Fri. Oct 7th, 2022



Desculpe, não morremos no mar é a primeira tradução para o inglês de Scusate Se Non Siamo Morti de Emanuele Aldrovandi em Mare. Em algum momento no futuro, a Europa caiu. O Burly One (Felix Garcia Guyer) é um contrabandista de pessoas que leva refugiados da Europa para um destino desconhecido. Quando começamos, três refugiados anônimos e arquetípicos – O Atarracado (Marco Young), O Alto (Will Bishop) e A Bela (Yasmine Haller) – pagam ao Corpulento para ser carregado no contêiner que será seu lar. pela viagem marítima. Junto com as sementes do conflito, vemos o…

Avaliação



Excelente

O roteiro de Aldrovandi é ambicioso, sombriamente engraçado e absurdo. Deixa-nos com uma noite extremamente memorável.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Desculpe, não morremos no mar é a primeira tradução inglesa de Emanuele Aldrovandide Scusate Se Non Siamo Morti em Mare. Em algum momento no futuro, a Europa caiu. O Corpulento (Félix Garcia Guyer) é um traficante de pessoas que transporta refugiados da Europa para um destino desconhecido. Quando começamos, três refugiados sem nome, arquetípicos – O Atarracado (Marco Young), O Alto (Will Bispo) e A Bela (Yasmine Haller) – pagam ao The Burly One para ser carregado no contêiner que será sua casa durante a viagem marítima. Junto com as sementes do conflito, vemos dicas sobre o passado de cada personagem – ou talvez esse seja o pano de fundo que eles desejam que vejamos.

À medida que os refugiados entram no contêiner, as luzes se apagam e o corpulento dá um passo à frente. Ele agora parece ser um narrador externo que dá uma voz sobre contêineres, sua história e suas dimensões, além de outros detalhes. Ele tem um interesse claro e forte nisso e está animado para falar sobre contêineres. Esta é a primeira dica de que podemos não estar vendo uma peça direta. Depois de sua voz um pouco surreal e absurda, ele senta na primeira fila, mas de vez em quando aparece – ao lado para nos contar uma receita! É muito engraçado para o público, mas quando ele volta para os contêineres, os refugiados ficam aterrorizados com ele. É um contraste fascinante; direção impactante de Daniel Emery.

O cenário é um espaço vazio e preto com apenas bolsas como adereços. A narração sobre os contêineres não pode deixar de chamar a atenção para o fato de que o conjunto não corresponde às dimensões que acabamos de ouvir. O palco é muito grande; há muito espaço para se movimentar, o que diminui um pouco a claustrofobia pretendida. Talvez até mesmo um contorno de giz de um recipiente para ajudar a mostrar os limites espaciais teria sido útil.

Os elementos de narração absurdos são realmente impressionantes. Cada narração, e a mudança de encenação delas à medida que o show continua, é excelente. O roteiro e a performance se unem para aumentar a tensão. Guyer rouba a cena mais de uma vez à medida que sua entrega fica mais intensa. A certa altura, ele informa à plateia quase ameaçadoramente que “os instrumentos usados ​​para medir o tempo são chamados de relógios”. Sua excitação em relação a tudo o que ele fala é palpável e, à medida que ele parece cada vez mais perturbado, nossa diversão se transforma em risadas nervosas. Eu tenho que admitir, havia um nível extra de tensão e intensidade em sua narração de um assento na primeira fila a menos de um metro de distância.

O resto do elenco é igualmente bom: o multi-talentoso Young também é o tradutor desta peça do original italiano; Haller e Bishop se saem bem ao alternar entre seus personagens, do conflito para a aliança, de volta para o conflito e no compartilhamento de seus motivos e histórias de fundo – mesmo quando eles se desviam entre a verdade e a ficção.

O roteiro de Aldrovandi é ambicioso, sombriamente engraçado e absurdo. Para um show de 65 minutos, há muita coisa acumulada. Após o naufrágio, o conflito entre os personagens aumenta efetivamente. Enquanto algumas das batidas da história podem ser esperadas (particularmente à luz dos avisos de conteúdo), o próprio final se baseia e expande o absurdo da narração para nos deixar com uma noite extremamente memorável.

Escrito por: Emanuele Aldrovandi
Direção: Daniel Emery
Traduzido por: Marco Young

Sorry We Didn’t Die at Sea toca no Seven Dials Playhouse até 16 de julho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin