Sun. Sep 25th, 2022



Ao contrário do título da peça, o espaço íntimo de Park90 é tudo, menos ainda durante a duração de The Still Room, de Sally Rogers. Um roteiro rápido e espirituoso com performances que evocam risos e lágrimas de seu público, o auditório vibra desde as primeiras batidas de ‘Oops Up Side Your Head’ até o momento em que o elenco de seis dança fora do palco após suas reverências.  É 1981 e Janice (Kate James) é uma jovem garçonete em um hotel de Manchester, ansiosa para fazer “grandes coisas” – mas sem ideia de como. Ela está presa em sua cidade natal por seu gênero, educação e classe, esperando…

Avaliação



Excelente

Uma peça recheada de comédia, referências dos anos 80 e a paixão das jovens.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Ao contrário do título da peça, o espaço íntimo de Parque90 é tudo menos ainda pela duração de Sally RogersA Sala Silenciosa. Um roteiro rápido e espirituoso com performances que evocam risos e lágrimas de seu público, o auditório vibra desde as primeiras batidas de ‘Oops Up Side Your Head’ até o momento em que o elenco de seis dança fora do palco após suas reverências.

É 1981 e Janice (Kate James) é uma jovem garçonete de um hotel de Manchester, ansiosa para fazer “grandes coisas” – mas sem ideia de como. Ela está presa em sua cidade natal por seu gênero, educação e classe, esperando os resultados de seus O-Levels com uma paixão e urgência que seus colegas parecem não ter e até condenar. Quando Diane, uma nova garçonete chega, as frustrações de Janice são colocadas em foco.

Apresentada a Janice durante uma conversa com sua colega e amiga, Karen, o público é imediatamente convidado a investir nela. Sua personalidade – cheia de confiança, ideias e paixão – chama a atenção e a compreensão dos observadores. O diálogo veloz de Roger é uma excelente base para o desenvolvimento e a exploração de relacionamentos entre os personagens. Cada dinâmica entre os seis personagens é complexa e cheia de nuances, criando interações envolventes e ativas.

James incorpora a perspectiva jovem e crua de Janice com um ritmo impecável e uma expressão convincente. Ela é cativante e encantadora e, mesmo quando as decisões de Janice são objetivamente decepcionantes, o público continua torcendo por ela. Zoe BroughOs maneirismos de Diane garantem que Diane seja autêntica e complicada, ela é convincente sem esforço em sua interpretação. Todo o elenco é forte e apoia as atuações uns dos outros: Jane SlavinO tempo de ‘s é impecável, Chris Simmons‘ energia como Kevin é um coquetel de prazer e excentricidade, Larner Wallace Taylor é confiável e engraçado, enquanto Jack Colgrave Hirst‘s Dean é focado e reconhecível.

Executado em impulso, o cenário naturalista se encaixa perfeitamente no auditório e ressalta a peça com uma autenticidade confiável. Nigel Douglas‘ o bloqueio é preciso e proposital. Os atores se movem com e à parte uns dos outros com facilidade e diversão, nunca esquecendo um pouco – como as garçonetes sempre se afastando de Kevin após menções de seu fedor – o que é sempre gratificante.

Um público se deleita em recompensas por seu investimento – seja lembrando um pouco ou cuidando de um personagem – e investir em um personagem aumenta nossas expectativas e desejos. Por causa disso, o fim do A Sala Silenciosa nos deixa querendo apenas um pouco mais pagar. A peça supostamente pergunta: ‘até onde você iria para mudar o rumo da sua vida?’ mas parece se conter em oferecer uma grande resposta no caso de Janice. Seu monólogo final é devastador (e maravilhosamente interpretado por James), mas como uma personagem determinada e confiante, seria emocionante e gratificante para nós ver Janice fazer escolhas mais ativas ou nos provocar com algo que nos oferece uma esperança mais concreta para seu futuro. É claro que esse momento resume o coração da peça e suas discussões sobre privilégio, gênero e classe, mas mesmo assim, depois de duas horas investindo na narrativa de Janice, alguma esperança segura talvez tivesse sido uma conclusão mais satisfatória. Janice – com a paixão e determinação que ela demonstra – merece isso.

Apesar deste desejo de mais resolução, A Sala Silenciosa é afiada, divertida e comovente. Com direção confiante, atuação focada e naturalista e muito a dizer, a peça de estreia de Sally Rogers está pronta para decolar.

Escrito por: Sally Rogers
Direção e produção: Nigel Douglas

The Still Room toca no Park Theatre’s Park90 até 25 de junho. Mais informações e reservas podem ser encontradas aqui.



By admin