Tue. May 24th, 2022



‘The Highwayman’, de Alfred Noyes, é amplamente considerado um poema clássico; uma história de amor entre um assaltante misterioso e Bess, a filha do estalajadeiro, que são traídas pelo cavalariço Tim por ciúmes. A releitura do Motley Crew tenta trazer sua própria singularidade aos procedimentos com uma narrativa LGBTQIA + (perfeitamente boa) e um final bastante ‘Hollywood’ (sem dúvida não tão bom: nem sempre precisamos de felizes para sempre). O elemento LGBTQIA+ é que o salteador é mulher, e não será demais dizer que é Anna (Laura May Price). Ao estilo Hong Kong Phooey (procure o…

Avaliação



Boa

Há muito o que admirar nesta reformulação do poema clássico, embora sua opinião final possa depender de você concordar ou não com o final ‘Hollywood’.

Avaliação do utilizador: Seja o primeiro!

‘O Salteador’ por Alfred Noyes é amplamente considerado como um poema clássico; uma história de amor entre um assaltante misterioso e Bess, a filha do estalajadeiro, que são traídas pelo cavalariço Tim por ciúmes. Grupo heterogêneo‘s tenta trazer sua própria singularidade aos procedimentos com uma narrativa LGBTQIA + (perfeitamente boa) e um final bastante ‘Hollywood’ (sem dúvida não tão bom: nem sempre precisamos de felizes para sempre).

O elemento LGBTQIA+ é que o assaltante é mulher, e não será demais dizer que é Anna (Preço Laura May). No estilo Hong Kong Phooey (procure crianças), ela é de dia uma humilde empregada, mas à noite o ladrão de estradas misterioso e mortal, roubando viajantes desavisados ​​e desfrutando de abraços noturnos com Bess (Emily Millwood). Isso traz o reconhecimento de que no século 18º No século, duas mulheres em tal relacionamento teriam sido escandalosas e mantidas escondidas, acrescentando assim uma camada adicional de sigilo à identidade do salteador. É bem abordado quando Anna e Bess discutem sobre deixar para estabelecer uma nova vida em outro lugar, com acenos de cabeça de como elas continuariam a manter seu relacionamento escondido de olhares indiscretos.

Compondo o elenco de quatro fortes são Andrew Houghton como cavalariço Tim e Dean McCullough como capitão. McCullough traz um ar maravilhosamente desagradável de arrogância e misoginia ao seu papel, e Tim está claramente admirado com ele. Se alguma coisa, esta é uma oportunidade perdida de trazer um interesse amoroso mais ousado. Em vez disso, vemos Tim mudar de cavalariço quieto para manipulador conivente enquanto tenta chantagear Bess para se casar. Se houver algum problema com os personagens e seu desenvolvimento, é em Tim. Ele começa a peça como um simplório demais e assim sua mudança repentina – mesmo com a influência do Capitão – em alguém que poderia planejar algo tão astuto parece um pouco errado.

Deixando de lado questões de desenvolvimento de personagens, agosto lagoO roteiro de ‘s flui liricamente, tirando muito do poema original em estilo e conteúdo. Mas enquanto a primeira metade parece leal à sua fonte, retornando após o intervalo, liberdades claras são tomadas, à medida que a história começa a divergir drasticamente. É nessa divergência que talvez aqueles leais ao original possam discordar, já que o final retrabalhado de Iago é muito mais ‘Hollywood’. Então, novamente, talvez a reescrita ofereça uma surpresa bem-vinda, especialmente quando você está esperando pelas conclusões mais comoventes do poema original?

Com um elenco de apenas quatro e as habituais limitações orçamentárias, há muito o que amar sobre a criatividade nesta produção. Lucas VellaO design de som de – todos os ventos misteriosos, cavalos ganindo e guardas tagarelando – cria uma paisagem sonora que leva você a um mundo mais amplo do que jamais vimos. Xena SaffromOs trajes de ‘s são simples, mas eficazes, especialmente ao permitir que Anna mude rapidamente de empregada para salteador, enquanto Ethan Olswangcenografia e Ryan DunnettA iluminação de ‘s cria de forma inovadora espaços claramente distintos a partir de apenas alguns adereços à mão.

O Salteador é uma brincadeira agradável que coloca uma nova perspectiva maravilhosa sobre o poema clássico. Sua opinião pode, em última análise, se basear em se você pode ignorar certas mudanças que estão sendo introduzidas ou não. Mas o que não pode haver dúvidas é que é mais um sucesso do The Space em trazer novos e interessantes talentos aos palcos.

(Esta revisão de The Highwayman foi realizada através da transmissão ao vivo e não pessoalmente.)

Escrito por: August Iago
Direção e produção: Hannah Lindstedt
Design de iluminação e transmissão ao vivo por: Ryan Dunnett
Cenografia por: Ethan Olswang
Figurinos por: Xena Saffrom
Design de som por: Luke Vella

The Highwayman toca no The Space até 29 de janeiro. Ele também estará disponível sob demanda por duas semanas.



By admin