.

O elenco é todo impecável, eles carregam a peça com tanta energia e emoção crua que você realmente sente como se fossem seus próprios conhecidos e você está tendo uma tarde particularmente assustadora. Seja o trabalho constante de Alain no celular ou o pânico absoluto de Veronique quando seus preciosos livros de arte são destruídos por algum vômito desonesto (sim, eu avisei sobre sentar na primeira fila), a dinâmica é deliciosamente estranha e crível.

Em termos de cenário, as coisas são mantidas simples, e do ângulo do meu assento a maior parte do cenário não é bem visível. Adereços são usados ​​com eficácia, como o Clafoutis que é o orgulho e a alegria de Veronique (o segredo são as migalhas de gengibre) e as tulipas, trazidas especialmente para a ocasião, que acabam por todo o chão à medida que a tensão aumenta. Esta peça não precisa de design ou efeitos extravagantes para fazê-la funcionar, é o roteiro e o elenco que carregam a performance e a tornam tão agradável de assistir. Se você está em dúvida sobre ter filhos, isso pode apenas colocá-lo no grupo do “não, obrigado”, enquanto você pondera sobre os relacionamentos conturbados que muitos grupos de pais devem ter quando seus filhos brigam. Por trás de todas as risadas há uma verdade desagradável para Deus da Carnificina, não é um grande esforço de imaginação acreditar que por trás dessas portas idílicas em Barnes, os pais se encontram em desacordo, jogando tulipas um para o outro.

Escrito por: Yasmina Reza
Traduzido por: Christopher Hampton
Direção: Jason Moore
Produção: OSO Arts Center e OnBook Theatre

God Of Carnage toca no OSO Arts Center até 26 de fevereiro. Mais informações sobre esta produção e outros trabalhos do OnBook Theatre podem ser encontradas em seu site aqui.



By admin