Thu. May 26th, 2022



Southwark Playhouse é realmente um dos meus locais favoritos em Londres. Este glorioso teatro, localizado entre Borough e Elephant and Castle, apresentou algumas produções incríveis ao longo dos anos e raramente decepciona. Então, é com o coração pesado que escrevo esta resenha, pois sua produção atual de The Woods, de David Mamet, é muito insatisfatória e, no final, não foi difícil descobrir por que não é apresentada no Reino Unido há 21 anos. Mamet é o glorioso dramaturgo que nos deu preciosidades teatrais como Oleanna, Glengarry Glen Ross e Speed ​​the Plow, então devo admitir que fiquei intrigado em…

Avaliação



Pobre

Uma ‘batalha dos sexos’ confusa e complicada de 80 minutos que não tinha brilho e propósito.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Teatro de Southwark realmente é um dos meus locais de franja favoritos em Londres. Este glorioso teatro, localizado entre Borough e Elephant and Castle, apresentou algumas produções incríveis ao longo dos anos e raramente decepciona. Então, é com o coração pesado que escrevo esta resenha, pois sua produção atual de David Mametde O bosque é muito insatisfatório e, no final, não foi difícil descobrir por que não é realizado no Reino Unido há 21 anos.

Mamet é o glorioso dramaturgo que nos deu joias teatrais como Oleanna, Glengarry Glen Ross e Acelere o arado, então devo admitir que fiquei intrigado ao ver O bosque, como eu realmente nunca tinha ouvido falar. Situado em uma cabana remota no meio da floresta, a peça se concentra no casal sitiado Nick e Ruth, que vêm para a cabana para um fim de semana fora. Parece bastante simples no início, mas em poucos minutos você sente que tudo não é exatamente o que parece. Como premissa, eu estava em cima disso: eu amo angústia escondida, alto drama e muita tensão. Mas essa produção nunca atingiu o ponto certo para mim, e achei a peça geral bastante fraca.

Mais de 80 minutos, o casal leva seu relacionamento ao ponto de ruptura através de uma série de lembranças perdidas e brigas violentas, apenas para redescobrir sua profunda e atormentada necessidade um pelo outro. O constante yin e yang de brigas e reconciliações tornou-se previsível depois de um tempo, o que pode explicar por que os membros da platéia de cada lado de mim checavam seus telefones a cada cinco minutos. Houve alguns ótimos momentos-chave, um envolvendo um remo batendo na cabeça e o outro um afogamento, onde senti que a peça poderia ter se transformado em uma adaptação teatral maravilhosamente horrível do clássico de terror. Eden Lake ou ouso dizer A cabana na floresta, mas infelizmente isso nunca aconteceu. O roteiro de Mamet é incrível, mas com monólogos sobre vovós supersexuais e marcianos, saí do teatro perplexo e decepcionado, assim como fiz quando vi seu trabalho mais recente Trigo amargocom John Malkovich, em 2019.

Francesca Carpanini como Ruth, fazendo sua estréia no Reino Unido nesta produção, é excelente e realmente segurou o show para mim. Achei seu retrato cativante e irritantemente carente em igual medida. Sua cena ao lado do tronco da árvore salpicada de sangue – habilmente colocada pelo cenógrafo Antônio Lamble entre a platéia – era bastante coisa, mas eu queria mais. Sam Frenchum como Nick era bom, mas ele nunca se destacou e às vezes estava agindo por números. Acho que meu principal problema com essa produção é que houve uma séria desconexão para mim e eu simplesmente não me importei com esse pobre casal, que claramente tem alguns problemas sérios e demônios. Ao contrário de Phillip Ridley Napalm macio ou mesmo Noel Coward Vidas privadasonde você acredita na emoção e quer que os casais sobrevivam, em O bosque Eu simplesmente não me importei o suficiente.

Eu encontrei a direção por Russel Bolam um pouco desarticulada e o constante ‘brigar, reconciliar, brigar, reconciliar, ah não, espera outra briga, e só mais uma reconciliação’ tão monótona que a peça se tornou desinteressante e eu, junto com aquelas pessoas checando seus telefones, mal podia esperar para saia da floresta e entre no bar. Os momentos-chave subindo um degrau, ou dois, realmente poderiam ter ajudado a cobrir as cenas mais fracas.

Em suma, uma produção decepcionante, eu temo. Para citar o assustadoramente assustador Teddy Bears Picnic “Se você descer na floresta hoje, com certeza terá uma grande surpresa…”

Escrito por: David Mamet
Direção: Russel Bolam
Cenário/ Figurino por: Anthony Lamble
Projeto de iluminação por: Bethany Gupwell
Produção: Danielle Tarento

The Woods está no Southwark Playhouse até 26 de março. Mais informações e reservas através do link abaixo.



By admin