Wed. Dec 8th, 2021



Minha última visita ao Teatro do Leão e Unicórnio foi há dois anos, então, após um longo hiato, eu estava ansioso para ver Exile, uma peça de monólogo ambientada em 2016 e escrita por Niamh Denyer. Ao tomar meu lugar, a primeira coisa que despertou meus sentidos foi a bela, mas discreta música tocando ao fundo. O palco estava vazio, exceto por um assento solitário, o que sempre me causa consternação, mas não precisava ter me preocupado, pois descobri que nada mais era necessário. & Nbsp; O exílio começa com um apagão atmosférico. Luzes se acendem e vemos Darren & hellip;

Avaliação



Excelente

Uma peça de dois monólogos, carregada de humor e pathos, que aborda os temas LGBTQ + e o aborto. Ambos os atores apresentam belas performances nesta peça escrita soberbamente.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

Minha última visita a Teatro do Leão e Unicórnio foi há dois anos, então, após um longo hiato, eu estava ansioso para ver Exílio, uma peça de monólogo ambientada em 2016 e escrita por Niamh Denyer.

Ao tomar meu lugar, a primeira coisa que despertou meus sentidos foi a bela, mas discreta música tocando ao fundo. O palco estava vazio, exceto por um assento solitário, o que sempre me causa consternação, mas não precisava ter me preocupado, pois descobri que nada mais era necessário.

Exílio começa com um apagão atmosférico. Luzes se acendem e vemos Darren (Sammy Johnson) do palco central, que dinamicamente começa a falar sobre “casa” e o que isso significa para ele. Ele é taxista, casado com Lesley, que conhece há 13 anos; eles estão esperando seu primeiro filho. Ele conta que fez uma corrida de táxi que o levou perto de onde cresceu, onde resgatou alguém de seu passado; um homem que foi seu primeiro amor na escola. Darren conta, de maneira muito comovente, como eles se apaixonaram aos 13 anos, mas como o amor deles era secreto. Ficamos sabendo que seu pai, testemunhando dois gays juntos, comentou sobre eles serem “amores-perfeitos”, sugerindo que eles deveriam ter vergonha e fazendo com que Darren suprimisse seus sentimentos homossexuais por anos. Agora, o encontro casual despertou esses sentimentos. Os dois se encontram naquele fim de semana, quando a esposa de Darren está fora, e compartilham uma noite de amor feliz. Quase no final do monólogo, Darren nos apresenta a Donna, uma passageira de táxi que lhe foi designada para uma busca no aeroporto, para ser levada a uma clínica.

Donna, interpretada pela própria Denyer, sobe ao palco com energia. Em um eco do monólogo de Darren, ela começa a falar sobre casa e o que isso significa para ela. Sua casa é na Irlanda; ela nos conta que vem de uma origem rígida e que “minha mãe é bastante liberal para um católico praticante”, mas que é antiaborto. Este monólogo é cheio de ritmo e emoção, mas muito humor. Ouvimos como, após uma noite de bêbada, Donna descobre que está grávida. Em uma confissão divertida e divertida, ela conta que procurou um teste de gravidez em Boots, fez o teste sentada em um banheiro em Costa (bom uso da cadeira!) E depois foi para um McFlurry.

Muitas mulheres, na época em que a peça é ambientada, sentiram que não tinham outra opção a não ser viajar para a Inglaterra para realizar seus abortos, e Donna questiona por que um lugar que deveria ser um lar se recusa a ajudar mulheres em suas horas de necessidade? Ela relata o dia do aborto, seu encontro com Darren e o quão aliviada ela estava por ele não a ter julgado, mas por eles se terem abraçado. Este breve encontro entre os dois tem um impacto profundo sobre eles e seu futuro, e é bastante comovente. A peça contém linguagem forte e temas LGBTQ +, feministas e de aborto, retratando a história recente quando o aborto foi descriminalizado na Irlanda, mas essas questões são perfeitamente equilibradas com seu humor.

Exílio é uma peça instigante e extremamente bem escrita. Nossas condolências vão para Darren e Donna, ambos escondendo segredos, sentindo-se incapazes de se abrir para os mais próximos e queridos – estranhos em sua própria terra natal. Exílio é um forte lembrete de que a vida tem altos e baixos, mas que, acima de tudo, devemos ser honestos com nossos entes queridos. A escrita, as performances, a paisagem sonora e a iluminação são todas perfeitamente ajustadas, com o multi-roling dos atores com grande efeito cômico dentro de um contexto de questões emocionais. Eu estava em lágrimas no final, enquanto Donna falava sobre se reunir com sua mãe. Que belo final para uma bela peça.

Escrito por: Niamh Denyer
Dirigido por: Michael Kunze
Supervisor de Paisagem Sonora e Música: Matthew Elson
Produzido por: JoMac Productions

Exile se apresenta no Lion and Unicorn Theatre até 20 de novembro. Mais informações e reservas através do link abaixo.



By admin