Fri. Oct 7th, 2022



Para muitos de nós, o valor do tempo gasto na natureza não era apreciado até a chegada da pandemia de Covid. De repente, famílias em todos os lugares estavam procurando espaços verdes e se beneficiando do tempo ao ar livre, vendo-o de forma diferente. Agora que estamos liberados dos bloqueios, é particularmente oportuno que no Unicorn Theatre Marvin’s Binóculos seja revivido de sua forma de transmissão em meio à pandemia para o grande palco, ainda oferecendo maneiras de ver a vida através de novas lentes. O show conta a história de Marvin (Daniel Braimah), que recebe alguns binóculos e se delicia em usá-los para descobrir sua área local. Ele faz um novo amigo…

Avaliação



Bom

Uma produção dinâmica, otimista, com um ótimo elenco e mensagens importantes. No entanto, pode ter exagerado um pouco ao passar da tela pequena para o palco e pode se beneficiar de alguns momentos de foco.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Para muitos de nós, o valor do tempo gasto na natureza não era apreciado até a chegada da pandemia de Covid. De repente, famílias em todos os lugares estavam procurando espaços verdes e se beneficiando do tempo ao ar livre, vendo-o de forma diferente. Agora que estamos livres de bloqueios, é particularmente oportuno que no Teatro Unicórnio Binóculos de Marvin é revivido de sua forma de transmissão em meio à pandemia para o grande palco, ainda oferecendo maneiras de ver a vida através de novas lentes.

O espetáculo conta a história de Marvin (Daniel Braimah), que recebe alguns binóculos e se delicia em usá-los para descobrir sua região. Ele faz uma nova amiga Sita (Rosa Maria Cristiano) e sua amizade também permite que ele explore o mundo e a cultura dela. Mais importante, ele aprende que não há problema em ser diferente e ser a melhor pessoa que você é, não importa como os outros se comportem.

Sob direção precisa de Hannah Quigley, esta é uma peça de narrativa cuidadosamente ritmada. O show começa com uma longa narrativa apresentando Marvin e Sita, onde aprendemos como seu interesse pelo mundo natural foi iniciado por sua avó e que prenuncia eventos futuros. Braimah e Christian trazem energia juvenil como as crianças, e seus personagens são alegremente reconhecíveis e agradáveis. Houve um ponto, após essa longa introdução, em que de repente um grande número de espectadores se levantou para ir ao banheiro, e eu admito que pensei que o show os havia perdido. Mas então um ponto de trama cuidadosamente cronometrado mostrou Marvin deixar seus binóculos para trás e de repente, KAPOW! – a energia girava em torno de 180 graus, e todo o lugar saltava, torcendo audivelmente para Marvin recuperá-los. O público foi fisgado pelo resto da produção.

O encontro de Marvin com o malvado Diretor (Marie Blount) funciona de forma realmente eficaz, envolvendo o público no divertido desafio de seu ‘teste’. Mas, o mais importante, também os torna cientes de que ele está sendo submetido ao racismo sistêmico, onde “garotos como você” não deveriam ter coisas boas e são considerados ladrões e mentirosos. A mensagem é clara de que isso não está certo. Foi muito empoderador para o público estar torcendo por ele, pois ele não apenas enfrenta o Diretor, mas também faz algo de bom para ela, presenteando seu lindo desenho, porque esse é o tipo de garoto que ele é.

O cenário colorido é ousado e vibrante, mas no contexto de foco, que a peça exige tanto como atenção plena quanto comportamento de observação, parece um pouco exagerado. Existem alguns momentos em que a iluminação atrai partes do palco, adicionando ênfase a pontos específicos da trama, e seria bom ver mais disso, destacando momentos de descoberta. Além disso, o equilíbrio entre os mundos urbanos e naturais berrantes pode se beneficiar de alguma suavidade nas cenas ao ar livre.

Marvin é um completo nerd da natureza, mas seu diálogo às vezes é excessivamente educativo: você quase pode imaginar o Pacote do Professor sendo escrito ao lado dele. A versão online animou lindamente algumas das criaturas, e talvez uma abordagem semelhante no palco possa iluminar seu birdpotting, permitindo que o público imagine o que ele está descrevendo e talvez experimente como projeções.

Dito isto, esta é uma produção divertida com um elenco dinâmico que abrange temas importantes. Isso demonstra que não há problema em ser diferente e nos encoraja a focar nas coisas importantes. Oferece mecanismos de enfrentamento para o estresse e a perda, ressalta a importância da família e da memória e mostra que, se dedicarmos tempo para interagir abertamente uns com os outros, podemos aproveitar os benefícios. Não há necessidade de binóculos para ver que vale a pena dar uma olhada!

Escrito por: Justin Audibert
Baseado em uma ideia original de: Samuel Wyer e Justin Audibert
Direção: Hannah Quigley
Design de som e música por: Mike Winship
Projeto de iluminação por: Simeon Miller
Design Associado por: Constance Canavarro
Movimento por: Lucy Cullingford
Voz de: Joel Trill
Direção de luta por: Bethan Clarke

Marvin’s Binoculars está em cartaz no Unicorn Theatre até 3 de julho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin