Wed. Aug 17th, 2022



Depois de descobrir se essa peça se pronunciava como Ev-elyn ou Eve-lyn (acontece que é Eve-lyn), fiquei extremamente empolgado para me sentar para assisti-la no Southwark Playhouse. Este é um local novo para mim que provou ser um espaço bonito e adaptável para o teatro intimista e focado no movimento. A encenação permite que Evelyn retrate uma história intensa – inspirada em fatos reais – de forma inventiva, narrada pelos personagens do espetáculo de marionetes à beira-mar Punch e Judy. A produção começa com um prólogo quase arrepiante, apresentado por esse tradicional entretenimento infantil. A dicotomia entre sua aparente atmosfera de férias despreocupada e…

Avaliação



Bom

Uma peça de teatro instigante e inventiva que destaca com excelência a questão relevante e complexa da justiça popular e julgamento pela opinião pública.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Depois de descobrir se essa peça se pronunciava como Ev-elyn ou Eve-lyn (acontece que é Eve-lyn), fiquei extremamente empolgado para me sentar para assisti-la no Southwark Playhouse. Este é um local novo para mim que provou ser um espaço bonito e adaptável para o teatro intimista e focado no movimento. A encenação permite Evelyn para retratar uma história intensa – inspirada em fatos reais – de forma inventiva, narrada pelos personagens do teatro de marionetes à beira-mar Punch e Judy.

A produção começa com um prólogo quase arrepiante, apresentado por esse tradicional entretenimento infantil. A dicotomia entre sua aparente atmosfera de férias despreocupada e a história inquietante que eles contam é agravada ainda mais pelas máscaras usadas pelo elenco, à medida que a humanidade é suprimida e os indivíduos se tornam uma multidão sem rosto. Além disso, a música de fundo usada para definir a cena é tocada por Michael Crean vestido de carrasco: uma metáfora interessante para personagens da peça atuando como juiz, júri e carrasco. O movimento e a coreografia empregados da mesma forma ressaltam a intensidade enervante desta cena de abertura.

A narrativa fala de Evelyn Mills, uma mulher presa por fornecer um álibi falso para seu parceiro em um processo judicial de assassinato de criança. Os eventos do caso em si são descritos por Punch e Judy; essa abstração do conto em uma forma não humana, aumentando ainda mais a natureza arrepiante da narração. Após três anos de prisão, Mills recebe uma nova identidade e é enviado para uma pequena cidade litorânea para começar uma nova vida. Os moradores começam a ficar desconfiados e o restante da peça alterna entre a narração de Punch e Judy e cenas realistas ambientadas na cidade. Questiona o conceito de justiça popular e julgamento pela opinião pública, usando efeitos digitais dramáticos, som e iluminação para demonstrar o impacto que a mídia social tem na disseminação de desinformação e opiniões entre os habitantes da cidade. A questão essencial é: Evelyn pode começar uma nova vida ou ela é inerentemente uma pessoa má? Questionamos se sua mentira pode ser justificada e se os moradores da cidade são razoáveis ​​em persegui-la.

O roteiro alterna habilmente entre narração e performance, com o pequeno elenco de quatro e um quinto ator-músico criando uma atmosfera íntima e tensa. Há atuações emocionantes e intensas de todos os envolvidos: Nicola Harrison como a quieta e misteriosa Sandra, Rula Lenska como sua determinada e às vezes vulnerável amiga Jeanne e Offue Okegbe como o pé-no-chão Kevin. Yvette Boakye como a franca, Laura é honesta e envolvente, particularmente no segundo ato, à medida que a peça e sua performance crescem em intensidade.

A utilização do espaço é simples, mas eficaz e a escolha do figurino para a equipe de palco é particularmente útil na montagem da cena, mergulhando o público totalmente no ambiente à beira-mar, facilitando as mudanças de cena. A música cobre essas transições suavemente, permitindo que o público permaneça envolvido.

Embora esse programa tenha me deixado intrigado e provocado questões morais e éticas interessantes, senti que alguns pontos-chave da trama poderiam ter sido estabelecidos com mais clareza. Grande parte da peça permite intriga e suspense, mas há momentos de verdadeira confusão. Dito isto, esta é uma peça de teatro instigante e inventiva que destaca de forma excelente a questão relevante e complexa da justiça popular e julgamento pela opinião pública.

Direção: Madelaine Moore
Escrito por: Tom Ratcliffe
Produção: George Warren e Simon Paris
Composição/Design de som por: Michael Crean
Cenário por: TK Hay
Direção de Movimento: Temitope Ajose-Cutting
Figurinos por: Trynity Silk
Design de iluminação por: Rachel Sampley

Evelyn joga no Southwark Playhouse até 16 de julho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin