Thu. May 26th, 2022


Neste futuro, existe algo chamado “techno sapien”. Imagine o desenvolvimento lógico de tecnologia como Alexa para uma forma androide, um companheiro que pode ajudar em casa, aprender novos hábitos e até mesmo fornecer um vínculo para seu filho adotivo com sua cultura. Essa era a esperança dos pais Jake (Colin Farrell) e Kyra (Jodie Turner-Smith) quando compraram Yang (Justin H. Min), mais do que apenas uma babá da jovem Mika (Malea Emma Tjandrawidjaja). Yang tornou-se parte da família. E então Yang quebrou.

Jake encoraja o Mika de coração partido que ele pode encontrar a pessoa para reparar o Yang que não responde, mas Jake o comprou reformado em vez de novo, então a garantia e até mesmo o vendedor original não são tão fáceis de rastrear. Isso o leva a um revendedor de peças subterrâneo que basicamente remove um banco de memória de Yang. Os designers estavam testando uma tecnologia em que os andróides podiam gravar alguns segundos de cada vez, o que considerassem importante. Jake assiste a algumas dessas memórias, muitas das quais se desdobram como montagens que me lembram as memórias de “A Árvore da Vida” – um belo momento com Mika, algo lindo na mãe natureza, uma frase de efeito, etc. O impacto dessas sequências é inesquecível se você realmente considerar o que está acontecendo. Imagine ser capaz de olhar através dos olhos e das memórias de alguém que você perdeu. O que eles consideraram importante o suficiente para registrar? O que importava para eles? Como eles viam você e a si mesmos? Enquanto Jake se esforça para salvar Yang, ele descobre o quanto ele não sabia sobre ele, incluindo um relacionamento com uma garota chamada Ada (Haley Lu Richardson), que tem uma história surpreendente.

Há também flashbacks de momentos-chave da vida de Yang com a família. Kogonada brinca com a proporção, usando três para delinear as perspectivas. Em uma das memórias cruciais de Jake, Yang está perguntando a seu dono/pai como ele entrou no negócio de vender chá. Jake diz a ele que não gosta nem do sabor, mas da experiência — a imersão, o cheiro, o processo. Yang conhece todos os fatos que há para saber sobre a história do chá, mas ele não pode ser programado com o que realmente interessa a Jake sobre isso. E Kogonada expande essa qualidade tátil ao longo do filme. É um filme de ficção científica que está mais interessado na mãe natureza do que na tecnologia. “After Yang” tem um cheiro e uma textura raros em qualquer gênero, mas especialmente na ficção científica. Isso me lembrou o trabalho de Andrei Tarkovsky dessa maneira.

By admin